A Súmula n.º 450 do TST está com os dias contados?

Carolina Hirata


17 de Abril 2 min. de leitura

O STF pautou o julgamento da ADPF n.º 501, ajuizada pelo Governador do Estado de Santa Cataria, que questiona o a súmula n.º 450 do TST. Para quem não se recorda, o enunciado da súmula prevê que “É devido o pagamento em dobro da remuneração de férias, incluído o terço constitucional, com base no art. 137 da CLT, quando, ainda que gozadas na época própria, o empregador tenha descumprido o prazo previsto no art. 145 do mesmo diploma legal”.

Inicialmente, vale lembrar que o STF admite o cabimento de ADPF ajuizada em face de enunciado de súmula de jurisprudência predominante editada pelo TST, pois atendido o princípio da subsidiariedade, uma vez que não há instrumento processual capaz de impugnar ações e recursos que serão obstados com base em preceito impositivo no âmbito da Justiça trabalhista.

Em parecer, a PGR opinou, preliminarmente, pelo não conhecimento da ADPF, por entender que o Governador de Estado não tem legitimidade para impugnar a súmula, ante à falta de pertinência temática, já que a súmula diz respeito a relações de emprego e sanção por infração relacionada a férias de empregados celetistas. Contudo, no mérito, concordou com os argumentos da ação.

Para a PGR, ao editar súmula que alarga o efeito sancionador do art. 137 da CLT para incidir sobre infração distinta da legalmente prevista, o TST atuou de modo incompatível com a função jurisdicional, violando os princípios da legalidade e da separação de poderes. “Não é dado ao Poder Judiciário no exercício da interpretação de lei, criar norma jurídica diversa daquela desejada pelo Legislador”, afirmou.[1]

Outrossim, “ainda que se afirme que o enunciado da Súmula 450 do TST busca, por interpretação teleológica, dar máxima efetividade ao comando do art. 137 da CLT e ao direito constitucional às férias e ao adicional correspondente, não caberia ao TST alterar o campo de incidência próprio da norma, a fim de alcançar situação por ela não contemplada, sobretudo por se tratar de norma de conteúdo sancionador e, portanto, de interpretação restritiva”.[2]

Sobre o tema, vale lembrar que recentemente a 8ª Turma do TST entende que o entendimento sumulado é aplicável mesmo na hipótese em que o atraso no pagamento da remuneração das férias tenha ocorrido na vigência do § 2º do art. 8º da CLT, com a redação dada pela Lei 13.467/2017, uma vez que a Súmula 450 não cria obrigação não prevista em lei, ela apenas sedimenta o alcance das penalidades impostas pela lei em razão do não cumprimento, pelo empregador, das normas que visam proporcionar ao empregado o usufruto pleno do seu direito às férias, dando aplicação às normas legais (arts. 134, 137 e 145 da CLT) que regulamentam o direito às férias, previsto no art. 7º, inc. XVII, da CRFB/88. (RR-619-78.2018.5.20.0013, 8ª Turma, Relator Ministro Joao Batista Brito Pereira, DEJT 22/01/2021).

Outra decisão importante envolvendo a referida súmula, se deu no no dia 16/03/2021. Na ocasião, o Tribunal Pleno do TST, por um placar de 15×10, entendeu que o atraso ínfimo no pagamento das férias não gera a dobra, sob pena de violação dos princípios da proporcionalidade e razoabilidade. No caso, o pagamento fora feito apenas no primeiro dia efetivo de férias. Em suma, o atraso ínfimo (dois dias, no caso concreto) não deve implicar a aplicação da sanção. (TST, Tribunal Pleno, E-RR-10128-11.2016.5.15.0088).

No caso acima, o Ministro Ives observou que a edição da súmula se baseou em precedentes que tratavam apenas do pagamento após as férias, situação que frustrava seu gozo adequado, sem o aporte econômico. E, no caso julgado, o que se verificou era a praxe da empresa de realizar o pagamento das férias coincidindo com o seu início, “hipótese que, além de não trazer prejuízo ao trabalhador, acarretaria enriquecimento ilícito se sancionada com o pagamento em dobro, sem norma legal específica previsora da sanção”.

De todo modo, importante acompanhar o desfecho da referida ADPF que, ao que tudo indica, será mesmo extinta por ausência de pertinência temática, até porque consoante a jurisprudência do Supremo Tribunal Federal, “a relação de pertinência temática há de ser imediata quanto ao conteúdo da norma impugnada, não bastando para a configuração de tal vínculo o interesse correlato ou decorrente”. (ADO 46-AgR, Rel. Min. Luiz Fux, DJe de 3.4.2019)

[1] http://www.mpf.mp.br/pgr/documentos/ADPF5011.pdf

[2] Idem.

Quer conquistar a sua aprovação em concursos públicos?

Prepare-se com quem mais entende do assunto!

Comece a estudar no Gran Cursos

Depoimentos relacionados

Natural de Aracaju, a professora Érika Ramos decidiu ingressar na conquista pelo cargo público por 2 principais razões: a busca…

Persistência e dedicação sempre foram palavras que permearam a vida de Elisa da Silva Gomes Lana, natural de Costa Verde…

Daniele Laís saiu de seu emprego no SENAC DF aproveitando um momento de mudança no seu cargo, hoje extinto, e…

Evelyn Rodrigues é natural de Brasília/DF, mas hoje mora em Aracaju/SE, onde realizou e foi aprovada no Concurso Prefeitura Barra…

Qual é o seu grande objetivo de vida? Para Raul Marcelo da Silva o foco estava em ingressar na carreira…

Natural da cidade de Poço Verde/ SE, Aialla Suelem Andrade de Souza escolheu a carreira pública não só pela estabilidade…

Dedicando-se ao estudos por cerca de 3 anos, José Roberto Ferreira conquistou não apenas a aprovação no Concurso BRB para…

Ygor Bruno Silva é de Caruaru, cidade localizada no estado de Pernambuco, e foi aprovado, em 2º lugar, na Residência…

Carolina Hirata

Procuradora do Trabalho. Professora do Gran Cursos Online de Processo do Trabalho e Regime Jurídico do MPU.

0

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *