Gabarito CFC Extraoficial: Confira a correção da prova AO VIVO

Gabarito CFC Extraoficial: equipe de professores do Gran Cursos Online comenta a prova do Exame de Suficiência realizada neste domingo, 31/01. Prazo para recursos vai do dia 02 a 03 de fevereiro!

Avatar


31/01/2021 | 21:38 Atualizado há 303 dias

A elaboração do Gabarito CFC Extraoficial já está em andamento! Para aliviar a ansiedade dos candidatos que fizeram a prova CFC do Conselho Federal de Contabilidade, os professores do Gran Cursos Online farão a correção ao vivo, neste domingo (31/01), a partir das 15h das questões do Exame CFC. E nós disponibilizaremos também os comentários por escrito para você entender a resposta de cada questão.

Ao todo, 89.284 candidatos participaram da aplicação da prova em todo o Brasil. A exceção foi a cidade de Manaus onde a aplicação da prova está suspensa devido à pandemia pelo novo coronavírus (Gabarito CFC Extraoficial).

A participação e aprovação no Exame CFC do Conselho Federal de Contabilidade é necessária para comprovar o conhecimento mínimo dos estudantes de Ciências Contábeis que desejam atuar como contadores .

Para aprovação no Exame de Suficiência do Conselho Federal de Contabilidade os candidatos devem responder corretamente a 50% das 50 questões, de 13 disciplinas, durante o período de quatro horas e 30 minutos (Gabarito CFC Extraoficial).

Prova Exame CFC 2020.2: comentários

Para auxiliar os candidatos, o Gran Cursos Online disponibilizará o Gabarito CFC Extraoficial e a correção das questões da prova CFC com comentários por escrito dos nossos professores especialistas no Exame de Suficiência.

Esta pauta será atualizada de acordo com o recebimento dos comentários. Veja agora os comentários já disponíveis clicando nos itens sublinhados abaixo (Gabarito CFC Extraoficial):

Contabilidade Geral, Gerencial e de Custos – Professor Luiz Eduardo

Questão 01. Fatos Contábeis
Gabarito: D

RESOLUÇÃO.

Para resolução, basta analisar os fatos e representar seus efeitos patrimoniais

 

dia Ativo Passivo dia
2 Caixa 10.000,00 fornecedores 1.500,00 10
4 -1.700,00 -1.050,00 27
10 -4.500,00 450,00
27 -1.050,00
2.750,00
15 Clientes 500,00 títulos a pagar 700,00 20
10 Mercad. 6.000,00
15 -300,00
5.700,00
4 Móveis 1.700,00
20 Veículo 700,00 PL
Capital 10.000,00 2
Despesa Receita
15 CMV 300,00 RBV 500,00 15

 

Ativo 11.350,00
Passivo 1.150,00
PL 10.200,00

 

Questão 02. Operações com Mercadorias
Gabarito: C

RESOLUÇÃO.

 

I – Custo
(  ) Preço 150.000,00
(-) ICMS -18.000,00 12,00%
(-) PIS -2.475,00 1,65%
(-) COFINS -11.400,00 7,60%
(=) Custo de Aquisição 118.125,00
(*) % Vendido 60%
(=) CMV 70.875,00
II – Resultado Bruto
(  ) Venda 130.000,00
(-) ICMS -15.600,00 12,00%
(-) PIS -2.145,00 1,65%
(-) COFINS -9.880,00 7,60%
(=) Receita Líquida 102.375,00
(-) CMV -70.875,00
(=) Resultado Bruto 31.500,00

 

Questão 03. Dividendos a Receber – método do custo
Gabarito: B

RESOLUÇÃO.

Para resolução da questão, basta saber que os dividendos a receber:

– são registrados como redução do investimento no Método da Equivalência Patrimonial

– são registrados como receita no Método do Custo.

 

No caso, a participação societária é avaliada pelo método do custo.

 

I – Dividendos a Receber
(  ) Lucro da Cia Juma 36.000,00
(*) % a ser distribuído 50%
(=) Dividendos Totais 18.000,00
(*) % de participação de Laika em Juma 12%
(=) Dividendos a Receber 2.160,00
II – Lançamento
D = Dividendos a Receber – Cia Juma
C= a Receita de Dividendos 2.160,00

 

Questão 04. Operações com Seguros
Gabarito: B

Para resolução, basta saber que a despesa com seguros é reconhecida pelo regime de competência, ao longo do período de vigência da apólice.

(  ) Prêmio do Seguro 27.000,00
(/) prazo de cobertura 18,00
(=) Despesa Mensal 1.500,00
(*) Período de uso (meses) 2,00 nov – dez/2019
(=) Despesa Total do Período 3.000,00

 

Questão 05. Perdas Esperadas em Créditos
Gabarito: D

Para resolução, é necessário saber que, quando o cliente é dado como totalmente inadimplente, a empresa deve dar baixa do total a receber, com:

– a realizarção (confirmação) das perdas esperadas PECLD e

– o reconhecimento das perdas adicionais (efetivas) ocorridas.

 

I – Apuração das Perdas
Cliente Y Cliente Z
(  ) Total a Receber 18.500,00 31.100,00
(-) Perdas Esperadas realizadas -2.300,00 -6.000,00
(=) Perdas Adicionais (efetivas) 16.200,00 25.100,00 41.300,00
II – Lançamentos
D = PECLD – Cliente Y 2.300,00
D = PECLD – Cliente z 6.000,00
D = Perdas Efetivas 41.300,00
C = a Cliente Y 18.500,00
C = a Cliente Z 31.100,00

 

Questão 06. Ajuste a Valor Recuperável
Gabarito: C

Para resolução, basta comparar o valor contábil com o valor recuperável do intangível, para reconhecer ou reverter perda esperada.

I – Valor Contábil Registrado
(  ) Custo Histórico do Intangível 60.000,00
(-) Perda Esperada -14.000,00
(=) Valor Contábil Inicial 46.000,00
II – Valor Recuperável
(  ) Valor em uso 63.000,00
(  ) Valor líquido de venda 43.000,00
 => Valor Recuperável (o maior) 63.000,00

 

Repare que, no caso, o valor recuperável é superior ao  valor contábil, portanto, será possível reverter a perda esperada.  Como o valor recuperável é superior ao custo histórico, a reversão será do total da perda esperada.

III – Lançamento
D = Perda Esperada
C = a Receita de Reversão de Perda -14.000,00

 

Questão 07. Subscrição e Integralização de Capital
Gabarito: A

Para resolução, basta conhecer o lançamento de subscrição e integralização de capital.

I – Subscrição
D = Capital a Integralizar
C = a Capital Subscrito 400.000,00
II – Integralização
D = Caixa / Bancos 200.000,00
D = Imóveis 150.000,00
C = a Capital a Integralizar 350.000,00

 

 

Questão 08. Instrumentos Financeiros – Desconto de Duplicatas
Gabarito: cabe recurso!

Para resolução, é necessário saber que os encargos da operação (juros + custos de transação) devem ser apropriados ao resultado PRO RATA TEMPORE, pelo método da taxa efetiva.

I – Desconto da Duplicata
D = Bancos 111.000,00 Ativo Circulante
D = Encargos Passivos a Transcorrer 14.000,00 Retif. do Passivo Circ.
C = a Duplicatas Descontadas 125.000,00 Passivo Circulante
II – Realização dos Encargos
D = Despesa Financeira
C = a Encargos Passivos a Transcorrer 4.484,40 4,04% de 111.000,00

Repare que não há, no enunciado, opção em linha com os lançamentos acima apresentados.  Portanto, entendemos que a questão seja passível e recurso e mereça ser anulada.

Questão 09. Ajuste a Valor Presente
Gabarito: B

Basta aplicar a NBC TG 12 e segregar, do total da operação, o montante referente ao valor da compra à vista e dos juros embutidos na operação.

O valor presente é sempre igual ao valor futuro, dividido pela soma da unidade com a taxa, elevada ao número de perpíodos.

VP = FV / (1 + Taxa) ^ n° de períodos

Parcela (  ) Valor Futuro (-) Valor Presente (=) Juros
1,00 20.000,00 17.391,30 2.608,70
2,00 20.000,00 15.122,87 4.877,13
3,00 20.000,00 13.150,32 6.849,68
60.000,00 45.664,50 14.335,50

Questão 10. Ajuste a Valor Recuperável e DRE
Gabarito: cabe recurso!

Em primeiro lugar, vamos calcular o ajuste ao valor realizável do ativo Beta.

Perda por AVR de Imobilizado Beta
ano Benefício esperado Valor Presente
(  ) 2.021 200.000,00 192.307,69 200.000 / 1,04
(+) 2.022 150.000,00 138.683,43 150.000 / 1,04^2
330.991,12  => V. Recuperável
(  ) Valor Contábil 400.000,00
(-) Valor Recuperável -330.991,12
(=) Perda 69.008,88

Agora, vamos organizar os dados do resultado da empresa

2.020 2.019
RLV (retração de 38%) 186.000,00 300.000,00
CPV (aumento de 20%) 240.000,00 200.000,00
Despesas Financeiras 20.000,00
Despesas Comerciais 100.000,00
Despesas Administrativas (redução de 8%) 161.000,00 175.000,00

Por fim, apresentamos a DRE.

(  ) Receita Líquida de Vendas 186.000,00
(-) Custo do Produto Vendido -240.000,00
(=) Lucro Bruto -54.000,00
(-) Despesas Administrativas -161.000,00
(-) Despesas Comerciais -100.000,00
(-) Despesas Financeiras -20.000,00
(-) Ajuste a Valor Recuperável (Imob. Beta) -69.008,88
(=) Resultado Antes dos Tributos -404.008,88

Em valores absolutos, encontramos a letra C.  Mas entendemos que o valor deveria estar negativo, portanto, cabe recurso.

Questão 11. Consolidação
Gabarito: C

RESOLUÇÃO.

I – Venda de B para A
(  ) Venda de B para A 150.000,00
(-) Custo do Estoque -75.000,00 Metade do Saldo do Estoque de B em 2019
(=) Lucro da operação 1 75.000,00
II – Venda de A para terceiros
(  ) Venda de A para terceiros 250.000,00
(-) Custo da Venda -150.000,00 Valor da aquisição de B
(=) Lucro da operação 2 100.000,00
III – Lucro total
(  ) Lucro da operação 1 75.000,00
(+) Lucro da operação 2 100.000,00
(=) Lucro total 175.000,00
IV – Expurgo de Res. não Realizados
n/a
totalidade foi vendida para terceiros

 

Questão 12. Ajuste a Valor Presente
Gabarito: C

Para resolução da questão, é necessário conhecer a fórmula, de matemática financeira do valor da parcela do financiamento, considerando os seguintes parâmetros.

Valor Presente = 80.000,00

Valor Futuro = 0

Número de parcelas = 16

Taxa = 2%

Com esses parâmetros, calculamos a parcela em R$ 5.892,01.

A seguir, o fluxo financeiro da operação, para apuração dos juros totais.

1 – Juros
mês (  ) Principal (+) Juros (=) Montante (-) PGTO (=) Saldo
1,00 80.000,00 1.600,00 81.600,00 -5.892,01 75.707,99
2,00 75.707,99 1.514,16 77.222,15 -5.892,01 71.330,14
3,00 71.330,14 1.426,60 72.756,74 -5.892,01 66.864,73
4,00 66.864,73 1.337,29 68.202,03 -5.892,01 62.310,02
5,00 62.310,02 1.246,20 63.556,22 -5.892,01 57.664,21
6,00 57.664,21 1.153,28 58.817,49 -5.892,01 52.925,48
7,00 52.925,48 1.058,51 53.983,99 -5.892,01 48.091,98
8,00 48.091,98 961,84 49.053,82 -5.892,01 43.161,81
9,00 43.161,81 863,24 44.025,05 -5.892,01 38.133,04
10,00 38.133,04 762,66 38.895,70 -5.892,01 33.003,69
11,00 33.003,69 660,07 33.663,76 -5.892,01 27.771,75
12,00 27.771,75 555,44 28.327,19 -5.892,01 22.435,18
13,00 22.435,18 448,70 22.883,88 -5.892,01 16.991,87
14,00 16.991,87 339,84 17.331,71 -5.892,01 11.439,70
15,00 11.439,70 228,79 11.668,49 -5.892,01 5.776,48
16,00 5.776,48 115,53 5.892,01 -5.892,01 0,00
14.272,16

Agora, é possível calcular o desembolso total na operação:

2 – Classificação
mês PGTO (-) Juros (=) Montante Classificação
1,00 -5.892,01 1.600,00 81.600,00 CP
2,00 -5.892,01 1.514,16 77.222,15 CP
3,00 -5.892,01 1.426,60 72.756,74 CP
4,00 -5.892,01 1.337,29 68.202,03 CP 88.380,15 Clientes AC
5,00 -5.892,01 1.246,20 63.556,22 CP -1.246,20 (-) Juros a Transc AC
6,00 -5.892,01 1.153,28 58.817,49 CP
7,00 -5.892,01 1.058,51 53.983,99 CP
8,00 -5.892,01 961,84 49.053,82 CP
9,00 -5.892,01 863,24 44.025,05 CP
10,00 -5.892,01 762,66 38.895,70 CP
11,00 -5.892,01 660,07 33.663,76 CP
12,00 -5.892,01 555,44 28.327,19 CP
13,00 -5.892,01 448,70 22.883,88 CP
14,00 -5.892,01 339,84 17.331,71 CP
15,00 -5.892,01 228,79 11.668,49 CP
16,00 -5.892,01 115,53 5.892,01 LP 5.892,01 Clientes ANC
-115,53 (-) Juros a Transc ANC

Por fim, apresentamos o lançamento:

3 – Lançamento
D = Duplicatas a Receber AC 88.380,15
D = Duplicatas a Receber ANC 5.892,01
C = a Juros a Transc AC 1.246,20
C = a Juros a Transc ANC 115,53
C = a Receita de Vendas 80.000,00

Questão 13. Demonstração dos Fluxos de Caixa
Gabarito: B

Para resolução, basta classificar as operações nas respectivas atividades e totalizar os valores dos fluxos.

 

Evento Valor Classificação Fluxo
Diminuição em contas a receber 73.650,00 operacional 73.650,00
aquisição de imobilizado -100.000,00 investimento -100.000,00
aumento de fornecedores 28.000,00 operacional 28.000,00
diminuição em estoques 45.491,00 operacional 45.491,00
aquisição de intangível -7.000,00 investimento -7.000,00
aumento em provisão 1.728,00 operacional 1.728,00
dividendos pagos -46.000,00 financiamento -46.000,00
aumento em provisão para garantias de venda 9.000,00 operacional 9.000,00
depreciação 13.000,00 operacional 13.000,00
diminuição em obrigações sociais e trabalhistas -3.000,00 operacional -3.000,00
lucro líquido 172.087,00 operacional 172.087,00
aumento em perdas estimadas em créditos 2.000,00 operacional 2.000,00
aquisição de propriedade para investimento -207.000,00 investimento -207.000,00
captação de empréstimo de CP 20.000,00 financiamento 20.000,00
Fluxo Operacional 341.956,00
Fluxo de Investimentos -314.000,00
Fluxo de Financiamentos -26.000,00
Fluxo total (variação de caixa e equivalentes) 1.956,00

 

Questão 14. Fatos Contábeis
Gabarito: C

RESOLUÇÃO.

Evento Valor AC ANC Imob. Ativo Total
Compras 175.000,00 0,00 0,00 0,00 0,00
Vendas (custo de 130.000) 370.000,00 240.000,00 0,00 0,00 240.000,00
Aquisição de Prop. p/ Inv 1.000.000,00 -1.000.000,00 1.000.000,00 0,00 0,00
depreciação 20.000,00 0,00 -20.000,00 -20.000,00 -20.000,00
pgto de PC 45.000,00 -45.000,00 0,00 0,00 -45.000,00
Aquisição da Entidade Gama 700.000,00 -700.000,00 700.000,00 0,00 0,00
-1.505.000,00 1.680.000,00 -20.000,00 175.000,00

 

 

Questão 15. Taxas de câmbio
Gabarito: B

Esta é uma questão teórica, sobre o conceito de moeda funcional, assunto tratado pela NBC TG 02.

  1. Os seguintes termos são usados neste Pronunciamento Técnico com os significados abaixo descritos:

Moeda funcional é a moeda do ambiente econômico principal no qual a entidade opera.

Questão 16. Taxas de Câmbio
Gabarito: Cabe recurso!

Esta é uma questão sobre a conversão de itens patrimoniais decorrentes de operações em moeda estrangeira, assunto tratado pela NBC TG 02.

No momento da transação, utiliza-se a taxa da data da operação.

      1. Uma transação em moeda estrangeira deve ser reconhecida contabilmente, no momento inicial, pela moeda funcional, mediante a aplicação da taxa de câmbio à vista entre a moeda funcional e a moeda estrangeira, na data da transação, sobre o montante em moeda estrangeira.

Em mensurações subsequentes, deve-se tratar diferenciadamente os itens monetários e os itens não monetários:

– os itens monetários são atualizados pela taxa da data do balanço

– os itens não monetários permanecem com a mensuração inicial, da data da operação.

      1. Ao término da cada período de reporte:

(a) os itens monetários em moeda estrangeira devem ser convertidos, usando-se a taxa de câmbio de fechamento;

(b) os itens não monetários que são mensurados pelo custo histórico em moeda estrangeira devem ser convertidos, usando-se a taxa de câmbio vigente na data da transação; e

(c) os itens não monetários que são mensurados pelo valor justo em moeda estrangeira devem ser convertidos, usando-se as taxas de câmbio vigentes nas datas em que o valor justo tiver sido mensurado.

Questão 17. Taxas de Câmbio
Gabarito: D

Esta é uma questão teórica, sobre o conceito de moeda funcional, assunto tratado pela NBC TG 02.

    1. Os seguintes termos são usados neste Pronunciamento Técnico com os significados abaixo descritos:

Variação cambial é a diferença resultante da conversão de um número específico de unidades em uma moeda para outra moeda, a diferentes taxas cambiais.

Questão 27.
Gabarito: C

A análise do valor agregado (Earned Value Analysis – EVA) é uma técnica utilizada para criar orçamentos, verificar se o orçamento está sendo – ou não – cumprido, avaliar a performance e estimar o custo para a finalização de um projeto.

São três os elementos dessa análise:
1. Valor Planejado – VP (Planed Value – PV)
a. valor do trabalho a ser realizado para completar o projeto
b. corresponde ao orçamento
c. no início, corresponde ao valor do projeto (BAC – Budget at Completion)
d. fórmula: VP = BAC * (1 – % completado do projeto)

2. Custo Real – CR (Actual Cost – AC)
a. Custo realmente incorrido, no trabalho efetivamente realizado até a data
b. Não existe uma fórmula específica, trata-se de um valor levantado

3. Valor Agregado – VA (Earned Value – EV)
a. Valor do trabalho efetivamente realizado até a data (custo orçado)
b. Fórmula: VA = BAC * (% completado do projeto)

Aplicando esses conceitos aos dados do enunciado, temos:
(  ) VP 800,00
(/) 1 – % compl 50%
(=) BAC 1.600,00

 

Contabilidade de Custos – Professor Luiz Eduardo

Questão 18.
Gabarito: D

ENUNCIADO.

RESOLUÇÃO.

I – Transferência – ADM para os demais
Corte Costura Pintura Almoxarifado
(  ) Custo ADM 8.000,00
(/) Funcionários Total 32,00
(=) Valor Unitário 250,00 250,00 250,00 250,00 250,00
(*) Funcionários dos departamentos 10,00 12,00 6,00 4,00
(=) Custo Transferido 2.500,00 3.000,00 1.500,00 1.000,00 8.000,00
II – Transferência – Almox para os demais
Corte Costura Pintura
(  ) Custo ALMOX 6.000,00
(/) Requisições Total 1.500,00
(=) Valor Unitário 4,00 4,00 4,00 4,00
(*) Funcionários dos departamentos 600,00 600,00 300,00
(=) Custo Transferido 2.400,00 2.400,00 1.200,00 6.000,00
III – Distribuição aos produtos Corte Costura Pintura
(  ) Custo do Departamento 18.900,00 25.400,00 10.700,00
(/) Quantidade total de produção 25.000,00 25.000,00 25.000,00
(=) Valor Unitário 0,76 1,02 0,43
(*) Total produto A 15.000,00 15.000,00 25.000,00
(=) Custo Distribuído – produto A 11.340,00 15.240,00 10.700,00 37.280,00
(-) Custo do Departamento -18.900,00 -25.400,00 -10.700,00
(=) Custo Produto B 7.560,00 10.160,00 0,00 17.720,00
IV – Custo Unitário Prod A Prod B
(  ) Custo Direto 30.000,00 35.000,00
(+) Custo Indireto Distribuído 37.280,00 17.720,00
(=) Custo Total 67.280,00 52.720,00
(/) Quantidade Produzida 15.000,00 10.000,00
(=) Custo Unitário 4,49 5,27

 

Questão 19
Gabarito: B

ENUNCIADO.

RESOLUÇÃO.

(  ) Estoque Inicial
 – MP 3.000,00
(+) Gastos de Produção
 – Compra MP 11.000,00
 – MOD 5.000,00
 – CIF
  . Supervisão 2.900,00
  . Aluguel da Fábrica 600,00
  . Lubrificantes 400,00
  . Manutenção 500,00
  . Supervisão Almox. 1.400,00
  . Depreciação 300,00
  . Seguro 340,00
  . Energia Elétrica 790,00
(-) Estoque Final
 – MP -5.000,00
(=) Custo de Produção 21.230,00

Questão 20
Gabarito: D

ENUNCIADO.

RESOLUÇÃO.

Para resolução, é necessário saber que o RKW considera, como custo de produção, todos os gastos, inclusive as despesas operacionais.

(  ) Materiais  Diretos 10.000,00
(+) Mão de Obra 15.000,00
(+) Custos Indiretos de Produção 25.000,00
(+) Despesas 30.000,00
(=) Total 80.000,00
(/) Qtd. Produzida 500,00
(=) Custo Unitário 160,00

Questão 21
Gabarito: D

RESOLUÇÃO.

Para Resolução, é necessário saber que – em ativos não qualificáveis – encargos financeiros não fazem parte do custo, mas são classificados como despesa financeira.

Portanto, o custo de aquisição da matéria prima é de apenas R$ 50.000,00 e os encargos de R$ 2.500,00 devem ser classificados como despesa financeira.

Questão 41. Apuração do Resultado – DRE
Gabarito: B

Para Resolução, basta aplicar os dados à estrutura da DRE, conforme definida no art. 187 da Lei das S/A e na NBC TG 26.

(  ) Vendas 650.000,00
(-) ICMS -117.000,00 18,00%
(-) PIS -4.225,00 0,65%
(-) COFINS -19.500,00 3,00%
(=) Receita Líquida 509.275,00
(-) CMV -250.000,00
(=) Lucro bruto 259.275,00
(-) Despesas Adm
 – água -150,00
 – luz -240,00
 – Salários -2.300,00
(=) Lucro Antes do Res. Financeiro 256.585,00
(+/-) Rec / Desp Financeiras 0,00
(=) Lucro Antes dos Tributos 256.585,00
(-) Tributos 0,00
(-) Participações 0,00
(=) Lucro das Operações Continuadas 256.585,00
(+/-) Res. Oper. Descontinuadas 0,00
(=) Lucro Líquido 256.585,00

 

Questão 42. Subscrição e Integralização de Capital
Gabarito: C

Leo n° 6.404/76 (Lei das S/A)

Art. 8º A avaliação dos bens será feita por 3 (três) peritos ou por empresa especializada, nomeados em assembléia-geral dos subscritores, convocada pela imprensa e presidida por um dos fundadores, instalando-se em primeira convocação com a presença desubscritores que representem metade, pelo menos, do capital social, e em segunda convocação com qualquer número.                  (Vide Decreto-lei nº 1.978, de 1982)

  • 1º Os peritos ou a empresa avaliadora deverão apresentar laudo fundamentado, com a indicação dos critérios de avaliação e dos elementos de comparação adotados e instruído com os documentos relativos aos bens avaliados, e estarão presentes à assembléia que conhecer do laudo, a fim de prestarem as informações que lhes forem solicitadas.
  • 2º Se o subscritor aceitar o valor aprovado pela assembléia, os bens incorporar-se-ão ao patrimônio da companhia, competindo aos primeiros diretores cumprir as formalidades necessárias à respectiva transmissão.
  • 3º Se a assembléia não aprovar a avaliação, ou o subscritor não aceitar a avaliação aprovada, ficará sem efeito o projeto de constituição da companhia.
  • 4º Os bens não poderão ser incorporados ao patrimônio da companhia por valor acima do que lhes tiver dado o subscritor.

 

I – Capital a Realizar
(  ) Capital Subscrito 1.725.000,00
(-) Máquinas entregues -1.717.500,00
(=) Capital a Realizar 7.500,00
II – Patrimônio Líquido
(  ) Capital Subscrito 1.725.000,00
(-) Capital a Realizar -7.500,00
(=) Capital Realizado 1.717.500,00

Questão 43. Apuração do Resultado – DRE
Gabarito: A

Para resolução, é necessário classificar as contas (patrimoniais, de resultado, resultado abrangente) e apurar o resultado, conforme estrutura da DRE prevista na Lei das S/A e na NBC TG 26.

 

(  ) Faturamento Bruto 3.500.000,00
(-) IPI faturado -150.000,00
(=) Receita Bruta de Venda 3.350.000,00
(+) Receita Bruta de Serviços 2.000.000,00
(=) Receita Bruta Total 5.350.000,00
(-) abatimentos -159.000,00
(-) descontos incondicionais -59.855,00
(-) vendas canceladas e devoluções -145.000,00
(-) tributos sobre a venda
 – ICMS -990.000,00
 – ISS -275.000,00
 – COFINS -135.300,00
 – PIS -29.315,00
(-) Ajuste a Valor Presente -175.000,00
(=) Receita Líquida 3.381.530,00
(-) CPV -857.500,00
(-) Custo Serv. Prestados -248.759,00
(=) Resultado Bruto 2.275.271,00
(-) Despesas Operacionais
 – Salários e Encargos -159.780,00
 – Administrativas -15.487,00
(-) IPTU -4.857,00
(+) Resultado MEP 487.954,00
(+) Outras Rec. Operacionais 700.000,00
(-) Outras Desp. Operacionais -325.870,00
(=) Resultado antes do RES Financ. 2.957.231,00
(+) Receitas Financeiras 0,00
(-) Despesas Financeira
 – Juros AVP -200.000,00
(=) Resultado antes dos Tributos 2.757.231,00
(-) Tributos sobre o lucro -8.745,00
(-) Participações sobre o lucro 0,00
(=) Resultado das Operações Continuadas 2.748.486,00
(+/-) Operações Descontinuadas
 – Receitas 1.500.000,00
 – Despesas -548.700,00
(=) Resultado Líquido 3.699.786,00

 

 

Questão 44. Classificação de Contas – Passivo
Gabarito: A

Esta é uma questão de mera classificação de contas.

As contas classificadas no passivo são as seguintes

(  ) Provisões para contratos onerosos 1.912,50
(+) JCP a pagar 562,50
(+) ISS a recolher 2.475,00
(+) Impostos a pagar 787,50
(+) Fornecedores 337,50
(+) Empréstimos a pagar 562,50
(+) Dividendos a pagar 900,00
(+) Adiantamento de clientes 337,50
(=) Total do Passivo 7.875,00

 

 

Princípios de Contabilidade e Normas Brasileiras de Contabilidade – Professor Feliphe Araújo

Questão 35
Gabarito: Cabe recurso!

Resolução:

Despesa na DRE

Salário bruto 1.200.000

+ INSS empresarial 856.140

+ Horas extras 750.000

+ Comissões 700.000

+ Adicional insalubridade 560.000

+ Adicional noturno 548.700

+ Adicional periculosidade 522.000

+ FGTS 342.456

(-) Faltas injustificadas e Atrasos (487.954)

(-) Vale transporte descontado* (325.870)

= Despesas 4.665.472

Com isso, o gabarito seria a letra C.

 

INSS retido, IRPF, vale transporte descontado e empréstimo consignado são despesas do empregado, sendo a empresa apenas responsável pela retenção e repasse às entidades.

Faltas injustificadas e atrasos é descontado do empregado.

Auxílio-Maternidade e Salário-Família são despesas do governo.

* Porém, discordo do gabarito e pretendemos entrar com recurso.

O vale transporte descontado refere-se a parte do empregado, logo, não é dedução da despesa.

 

Explicação do Vale transporte

Imagine o vale transporte do funcionário de 370, sendo 130 a parte do empregado, ou seja, descontado na folha.

O Vale transporte da empresa é apropriado como despesa da empresa no final do mês, e, portanto, não faz parte do salário a pagar aos funcionários.

O Vale transporte do empregado deve ser deduzido dos salários a pagar pois representou um adiantamento já feito ao funcionário no começo do mês.

Quando o vale transporte é pago em dinheiro deve ser utilizado como base de cálculo das contribuições.

Vamos ver em mais detalhes e fazer os passos para contabilização do vale transporte pela empresa.

  1. Inicialmente, a empresa compra os vales transporte de uma empresa.

Lançamento contábil:

D – Vale transporte em estoque (Ativo) 370,00

C – Caixa ou Bancos 370,00

  1. Depois a empresa repassa os vales para o empregado de forma antecipada.  Ou seja, dia 01 do mês o funcionário já recebe os vales.

Lançamento contábil:

D – Adiantamento vale transporte (Ativo Circulante) 370,00

C – Vale transporte em estoque (Ativo) 370,00

  1. No final do mês, a empresa reconhece a despesa de vale transporte e apropria a parte do empregado:

3.1. Despesa de vale transporte:

D – Vale transporte (despesa) 240,00

C – Adiantamento vale transporte (Ativo Circulante) 240,00

3.2. Lançamento parte empregado:

D – Salários a pagar (Passivo Circulante) 130,00

C – Adiantamento vale transporte (Ativo Circulante) 130,00

Com isso, o vale transporte – parte empregado não deve ser dedução da despesa.

 

Cálculo correto:

Despesa na DRE

Salário bruto 1.200.000

+ INSS empresarial 856.140

+ Horas extras 750.000

+ Comissões 700.000

+ Adicional insalubridade 560.000

+ Adicional noturno 548.700

+ Adicional periculosidade 522.000

+ FGTS 342.456

(-) Faltas injustificadas e Atrasos (487.954)

= Despesas 4.991.342

Com isso, não temos resposta e a questão deveria ser anulada.

Questão 36
Gabarito: C

Resolução:

O regime de competência considera para o resultado as despesas incorridas e as receitas ganhas, independentemente de realização em dinheiro. Assim, vamos contabilizar os juros ativos e passivo relativos a 2019.

Vamos aos cálculos em 2019:

(-) Juros passivo (18.750)

(-) Juros passivo (24.000)

+ Juros ativo 50.000

+ Juros ativo 30.000

= Resultado dos encargos financeiros 37.250

Teoria da Contabilidade – Professor Feliphe Araújo

Questão 33
Gabarito: B

Resolução:
Vida útil mensal = 10 anos * 12 meses = 120 meses
Valor depreciável = 900.000 – 15% x 900.000 = R$ 765.000,00
Cálculo da depreciação mensal do bem:
Depreciação Mensal = Valor depreciável = 765.000 = R$ 6.375,00 por mês
Vida útil mensal     120 meses
Cálculo da depreciação em 31/12/2019, 9 meses após o início da depreciação:
Despesa de Depreciação em 2019 = 6.375 x 9 meses = R$ 57.375,00
Com isso, o gabarito é a letra B.
Método turbo para resolução no dia da prova:
Depreciação de 2019 = (900.000 – 15% x 900.000) * 9 / 120 = 53.575

 

 

Questão 34
Gabarito: A

Resolução:
Receita Bruta de Vendas 100.000
(-) Devolução de vendas (30.000) = 30% x 100.000
(-) ICMS sobre vendas (14.000) = 20% x (100.000 – 30.000)
= Receita Líquida de Vendas 56.000
(-) CMV (60.000)
= Resultado Bruto Negativo – 4.000

 

 

Perícia Contábil – Professor Andrey Soares de Oliveira

Questão 30
Gabarito: B

Comentários:

Temos pegadinha na área! Antes de fazermos os comentários diretos, vale a pena você se recordar: o balanço de determinação, para os fins dessa questão, deve ser compreendido como aquele levando pelo perito contábil do juízo em um processo envolvendo apuração de haveres. O balanço patrimonial vai, assim, receber alguns ajustes, considerando seus bens, direitos e obrigação a valor de mercado. Serve como referência a data do evento “determinante”: a morte de um dos sócios. Os haveres vão levar em consideração, basicamente, a participação (%) que cada um detinha junto à entidade à época do evento. Portanto, teremos o João Alvarez (falecido) com 45%; seu filho, João Alvarez Júnior, com 10%; e José Albano com o restante, 45%. Detalhe: João Alvarez, na data da morte, não tinha esposa (era viúvo), sendo João Alvarez Júnior seu único herdeiro. Vamos ao Código Civil para entender o que a legislação fala sobre esse tipo de situação. Comecemos pelo art. 1.028 do CCB/2002:

Art. 1.028. No caso de morte de sócio, liquidar-se-á sua quota, salvo:

I – se o contrato dispuser diferentemente;

II – se os sócios remanescentes optarem pela dissolução da sociedade;

III – se, por acordo com os herdeiros, regular-se a substituição do sócio falecido.

A questão não menciona alguma dessas exceções (incisos I, II e III), de forma que seguiremos a regra: liquidação. Liquidar, no caso, significa que o valor correspondente às contas do “de cujus” será pago aos herdeiros, no caso, ao João Alvarez Júnior, único herdeiro. O Capital Social, por sua vez, será proporcionalmente atingido, a menos que os sócios supram a deficiência, o que o enunciado não menciona. É o que veremos no art. 1.031 do mesmo código. Observe:

Art. 1.031. Nos casos em que a sociedade se resolver em relação a um sócio, o valor da sua quota, considerada pelo montante efetivamente realizado, liquidar-se-á, salvo disposição contratual em contrário, com base na situação patrimonial da sociedade, à data da resolução, verificada em balanço especialmente levantado.

  • 1º O capital social sofrerá a correspondente redução, salvo se os demais sócios suprirem o valor da quota.
  • 2° A quota liquidada será paga em dinheiro, no prazo de noventa dias, a partir da liquidação, salvo acordo, ou estipulação contratual em contrário.

Agora, avaliemos as alternativas.:

  1. José Albano, de fato, continua com a maioria do Capital Social. Mas não seria de R$77.000,00. Esse valor, na verdade, seria o novo Capital Social, o que inclui a parte do João Alvarez Júnior.
  2. Como a questão não cita algo alguma exceção (incisos I, II ou III), seguiremos a regra do caput do art. 1.028. Assim, João Alvarez Júnior receberá os haveres correspondentes às cotas do pai falecido (R$63.000,00, em dinheiro) conforme §2º, art. 1.031 do CCB/2002, permanecendo proporcionalmente com a mesma participação no Capital Social, após a liquidação.
  3. João Albano, de fato, não receberá haveres do sócio falecido. Mas continuará a ter 45 cotas do Capital Social da empresa.
  4. João Alvarez Júnior receberá o valor equivalente às 45 cotas do Capital Social pertencentes ao pai, sócio falecido. Porém, permanecerá com as 10 cotas que tinha antes.

Questão 48
Gabarito: D

Comentários:

Se a prova do fato discutido em processo dependia de conhecimento técnico-científico, presente estará o pressuposto para a necessidade de nomeação de um perito judicial (art. 156 do CPC/2015). O perito do juízo, enquanto auxiliar da justiça, fica sujeito às hipóteses de suspeição e impedimento (itens 07 a 15 da NBC PP 01-R1 e arts. 144 a 148 do CPC/2015). O fato hipotético, trazido pelo examinador, nos leva a concluir que o perito, sendo cunhado (parente em 2º grau por afinidade) do empregador (parte no processo), não poderia aceitar o encargo, por se amoldar a uma hipótese de impedimento (art. 144, inciso IV do CPC/2015). A escusa, no caso, deveria ser apresentada em até 15 (quinze) dias, contado da intimação. Passou disso, considera-se renunciado o direito de alegá-la (art. 157, §1º do CPC/2015). Portanto, como não fez, e infringindo a regra, o ato deve ser considerado ilícito (“a” correta”). Havendo prestado informações inverídicas, responderá civilmente pelos prejuízos causados à parte, nos termos do art. 158 do CPC/2015 (“b” correta). A sua omissão em não informar seu impedimento pode ser considerado intencional, mas ainda que não o fosse responderia pelo ato, em caso de prejuízos (“c” correta). Assim, resta-nos a alternativa “d”, flagrantemente incorreta, gabarito da questão.

 

Questão 47
Gabarito: Cabe recurso!
Comentários:

Questão pesada! Precisávamos de refrescar a memória com conceitos de Matemática Financeira. Nessa disciplina, estudamos que uma das classificações atribuídas à taxa a divide em dois tipos: nominal e real. A nominal é aquela declarada, a contratada em uma operação financeira. É a que enxergamos num contrato, por isso, também chamada taxa aparente.  A real, por sua vez, é aquela efetivamente cobrada ao final da operação, descontando-se a desvalorização do dinheiro no período, ou seja, a inflação, além de outros custos e taxas alusivos à operação. Vamos entender melhor agora, por meio da questão proposta pelo examinador.

