A ciência da felicidade

Juliana Gebrim


28/05/2021 | 12:34 Atualizado há 117 dias

O objetivo de muitas pessoas no decorrer da vida e ao final dela, sempre será dizer: EU SOU UMA PESSOA FELIZ. Eu conquistei, trabalhei, estudei para falar de boca cheia essa frase. Temos a ideia de que precisamos de matar um leão por dia para alcançarmos essa sensação tão sonhada. E o senso comum diz: lute para ser feliz.

 

Será que é assim? O que a ciência diz a respeito disso?

Pense na última vez que você foi feliz. MUITO FELIZ. Qual a cena que aparece na sua mente? Você estava preocupado, naquele momento, em encontrar a sua felicidade? Você estava nessa busca desenfreada? Estava lutando com todas as forças para alcançar isso?

Descobertas recentes em estudos feitos pela Universidade da Califórnia, revelaram que a felicidade é a CAUSA do sucesso na vida. Quando você está mais feliz, os objetivos fluem melhor e podem ser alcançados com mais facilidade. Isso significa que se você ter a meta de ser feliz, a tendência pode ser em você falhar. Estaríamos mais vulneráveis à frustrações e à ansiedade.

Ao observarem as pessoas no mundo, constataram que temos a crença universal  de que é  só se empenhar, ter muito suor e que aí viria o sucesso e a felicidade. Se isso fosse verdade, toda pessoa que atingisse algo seria feliz. A formula está invertida. Estimular a felicidade que seria a causa do sucesso.

Pessoas passam a vida toda tentando alcançar metas abstratas, e esquecem de como fazer a música para dançar. A procura da felicidade, da disciplina, do parceiro perfeito, do concurso perfeito, etc. e ficam atrás dessas abstrações sem atitudes concretas. O estudo da felicidade veio para desmascarar a busca de abstrações tão vendidas e inúteis. O segredo é a ação e senso de utilidade.

Esse assunto é tão denso e ao mesmo tempo tão simples. A felicidade é uma questão totalmente individual. Cada um sabe aquilo que pode te deixar feliz ou não . Tem gente que é feliz em sustentar uma família, tem gente que é feliz cuidando dos outros, tem gente que é feliz entrando em um foguete da NASA. Tem gente que é feliz sozinho. Tem gente que busca a felicidade em um concurso público.

Epa! Aqui é o nosso lugar de fala: existem muitas pessoas em consultório que atendo que NÃO estão felizes e SÃO  concursadas. Pessoas que procuraram a estabilidade, o salário mensal entrando e NÃO estão felizes. Depois daquele gás inicial depois de ter passado, se deprime e se frustra. Não aguentam mais passar horas naquele ambiente. Ficam INFELIZES Grandes chances de ter depressão ou ansiedade. Ou pior :muitas vezes os dois juntos.

SE você busca um cargo público para ser feliz, ou para encontrar a felicidade, sinto muito em te  dizer : a felicidade não é uma meta. A felicidade não está no cargo. A felicidade é algo que ocorre agora. Posso arriscar em dizer que se você está feliz nesse momento, as chances de conseguir passar  são muito maiores do que você que almeja concurso para ser feliz. Como ? Veja um estudo com alunos de HARVARD. Eles estariam emu ma das  melhores universidades do mundo. Emprego garantido nos 5 continentes. Mas não estavam felizes. Focados no estresse, em produzir, alguns alunos não tinham um desempenho muito bom. Carregavam aquele famoso FARDO do que é estudar. Já aqueles que estavam felizes, voavam!

 

Você pode ficar menos ansioso, menos deprimido, reduzindo aspectos negativos e não ser uma pessoa feliz. A psicologia positiva, faz com que não ficamos estudando  a gravidade a vida toda sem aprender a voar.

 

Temos muito mais sucesso sendo felizes e invertendo essa equação. No nosso divã traremos padrões específicos de como fazer esse processo e aumentar a sua pordutividade.

 

Lembrando que não iremos abordar aquela positividade tóxica que fala GRATILUZ o tempo todo para tudo. Essa desconecta da realidade e traz prejuízos significativos para a vida do indivíduo. Venha comigo?

 

Nesta terça-feira às 18h30 no Youtube, acompanhe o nosso divã sobre o assunto. 

Juliana Gebrim

Psicóloga clínica e neuropsicóloga com mais de 20 anos de experiência em psicoterapia
0

0

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *