Vamos falar sobre a Eletroforese de Proteínas para Concursos?

Avatar


24 de novembro3 min. de leitura

Olá pessoal! Tudo bem? Sou a professora Débora Juliani, farmacêutica, especialista em Análises Clínicas e faço parte do time de professores do Gran Concursos.

A Eletroforese de Proteínas é um método diagnóstico muito útil para a identificação da presença de proteínas anormais, para comprovar a ausência de proteínas normais e para determinar que grupos específicos de proteínas estão aumentados ou reduzidos no soro.

Este é umassunto bastante abordado nas questões de Concursos para profissionais que atuam em Análises Clínicas, como Farmacêuticos, Biomédicos, Biólogos, Técnicos de Laboratório, etc.

Se você não acredita, eu posso provar: em uma rápida busca no Gran Questões (ferramenta MARAVILHOSA de estudos, diga-se de passagem, disponível em https://questoes.grancursosonline.com.br/) com a palavra-chave “eletroforese de proteínas) foram localizadas impressionantes 140.922 questões das mais diversas bancas e graus de dificuldade.

Ou seja, existe uma possibilidade bastante grande de que você venha a se deparar com uma questão sobre esse tema na hora da sua prova. Então vamos relembrar juntos alguns dos pontos mais importantes e mais recorrentes nas questões?

Em primeiro lugar, é importante entender que a técnica de eletroforese é um método de separação de macromoléculas (principalmente ácidos nucleicos e proteínas) que apresentam carga elétrica. Essas macromoléculas são submetidas a um campo elétrico em um solvente condutor e migram para um polo positivo ou negativo de acordo com a sua carga.

Lembre-se: os opostos se atraem! Quando a molécula possui carga positiva dizemos que ela é um cátion e ela irá se deslocar, portanto na direção do seu oposto, o polo negativo (ao qual damos o nome de cátodo). Por outro lado, quando a molécula possui carga negativa dizemos que ela é um ânion e ela irá se deslocar em direção ao polo positivo (ao qual damos o nome de ânodo).

As proteínas são moléculas eletricamente neutras, mas que podem assumir cargas negativas (devido aos grupos carboxila OH) ou positivas (devido aos grupos amino NH4+) a depender do pH do meio em que se encontram. Na eletroforese utiliza-se um tampão eletroforético, uma solução ionizada que permite a transferência de corrente elétrica e que define o valor do pH.

Usualmente esse pH é 8,6, portanto alcalino. Ou seja, no tampão temos a presença de OH livres que faz com que as proteínas assumam cargas negativas e migrem para o polo positivo.

Mas se todas elas estão indo na mesma direção, como o método pode ser útil para separar os diferentes grupos específicos de proteínas, como eu te disse anteriormente?

Isso é possível pois o peso molecular de cada grupo de proteínas vai definir a velocidade com a qual as moléculas conseguem se deslocar através dos poros gel de agarose ou de poliacrilamida: quanto menor o peso molecular, maior será a facilidade em atravessar a rede que compõe o gel, maior será a velocidade de migração e, consequentemente, maior será a distância percorrida pela molécula desde o seu ponto de aplicação.

Assim, surge esta máxima que você deve “gravar” para a sua prova: A eletroforese separa moléculas com cargas diferentes e/ou moléculas com mesma carga, mas diferentes pesos moleculares, como no caso da eletroforese de proteínas, ok?

Em termos diagnósticos, o método é considerado o teste de triagem mais utilizado para investigação de anormalidades proteicas presentes no sangue. Isso se deve ao fato de que as bandas formadas nas posições em que os grupos específicos de proteínas se localizam ao final da aplicação da corrente elétrica, apresentam-se com padrões conhecidos e com desvios altamente específicos em relação à normalidade para diversas patologias.

Então quero te mostrar, primeiramente, qual é o padrão de normalidade, com a figura a seguir:

Observe que a albumina é a molécula que mais se aproxima da “linha de chegada” que é o polo positivo (ânodo), lembra? Isso ocorre devido ao seu baixo peso molecular (66 kDa) que dá a ela maior velocidade no deslocamento através do gel de eletroforese. Perceba ainda que ela gera um pico bem mais elevado que os demais no histograma em virtude de ser a fração de proteínas mais abundante no plasma (cerca de 60% da concentração total de proteínas).

A alteração mais frequente na fração albumina é a sua diminuição, especialmente em situações como desnutrição/má absorção de nutrientes, insuficiência/cirrose hepática, síndrome nefrótica, e hiper-hidratação ou gravidez.

Na sequência temos a fração α1-globulina em que se localizam várias proteínas de fase aguda, entre as quais a α1-antitripsina, α1-glicoproteína ácida e α-fetoproteína. Em geral, há aumento dessa fração em processos inflamatórios, infecciosos e imunes, de forma inespecífica.

Logo ao lado, vemos a fração α2-globulina em que se localizam outras proteínas, também de fase aguda, como a haptoglobina, a α2-macroglobulina e a ceruloplasmina. Em geral, há aumento dessa fração em processos inflamatórios, infecciosos e imunes, de forma inespecífica, mas especialmente na síndrome nefrótica (elevação de α2-macroglobulina).

Temos ainda a fração das β-globulinas, formanda por um grupo heterogêneo de proteínas, das quais a principais são a transferrina, as β-lipoproteínas e as proteínas do complemento. Em geral, há aumento dessa fração em anemias ferroprivas (elevação de transferrina), diabetes mellitus e doenças ateroscleróticas (elevação de β-lipoproteínas)

Finalmente, chegamos à fração das γ-globulinas, constituída por imunoglobulinas (anticorpos), produzidas pelos plasmócitos e que podem ser das classes IgA, IgG, IgM, IgE ou IgD a depender das cadeias pesadas que apresentarem. Nessa fração podemos observer alterações tanto relacionadas ao aumento em sua produção, a hipergamaglobulinemia (monoclonal ou policlonal),quanto relacionadasà redução (hipogamaglobulinemia) ou até mesmo ausência (agamaglobulinemia) no pico.

Por hora, ficamos por aqui, pois o volume de conteúdo foi grande, não é mesmo?

No próximo artigo trarei os perfis mais comuns de alterações qualitativas e quantitativas que caracterizam diversas patologias e que as bancas A-DO-RAM cobrar nas questões. Não deixe de conferir! Um forte abraço e bons estudos!

Avatar


24 de novembro3 min. de leitura