Tínhamos um capital inicial (valor do empréstimo) de R$10.000,00, a ser pago em cota única ao final de 12 meses, com taxa de juros compostos de 12% a.a, e inflação acumulada no período de 6% a.a. Para resolvermos, porém, precisamos nos socorrer de uma formulazinha utilizada nesse tipo de operação, qual seja

Auditoria Contábil – Professor Marcelo Aragão

Questão 45
Gabarito: C

No que se refere a exames relacionados à adoção de estimativas contábeis e à avaliação das distorções identificadas durante os trabalhos de auditoria, assinale a alternativa correta.

  1. A) Incorreta. A diferença entre o resultado da estimativa contábil e o valor reconhecido nas demonstrações contábeis não representa, necessariamente, distorção das demonstrações contábeis.
  2. B) Incorreta. O objetivo do auditor é identificar e avaliar os riscos de distorção relevante independentemente se causados por fraude ou erro, nos níveis da demonstração contábil e das afirmações, por meio do entendimento da entidade e do seu ambiente, inclusive do controle interno da entidade, proporcionando assim uma base para o planejamento e a implementação das respostas aos riscos identificados de distorção relevante. Para a identificação de riscos, as normas não exigem que o auditor tenha pleno conhecimento da totalidade das afirmações relevantes existentes nas demonstrações contábeis. Para identificação e avaliação de riscos, o auditor deve ter amplo entendimento das fontes que podem gerar riscos de distorção relevante, tais como a natureza da entidade, fatores internos e externos, estratégias, políticas contábeis etc.
  3. C) Correta. Segundo a NBC TA 540, para o entendimento dos procedimentos de avaliação de risco e atividades relacionadas desenvolvidas pela entidade, o auditor deve buscar entendimento de como a entidade identifica as transações, eventos e condições que requerem reconhecimento ou divulgação de estimativas contábeis, e ainda como a administração elabora efetivamente as estimativas contábeis.
  4. E) Incorreta. A natureza das informações disponíveis de uma empresa afeta a incerteza das estimativas e, consequentemente, o risco de distorções relevantes nas demonstrações contábeis.

 

 

Direito Tributário – Professor Claudio Steinbruch Roisman

Questão 28
Gabarito: B

  1. Calcular a Base do ICMS Próprio:

Base do ICMS Próprio = (Valor do produto + Frete + Seguro + Outras Despesas Acessórias – Descontos).

Base do ICMS Próprio = (1.000,00 + 200,00).

Base do ICMS Próprio = 1.200,00

  1. Calcular o Valor do ICMS Próprio:

Valor do ICMS Próprio = Base ICMS Próprio * (Alíquota ICMS Próprio / 100).

Valor do ICMS Próprio = 1.200,00 * (12,00 / 100).

Valor do ICMS Próprio = 144,00.

  1. Calcular a Base do ICMS ST:

Base do ICMS ST = (Valor do produto + Valor do IPI + Frete + Seguro + Outras Despesas Acessórias – Descontos) * (1+(%MVA / 100)).

Base do ICMS ST = (1.000,00 + 60,00 + 200,00) * (1+(40,00 / 100)).

Base do ICMS ST = 1.260,00 * 1,40.

Base do ICMS ST = 1.764,00.

  1. Calcular o Valor do ICMS ST:

Valor do ICMS ST = (Base do ICMS ST * (Alíquota do ICMS Próprio/ 100)) – Valor do ICMS Próprio.

Valor do ICMS ST = (1.764,00 * (12,00 / 100)) – 144,00.

Valor do ICMS ST = 211,68,00 – 144,00.

Valor do ICMS ST = 67,68.

 

Contabilidade Aplicada ao Setor Público para CFC – Professor Rodrigo Machado

Exame CFC: prova

Exame CFC: prova

Questão 22
Gabarito: B

Letra “a” está incorreta, porque a ocorreu economia de despesas:

Despesa Fixada
(a)
Despesa Realizada
(b)
Resultado
c=(a-b)
1.000 800 200

A letra “b” está correta, de fato, a execução orçamentária apresenta uma insuficiência de arrecadação:

Receita Prevista
(a)
Despesa Arrecadada
(b)
Resultado
c=(a-b)
1.000 900 100

A letra “c” está incorreta quando afirma que ocorreu um superávit de capital, na verdade, tivemos um déficit de capital:

Receita de Capital
(a)
Despesa de Capital
(b)
Resultado
c=(a-b)
900 1.300 400

A letra “d” também apresentou erro, pois diante dessa situação teremos um déficit orçamentário de $200:

Despesa realizada
(a)
Receita Arrecadada
(b)
Resultado
c=(a-b)
1.200 1.000 200

Questão 23
Gabarito: D

Exame CFC: prova

Exame CFC: prova

 

Superávit financeiro – diferença positiva entre o ativo financeiro e o passivo financeiro -, de exercícios anteriores é fonte para a abertura de créditos adicionais e é apurado no balanço patrimonial do exercício anterior (art. 43 da Lei 4.320/64).

Balanço patrimonial

ATIVO FINANCEIRO PASSIVO FINANCEIRO
Caixa e Equivalentes 1.500 Restos a Pagar 900

Ativo financeiro
(a)
Passivo financeiro(b) Resultado
c=(a-b)
1.500 900 600

Questão 24
Gabarito:  D

Exame CFC: prova

Exame CFC: prova

O enunciado aborda o registro contábil da receita de Fundeb sob o enfoque patrimonial, a letra “a” está incorreta porque apresenta o registro contábil sob o enfoque orçamentário – utilizando a classe 6. A letra “b” também está incorreta, seus registros são sob o enfoque de controle – classe 8.

A letra “c” está incorreta, porque debitou uma conta de classe 3 – VPD, representando a realização de uma despesa, mas a questão aborda uma receita, decorrente do recebimento de recursos vinculados.

Por fim, a letra “d” está correta. No recebimento de recursos devemos debitar caixa – classe 01 e creditar uma variação patrimonial aumentativa – classe 04.

Matemática Financeira e Estatística – Professor Thiago Fernando Cardoso da Silva

Questão 25
Gabarito: B

Exame CFC: prova

Exame CFC: prova

Comentários

O custo total de produção pode ser obtido como a soma dos custos fixos com os custos variáveis.

Custo=Custos Fixos+Custos Variáveis

Os custos fixos equivalem a R$800.000. Já os custos variáveis podem ser obtidos como o produto de uma constante v pelo número de unidades fabricantes. Segundo o enunciado, esses custos equivalem a R$500.000.

