(Algumas) Considerações sobre a Teoria do Domínio do Fato

Olá pessoal, tudo certo?

Pedro Coelho


26 de Outubro de 2020 3 min. de leitura

Desde já preciso alertar que o presente texto não pretende exaurir todas as discussões e reflexões sobre a (sempre polêmica) TEORIA DO DOMÍNIO DO FATO, mas sim trazer alguns esclarecimentos necessários em razão de seu (aparente) desvirtuamento e distorção por parte de alguns doutrinadores e também repercussões práticas.

As teorias objetivo-formais desenvolvidas pelos estudiosos do direito penal para conceituar a ideia de autor do delito se revelaram muitas vezes, apesar de “seguras”, um tanto limitadoras. Isso porque ao indicar que autor seria quem efetivasse (praticasse) total ou parcialmente o verbo nuclear da ação típica, isso trazia alguns inconvenientes à luz de casos concretos. Visando a contornar esses “problemas”, algumas teorias “complementares” foram desenvolvidas, entre elas a Teoria do Domínio do Fato.

Um dos primeiros (se não o primeiro) a pensar na teoria do domínio do fato foi o “pai do finalismo penal“, Hans Welzel. Para o alemão, não seria autor apenas aquele que desempenhasse a conduta típica, mas também quem detivesse o domínio final da ação, ou seja, aquele que dispusesse de todos os meios para determinar o cometimento, o início, o fim e o modo do crime.

Na década de 60 do século XX, Claus Roxin voltou a trabalhar com a ideia de domínio do fato, dando um gás no desenvolvimento dessa teoria. Avançando nos estudos, Roxin fez questão de apontar que nem todos os delitos poderiam observar a teoria do domínio do fato para a definição de autor. Citava como exemplo o caso dos crimes omissivos impróprios, quando aquele que estivesse da função de GARANTE (ou garantidor), com um dever de agir específico, é que seria o autor. Todavia, para os crimes comuns, a teoria teria aplicação sem problemas.

Beleza, Pedro! Mas quer dizer que nesses crimes comuns, basta a pessoa ter o domínio do fato para ser autor? Então se eu for o executor de um homicídio, mas não tiver o domínio do fato, eu serei partícipe?

Não, calma.

Quem exerce a conduta típica (verbo nuclear do tipo) será sempre autor. Segundo Roxin, nesses casos, há o chamado DOMÍNIO PRÓPRIO DA AÇÃO (há alguma variável nessa classificação, mas a ideia é essa). Aquele conceito restritivo das teorias objetivo-formais está atendido, mas o autor alemão vai além.

Aqueles que dominam alguma função da atividade criminosa seria um COAUTOR, em razão do DOMÍNIO FUNCIONAL do fato. Por fim, visando explicar a autoria mediata, há aquelas situações em que o agente mantém o completo controle sobre a vontade do agente que executa diretamente o núcleo do crime. Há um domínio do controle (vontade) do fato.

Esquematicamente, pois, podemos dividir a Teoria do Domínio do fato em (i) DOMÍNIO DA AÇÃO, (ii) DOMÍNIO FUNCIONAL E (iii) DOMÍNIO DA VONTADE.

Bacana, Pedro! Agora, por que disseram que a Teoria do Domínio do Fato foi “desvirtuada” na aplicação da Ação Penal 470 (Mensalão)?

Sem entrar no mérito de existência ou não de provas suficientes para a condenação no referido caso (não tive acesso aos autos, portanto não tenho legitimidade para atacar ou discordar da decisão de maneira fundamentada), tentarei analisar as principais críticas tecidas pelos especialistas no direito penal sobre o tema.

Para muitos, a referida teoria foi utilizada como critério de imputação do resultado (prova do envolvimento) para alguns réus, quando ela deve servir, única e exclusivamente, para explicar e definir quem é (i) autor e quem é (ii) partícipe.

Deixe-me explicar melhor. A teoria do domínio do fato não pode ser a responsável pela condenação deste ou daquele réu. A condenação deve se pautar em provas de autoria e de materialidade, não sendo possível justificá-la a partir da teoria do domínio do fato. Convencido de que o acusado é autor ou partícipe de determinado evento criminoso, aí sim deve ser utilizada a referida teoria para a verificar o grau de protagonismo na empreitada criminosa.

Como afirma de maneira bastante didática a advogada Fernanda Tórtima, “o concurso de acusados em determinada empreitada criminosa, seja na qualidade de meros partícipes (instigadores ou cúmplices) ou na qualidade de autores, deve ser comprovado independentemente da interferência da teoria em questão. E, uma vez comprovado, aí sim se poderá lançar mão do conceito de domínio do fato para que se conclua terem os acusados atuado como autores ou simples partícipes”.

Por fim, para entender bem a mensagem das críticas, para além do caso concreto da AP 470, a teoria do domínio do fato não pode ser responsável pela condenação de quem quer que seja.

Após a identificação de elementos suficientes para a condenação (existência de imputação objetiva, relação de causalidade, bem como a vinculação subjetiva ao evento), sua utilização será idônea e cabível para a definição da autoria ou participação dos agentes envolvidos, com repercussões na dosimetria da pena, por exemplo.

É isso, pessoal! O tema hoje foi um pouco mais “árido”, mas é preciso estar atento às polêmicas, sobretudo porque essa aí já foi objeto de questões em provas subjetivas!

Espero que tenham gostado e, sobretudo, compreendido!

Vamos em frente.

 

 

Pedro Coelho – Defensor Público Federal e Professor de Processo Penal e Legislação Penal Especial.

0

Quer conquistar a sua aprovação em concursos públicos?

Prepare-se com quem mais entende do assunto!

Comece a estudar no Gran Cursos

Notícias Recomendadas

Como a Lei Maria da Penha evoluiu para evitar...

Pedro Coelho 6 de Agosto de 2020

(IN)Admissibilidade de Mandado de Segurança ...

Pedro Coelho 11 de Agosto de 2020

Aplicação financeira não declarada à repa...

Pedro Coelho 14 de Setembro de 2020

Depoimentos relacionados

Gilson José
Concurso Polícia Civil RS

Em busca de estabilidade e de melhores salários para dar uma melhor condição de vida para a família, Gilson José…

Eduardo de Sousa Menezes
Polícia Federal

Eduardo Sousa de Menezes foi aprovado na primeira etapa do Concurso PF para o cargo de papiloscopista e agora está…

Daniele Laís
Concurso IBGE

Daniele Laís saiu de seu emprego no SENAC DF aproveitando um momento de mudança no seu cargo, hoje extinto, e…

Ernesto Luiz Lima
Concurso IFPE

Ernesto Luiz Lima é de Limoeiro, interior de Pernambuco. Sua trajetória não foi nada fácil, mas hoje ele pode dizer…

Diego Barroso
Concurso UFPA

Natural da terra do Caruru e da Maniçoba, o belenense Diego Barroso sempre sonhou em ingressar no serviço público por…

Pedro Higor Faustino
Concurso Polícia Federal

Pedro Higor Faustino é natural de Juazeiro/BA, mas reside desde pequeno em Brasília/DF, onde mais tarde começaria a sonhar com…

Éder Gomes
Concurso Ministério da Economia

Éder Gomes é de Ceilândia-DF e foi aprovado no concurso de temporários do Ministério da Economia para o cargo de…

Wallace Batista
Concurso ALESE

Wallace Batista dos Santos é de Aracaju, capital do Estado de Sergipe. De família humilde, quando adolescente, ele chegou a…

Pedro Coelho

Equipe de Comunicação do Gran Cursos Online
0

0


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *