Cinco erros que os vencedores NUNCA cometem!

Gabriel Granjeiro


03/10/2016 | 16:16 Atualizado há 1570 dias

Cinco erros que os vencedores NUNCA cometem

Cinco erros que os vencedores NUNCA cometem: Artigo especial que abordará aspectos do comportamento de quem se prepara para ingressar no serviço público.

“O sucesso é ir de fracasso em fracasso sem perder o entusiasmo.” Winston Churchill

No artigo desta semana, deixaremos um pouco de lado as dicas sobre o conteúdo programático dos concursos para abordar aspectos do comportamento de quem se prepara para ingressar no serviço público. Em outras oportunidades, falamos neste mesmo espaço sobre como o concurseiro deve agir para ser mais bem-sucedido em sua empreitada. Hoje, falaremos de cinco erros que um concurseiro que se leve a sério e esteja determinado em seu objetivo de se tornar servidor nunca deve cometer. Quando você, caro leitor, tiver posto em prática as lições contidas neste texto, certamente vai acelerar o seu projeto de aprovação e, por consequência, atingir mais depressa a realização pessoal e profissional.

Então, sem demora, vamos às nossas recomendações. Você verá que elas servem tanto para você se preparar com mais paz de espírito para os concursos como para levar a vida com mais leveza.

  1. Nunca reclame. Em vez disso, busque soluções e pense em alternativas para resolver seu problema. Apenas reclamar não ajuda em nada. Geralmente só reclama quem não sabe o que fazer, quem não é criativo, quem é incapaz de oferecer algo de positivo. A pessoa que não faz outra coisa a não ser reclamar passa a impressão de que quer ver o circo pegar fogo, de que só quer criar animosidades. Reclamações vêm sempre acompanhadas de alguma intenção maldosa, em geral ligada à ganância e à insensibilidade. O reclamão é, portanto, digno de compaixão. Quando deparar com pessoas assim, não faça o jogo delas nem se contamine com sua negatividade. Dirija-lhes apenas palavras brandas e ações de gentileza, mas mantenha uma distância saudável. Já testemunhei inúmeros concurseiros que reclamam das reprovações e do instituto do concurso público em si, mas nada fazem para melhorar o próprio desempenho e alcançar a sonhada aprovação. Esses com certeza não conquistarão nunca uma vaga no funcionalismo público.
  2. Nunca critique outra pessoa e, em especial, o passado dela. Antes de pensar em disparar uma crítica a alguém, pergunte a si mesmo se é uma boa ideia fazê-lo. Se não for, tenha ciência de que você pode ganhar um inimigo se insistir. O que as pessoas mais querem é ter razão. Então, o melhor é ser feliz sem controlar nem criticar todos e tudo. Todos nós cometemos erros, alguns pequenos, outros enormes, e isso pode afetar e prejudicar quem está perto de nós, aqueles a quem nós amamos. Já é cruel demais conviver com isso, mas ainda ter de aceitar críticas duras de outras pessoas não ajuda em nada, muito pelo contrário. As pessoas esperam mesmo é compreensão. Portanto, deixe o julgamento de lado e resista à tentação de criticar, não somente para não correr o risco de ser injusto mas também para evitar que sua atitude se reverta contra você mesmo no futuro. O silêncio lhe garantirá mais paz interior quando for a sua vez de receber críticas dos outros, por exemplo, pelo fato de estudar para concursos. Acredite: essa e outras críticas inevitavelmente virão em algum momento em sua estrada rumo ao serviço público. Esteja preparado e em paz para lidar melhor com elas.
  3. Nunca se permita ficar apenas justificando os seus erros. No lugar disso, extraia lições deles. Os erros e fracassos ocorrem para lhe ensinar algo que você precisa aprender. É como muito bem diz a sabedoria popular: “Errar é humano; permanecer no erro é burrice”. Querer não errar nunca é uma insanidade; afinal, o erro é uma consequência do viver, da liberdade de fazer escolhas. Por isso, o importante é aceitar que você também é falível. Não se autocondene por todos os erros que você cometer, e sim aprenda com cada um deles, buscando não repeti-los. Só não erra quem não faz nada, e quem não faz nada também não presta para nada. No contexto do concurso público, aprenda com as reprovações em vez de perder tempo justificando-as para si próprio. Identifique logo o que você precisa modificar em sua estratégia de preparação e siga em frente, adaptando o seu projeto e melhorando-o até a conquista definitiva.
  4. Nunca se faça de vítima. Seja um vencedor na vida, nos estudos, na profissão, onde quer que você esteja. Uma das maiores pragas da humanidade é o que chamamos de “coitadismo”. Essa mania de se vitimizar é mais um hábito autodestrutivo e de autossabotagem que, além de ser um curto e rápido caminho para o fracasso, isola o “coitadinho” em suas lamentações, em seu pessimismo. Ninguém gosta de ficar perto de derrotistas, cuja energia é extremamente negativa e a tudo e todos destrói. Lembre-se: alimentar a autopiedade é um péssimo negócio. É preciso ter em mente que o êxito vem somente com sacrifício e merecimento. O caminho precisa ser prazeroso, apaixonado e alegre, ainda que um tanto dolorido e sofrido. Não há vitória sem sacrifício e merecimento, nem nos concursos, nem em nenhum outro projeto significativo da vida.
  5. Nunca julgue as pessoas. Você pode até julgar os atos delas, mas julgar as pessoas em si pode produzir uma coleção de inimigos. Essa forma de agir só resulta em mágoa, e pessoas magoadas tendem a devolver toda a ira e todo o rancor na primeira oportunidade que têm. Sem contar que podemos ser bastante injustos em nossos julgamentos. Como ser capaz de julgar alguém com justiça sem conhecer bem sua intimidade ou o contexto que o levou a agir de tal forma? Embora seja fácil julgar o outro, não é aconselhável. Opte por julgar e criticar a atitude, o ato, a ação do outro, e sempre de forma construtiva.

Em resumo, amigo leitor, se tiver de julgar alguma pessoa, que seja a si próprio. Seja autêntico, criativo e proativo, sem deixar de ouvir os conselhos dos sábios e dos mestres. E, sempre que possível, se afaste dos pessimistas e do pessimismo. Permita que a sua garra, junto com a força divina na qual você acredita, o guie até a vitória final.

“A diferença entre um homem de sucesso e outro orientado para o fracasso é que um está aprendendo a errar, enquanto o outro está procurando aprender com os seus próprios erros.” Confúcio

Lembre-se sempre de que estamos juntos em sua jornada até a nomeação.

Bons estudos e GRAN sucesso!

PS: Siga-me em minha recém-lançada página do Facebook e em meu perfil do Instagram. Lá, postarei pequenos textos de conteúdo motivacional. Serão dicas bem objetivas, mas, ainda assim, capazes de ajudá-lo em sua jornada rumo ao serviço público.

 

Gabriel Granjeiro


Gabriel

Diretor-Presidente e Fundador do Gran Cursos Online. Vive e respira concursos há quase 10 anos. Formado em Administração e Marketing pela New York University, Leonardo N. Stern School of Business. Fascinado pelo empreendedorismo e pelo ensino a distância.

 

Comentários (79)

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *