Responsabilidade ambiental civil: a Teoria do Bolso Profundo é aceita no Brasil?

Deixe seu like:

Avatar


24/03/2022 | 10:31Atualizado há 148 dias

Vamos tratar de um tema relacionado à responsabilidade ambiental na esfera civil, isto é, a responsabilização civil por danos ao meio ambiente.

Segundo a teoria norteamericana do Bolso Profundo (Deep Pocket Doctrine), aplicável em responsabilidade ambiental na esfera civil, havendo vários poluidores, a ação judicial pode ser proposta exclusivamente contra aquele que possui maiores e melhores condições financeiras para suportar a responsabilização pelo dano ambiental.

E no Brasil? Esta teoria é aceita?

Por aqui, o STJ pacificou:

“Na forma da jurisprudência do STJ, não há litisconsórcio passivo necessário com o cônjuge do agente poluidor, tendo em vista que a responsabilidade por danos ambientais é solidária entre o poluidor direto e o indireto, razão pela qual a ação pode ser ajuizada contra qualquer um deles, evidenciando o litisconsórcio facultativo (AgInt no AREsp 1.148.643, destaque nosso).

Assim, sendo o litisconsórcio facultativo, o autor da ação civil ambiental (ação civil pública, ação popular ou ação individual, por exemplo), pode escolher demandar contra qualquer um dos poluidores.

Ok, mas isto significa o acolhimento da Teoria do Bolso Profundo? A resposta é não, ainda que o efeito prático possa ser semelhante.

São raros os julgados de nossos tribunais que acolhem expressamente a referida teoria. O STJ, por exemplo, não a rejeita nem a acolhe expressamente.

Porém, recentemente, começaram a surgir alguns precedentes:

“Igual razão de decidir aplica-se à demanda de indenização do atingido por dano ambiental, já que prevalente a teoria do bolso profundo a alcançar de maneira solidária todos os responsáveis.” (TJMG – ApCiv 1.0521.15.020446-4/012 – j. 4/11/2021 – DJe 5/11/2021); e

“a teor do que dispõe a teoria norteamericana do bolso profundo (Deep Pocket Doctrine), havendo vários poluidores, a demanda pode ser exclusiva contra aquele que possui maiores e melhores condições financeiras para suportar a responsabilização pela degradação ambiental, o que é o caso dos autos.” (TJMS – EDcl 1402071-82.2020.8.12.0000 – j. 9/4/2021 – DJe 14/4/2021).

Também há acolhimento da teoria pelo TRF da 4.ª Região (ApCiv 5000795-37.2018.4.04.7211 – – j. 20/7/2021 – DJFe 22/7/2021) e pelo TJES (ApCiv 0039094-55.2016.8.08.0014 – j. 19/11/2019 – DJe 26/11/2019).

Interessante que o julgado do TJMS acima citado foi objeto de recurso especial e o STJ, em decisão monocrática recentíssima (dezembro de 2021), ressaltou que, no julgado recorrido:

“aplicou-se a teoria norte-americana do bolso profundo (Deep Pocket Doctrine) (…) A teoria norte-americana do bolso profundo (Deep Pocket Doctrine) parte da ideia de que em havendo vários poluidores, deverá prevalecer à solidariedade entre eles, afim de que o prejudicado possa demandar aquele agente que possua maiores e melhores condições financeiras para suportar a responsabilização pela degradação ambiental.” (REsp 1946113, j. 3/12/2021, public. 09/12/2021).

E o eminente ministro relator Mauro Campbell, neste ponto, não fez qualquer crítica, tampouco alterou o que foi decidido. Manteve o polo passivo, porém com fundamento na jurisprudência pacífica do STJ. Parece que, implicitamente, houve a aceitação da teoria.

Mas ATENÇÃO: para fins de provas e concursos, ainda é prudente responder que a teoria ainda não tem aceitação pacífica na jurisprudência pátria, conquanto o STJ tenha pacificado o entendimento de que, na ação civil por dano ambiental, o litisconsórcio passivo seja facultativo. Porém há recentes decisões favoráveis a ela, como, por exemplo, no TJMG, TJES, TJMS e TRF da 4ª Região, além de decisão monocrática em recurso especial que manteve acórdão nela fundamentado.

Seguimos acompanhando e, se houver novidades, contaremos para vocês.

 

Vamo que vamo!

Deixe seu like:

Avatar

Equipe do Gran Cursos Online

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.