Assim, podemos escrever:

500000=2500.v
∴v=500000 ÷ 2500=200

Portanto, a empresa tem custos variáveis R$200 por unidade produzida. Então, podemos escrever:

Custo=800000+200.N

Considerando que a receita é igual a R$600 por unidade vendida, temos que o ponto de equilíbrio contábil acontece justamente quando a receita de vendas iguala os custos.

Receita=Custos
600.N=800000+200.N
600N-200N=800000
400N=800000∴N=800000 ÷ 400= 2000

Portanto, o ponto de equilíbrio contábil é atingido com 2.000 unidades vendidas. Nessa situação, a receita obtida pela empresa é:

Receita=600.N=600.2000=1200000

 

Exame CFC: prova

Exame CFC: prova

Questão 31
Gabarito: B

Comentários

Os juros nominais desconsideram os custos adicionais incorridos pela empresa, portanto eles desconsideram a tarifa de serviço bancário. Eles podem ser calculados diretamente pela relação entre o pagamento e o empréstimo tomado.

Jnom=68500-65000=3500

A taxa nominal, por sua vez, pode ser obtida como a relação entre os juros nominais e o capital tomado emprestado.

inom=JnomC=350068÷500≅0,0538=5,38%

Em contrapartida, os juros efetivos consideram todos os custos incorridos pela empresa, incluindo as taxas de serviço. A empresa adquiriu um empréstimo de R$65.000, porém, no ato da contratação, já teve que pagar uma tarifa de serviço bancário. Essa tarifa é abatida do valor líquido que ela recebeu em sua conta.

Taxa=65000⋅1,5÷100=650⋅1,5=975
Recebimento=65000-975= 64025

Os juros efetivos cobrados na operação correspondem a todos os custos incorridos pela empresa, isto é, à diferença entre a quantia paga e a quantia efetivamente recebida.

Jef=68500-64025=4475

A taxa de juros efetiva é, portanto:

ief=Jef÷Recebimento=44756÷4025≅0,0699=6,99%

 

 

Exame CFC: prova

Exame CFC: prova

Questão 32
Gabarito: A

Comentários

No sistema SAC, a amortização é constante. Como o capital de R$600.000 precisa ser amortizado em 5 prestações, a cada prestação, a amortização deve ser:

Am=600000÷5=120000

O saldo devedor segue o fluxo mostrado a seguir:

Exame CFC: prova

Exame CFC: prova

Como o sistema é postecipado, os juros pagos na quinta prestação são pagos em relação ao saldo devedor no mês anterior, isto é, no mês 4.
Nesse mês, já foram realizadas 4 amortizações de R$120.000 cada. Portanto, o saldo devedor será:

D4=600000-4.120000=600000-480000=120000

Esquematicamente, podemos escrever:

Exame CFC: prova

Exame CFC: prova

Os juros pagos na quinta parcela são:

J5=D4.i.t=120000.0,01.1=1200

A parcela de um sistema SAC tem duas componentes: os juros e a amortização. Então, podemos calculá-la:

P5= J5+Am=120000+1200=121200

Língua Portuguesa Aplicada – Professor Lucas Gonçalves

Questão 49
Gabarito: B
O vocábulo “micro” é um prefixo usado na composição da palavra. Tal prefixo é invariável; por isso, o emprego do singular.
A letra (C) está incorreta, por afirmar que há apenas uma possibilidade concordância quando há dois adjetivos posposto ao substantivo.
E, na letra (D), observamos que a concordância gramatical está perfeita e não rejeita a adequação. Por esses motivos, marcamos a letra (B) como resposta correta.

Questão 50
Gabarito: B
O texto da prova é predominantemente dissertativo-expositivo, pois visa a expor as informações relativas aos efeitos da pandemia.
Agora, as citações em discurso direto têm o papel de fortalecer a ideia de que a pandemia acelera esse processo de digitalização dos micro e pequenos empreendedores.
Com base nisso, marcamos a letra (B) como resposta correta.

Prova CFC Exame 2020.2: gabarito preliminar

O gabarito preliminar das questões objetivas da prova CFC do 2º Exame CFC do Conselho Federal de Contabilidade será divulgado nos sites da Consulplan (www.consulplan.net) e do CFC (www.cfc.org.br), a partir das 16h00 do dia 01 de fevereiro de 2021 (segunda-feira).

Gabarito CFC Exame 2020.2: recursos

Os interessados em interpor recursos com relação ao gabarito CFC preliminar deverão fazê-lo entre os dias 02 e 03 de fevereiro de 2021. Será necessário acessar ao link que será disponibilizado no site da Consulplan e preencher um requerimento próprio. Vale lembrar que o recurso deverá ser individual, por questão ou avaliação, daquilo em que o examinando se julgar prejudicado (Gabarito CFC Extraoficial).

Além disso, é necessária a devida fundamentação, comprovando as alegações com citações de artigos, de legislação, itens, páginas de livros, nomes dos autores, etc., e ainda, a exposição de motivos e argumentos com fundamentações circunstanciadas (Gabarito CFC Extraoficial).

Gabarito CFC Extraoficial: Exame de Suficiência 2020.2

A prova CFC do Exame de Suficiência do Conselho Federal de Contabilidade será corrigida também em vídeo por nossos professores. Acompanhe AO VIVO a correção da prova CFC e a elaboração do Gabarito CFC Extraoficial!

Prova CFC: Análise do Exame de Suficiência 2020.2

Fez a prova do Exame CFC neste domingo (31/01)? Deixe nos comentários a sua análise sobre a prova.

• O que você achou do nível de dificuldade da prova?
• O conteúdo cobrado na prova estava de acordo com o previsto no edital?
• A banca trouxe alguma inovação na cobrança do conteúdo?
• Havia muitos candidatos ausentes na sua sala?

Resumo do edital Exame CFC 2020: Gabarito CFC Extraoficial

Concurso Exame de Suficiência do Conselho Federal de Contabilidade (edital Exame CFC 2020)
Banca organizadora Consulplan
Escolaridade Bacharelado em ciências contábeis
Inscrições  de 22/09/2020 a 22/10/2020
Taxa de inscrição de R$ 50,00
Data da prova objetiva 31/01/2021
Link do edital Clique aqui para ver o edital

Avatar

Equipe do Gran Cursos Online
2

5

Comentários (5)

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *