10 regras para o perfeito uso da colocação pronominal

Lucas Gonçalves


27 de Setembro de 2018 1 min. de leitura

Você segue algum parâmetro para a utilização correta da colocação pronominal? Este assunto aborda a posição adequada do pronome oblíquo átono. Antes de iniciar a nossa explanação, gosto de recitar o poema “Pronominais” de Oswaldo de Andrade que já nos faz perceber uma diferença entre a língua falada e escrita.

Pronominais

Dê-me um cigarro
Diz a gramática
Do professor e do aluno
E do mulato sabido
Mas o bom negro e o bom branco
Da Nação Brasileira
Dizem todos os dias
Deixa disso camarada
Me dá um cigarro.

(Oswald de Andrade)

Como é evidenciado no poema, na oralidade é recorrente o mau uso da colocação dos pronomes. Para escrever e falar com propriedade, lembre-se sempre: os pronomes oblíquos átonos não podem iniciar frases.

Analisaremos a seguir as dez regras de colocação pronominal que farão você acertar as questões de prova.

Fatores de próclise (atração)

1 – Advérbios;

Ex.: Agora se negam a depor.

2 – Palavras negativas;

Ex.: Não lhe enviei o relatório, nem o orientei devidamente.

3 – Pronomes relativos;

Ex.: Identificaram duas pessoas que se encontravam desaparecidas.

4 – Pronomes demonstrativos;

Ex.: Isso me diz respeito.

5 – Pronomes indefinidos;

Ex.: Poucos lhe deram a oportunidade.

6 – Conjunções subordinativas;

Ex.: Quando me vi sozinho, chorei.

Temos mais quatro observações importantes

7 – Verbos no infinitivo sempre admitem o uso da ênclise.

Ex.: Não importar-se com o que ocorra.

Note-se que, devido à presença do verbo no infinitivo, o pronome poderá permanecer após a forma verbal, mesmo que haja fator atrativo. Sem problemas, também poderíamos ter a seguinte construção: “Não se importar com o que ocorra”.

8 – Verbos no particípio e no futuro jamais admitem o uso da ênclise.

Ex.: Ninguém deve ter se lembrado desses mecanismos.

Ex.: Tratar-me-ei.

Lembre-se de que a mesóclise só poderá ocorrer com verbos no futuro do presente ou no futuro do pretérito, desde que não haja um fator de próclise, ou seja, uma palavra atrativa. Veja outros exemplos:

Realizar-se-ia uma nova reunião. (sem fator atrativo)

Mostrar-lhe-ei outros projetos. (sem fator atrativo)

Não te enviarei outra proposta. (com fator atrativo)

Depois se buscaria uma solução melhor. (com fator atrativo)

9 – A expressão “em + verbo no gerúndio” exige a próclise.

Ex.: Em se tratando desse assunto, Lucas é especialista.

10 – Frases exclamativas, interrogativas e optativas (frases que exprimem desejo) exigem a próclise.

Ex.: Como te julgaram!

Ex.: Como se chama o presidente do Supremo Tribunal Federal?

Ex.: Bons ventos o tragam, Lucas Gonçalves.

 

Espero que estas regras de colocação pronominal sejam úteis em seu cotidiano.

Até a próxima. Forte abraço!

Quer conquistar a sua aprovação em concursos públicos?

Prepare-se com quem mais entende do assunto!

COMECE A ESTUDAR NO GRAN

Depoimentos relacionados

Qual é o seu grande objetivo de vida? Para Raul Marcelo da Silva o foco estava em ingressar na carreira…

Natural da cidade de Poço Verde/ SE, Aialla Suelem Andrade de Souza escolheu a carreira pública não só pela estabilidade…

Dedicando-se ao estudos por cerca de 3 anos, José Roberto Ferreira conquistou não apenas a aprovação no Concurso BRB para…

Ygor Bruno Silva é de Caruaru, cidade localizada no estado de Pernambuco, e foi aprovado, em 2º lugar, na Residência…

A estabilidade que a carreira pública proporciona foi o grande atrativo que Weberti Silva teve para começar a estudar para…

A estabilidade profissional e financeira foi o que levou Pedro J. a buscar com tanto afinco a carreira pública e…

O sonho de ser policial desde criança, fez com que Maria C. firmasse um compromisso de estudos diariamente desde 2018…

Em busca de estabilidade e para dar um futuro melhor para esposa e filha, Regis B. estudou bastante para ser…

Lucas Gonçalves

Professor do Gran Cursos Online - Graduado em Letras - Português pela Universidade Católica de Brasília

1

Comentários (1)

Avatar Alessandra 6 de Julho de 2019

Amei o resuminho, prof Lucas!
Muito obrigada!

 Responder

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *