Como eu cheguei lá! A trajetória de um médico veterinário que se tornou Auditor Federal do TCU!

Olá, pessoal! Esse é o meu primeiro artigo aqui no Gran Cursos Online, de forma que achei interessante me apresentar a vocês inicialmente! Gostaria de deixar registrado que estou muito feliz em fazer parte da equipe de coaches do Gran Cursos Online, pois poderei ajudar nossos queridos concurseiros a alcançarem a tão almejada aprovação no concurso dos seus sonhos, seja passando toda a minha experiência e conhecimentos adquiridos na minha jornada como concurseiro, seja dando alguns puxões de orelha também. Ah, só não se esqueça de me chamar para a festa de celebração da nomeação, viu!! Adoro festas!! J

Sou o Alexandre Assis, atualmente trabalho no TCU como Auditor Federal de Controle Externo. Se eu pudesse resumir minha história como concurseiro, usaria a palavra “aprendizado”. Fiz muitas coisas consideradas “erradas” ao longo da vida como concurseiro, assim fui aprendendo de forma bastante empírica o que funcionava, mas, no fim, deu certo! J Meu primeiro concurso foi com 18 anos, para a Caixa Econômica Federal. Eu confesso que não queria fazer esse concurso, mas minha mãe me “obrigou”! rsrs Como era calouro na Unb, estava naquela vibe de ter uma vida mais tranquila como universitário e não queria trabalhar. Claro que eu não estudei! rs. Como eu não sabia absolutamente nada de conhecimentos bancários, lembro bem de ter chutado tudo “D” nas questões dessa matéria, acertando algumas ainda!! Uhuu!! Como os concursos eram mais acessíveis àquela época (quase 20 anos atrás), acabei sendo aprovado em 513. Fui chamado um ano depois. Quando entrei na CAIXA, pensei que ficaria apenas até me formar e depois seguiria a minha vida como médico veterinário. Enfim, nada saiu como planejado e acabei ficando 11 anos por lá, onde pude aprender bastante, pessoal e profissionalmente.

Em 2008, ainda na CAIXA, decidi começar a estudar para concurso público. Durante as minhas pesquisas, descobri o TCU. Li diversos depoimentos de pessoas que trabalhavam lá e vi o salário (o que me chamou bastante a atenção, confesso!!). Assim, apaixonei-me pelo TCU e decidi focar neste tribunal, que abriria concurso naquele mesmo ano. Nessa época, trabalhava 8 horas por dia, estudava 3 horas por dia durante a semana e umas 8 horas por dia nos finais de semana. Meu método de estudo era desorganizado e bem ineficiente. Eu estudava por meio de apostilas que tinha comprado numa banca de jornal e apenas uma matéria por vez, ou seja, só passava para a próxima matéria quando terminava a atual. Não fazia revisões e achava que fazer exercícios era perda de tempo! Resultado: não fui aprovado! rs. Na prova pude perceber que, apesar de ter estudado quase todo o edital, eu não estava lembrando de quase nada! Por que será né? rs. Apesar de tudo, achei até que não fui tão mal, pois fiz quase 50% líquido e cheguei próximo de ter as minhas redações corrigidas.

Isso me motivou e eu, sabendo que o TCU faria novo concurso em 2009, continuei estudando firmemente e, em 2009, foi lançado um novo concurso do TCU, mas, infelizmente, para minha decepção foi apenas para a área de obras. Cheguei a me matricular em um cursinho presencial para as matérias específicas do concurso. No entanto, alguns dias depois, uma pessoa fez uma pergunta na aula (provavelmente a pessoa devia ser um engenheiro) e eu não entendi nem a pergunta e muito menos a resposta do professor. Assim que terminou a aula, passei na secretaria e cancelei a minha matrícula e desisti de fazer o concurso do TCU naquele ano. Daí, você me pergunta: o que você aprendeu nesse episódio? Ora, após o concurso soube que passaram algumas pessoas que não eram engenheiros, tais como dentistas, por exemplo. Nesse momento, aprendi que eu deveria ter confiado um pouco mais em mim e não ter desistido na primeira dificuldade. Um adendo: a maioria das pessoas que não eram engenheiros e foram nomeados pelo TCU nessa época não trabalham mais na área de auditoria de obras do TCU, atuando nas mais diversas áreas do TCU, de acordo com seus interesses. Pense em uma pessoa que ficou triste quando soube disso! Na minha cabeça, tinha jogado dois anos de estudos e sacrifícios fora.

Nessa época, eu já tinha aprendido a estudar mais ou menos por meio de ciclos, mas ainda estava aperfeiçoando o método. Estava aprendendo o “como estudar” empiricamente. Superado o trauma, comecei a estudar para o concurso de Analista de Planejamento e Orçamento do antigo Ministério do Planejamento e Orçamento. Fui bem na prova objetiva, sendo classificado para fase discursiva do concurso. Nesse concurso, as fases eram em dias diferentes. Acabei sendo aprovado, mas fora das vagas. Por pouca coisa! L

Em 2010, saiu o concurso do MPU e prestei para o cargo de Analista de Orçamento. Nesse concurso, eu me preparei de maneira bem melhor, fazendo um sistema de ciclo de estudos eficiente, com exercícios e lendo lei seca, pois, antes, achava que não era necessária a leitura das normas! Ledo engano! rs. Ah, e aprendi a criar mnemônicos para tudo! Para este concurso, estudei apenas por meio de PDF, mas ainda trabalhava 8 horas por dia, estudava 3 horas por dia durante a semana e 8 horas por dia nos finais de semana. Fui aprovado em 15º e tomei posse em 2012. Pausei minha vida de concurseiro no período de 2010 a 2012, estava solteiro e, definitivamente, não queria mais estudar! rs

Meses após a minha posse no MPU, bateu de novo aquela vontade de trabalhar no TCU. Fiz, então, uma promessa no ano novo que voltaria a estudar. Voltei a estudar exatamente dia 2 de janeiro. Como trabalhava 7 horas por dia, eu estudava pela manhã das 07:30 (eu, quase todos os dias, era o primeiro a chegar na biblioteca da PGR) às 11:30 e, à noite, das 20:00 às 23:30. Como o edital do TCU era muito grande (19 matérias, à época), eu melhorei ainda mais meu sistema de estudos. Nessa etapa, passei a controlar bem o meu desempenho nas matérias (com gráficos e análise dos motivos dos meus erros), revisar o que já tinha estudado (fazia mapas mentais, rudimentares, mas eficientes) e li, pelo menos, 3 vezes cada norma citada no edital. Resultado: fui aprovado em 9º lugar, com a 4ª maior nota da prova objetiva.

Pessoal, gostaria de ressaltar também, que eu, como concurseiro, também tive meus momentos delicados e de crise. Ao longo da minha jornada, fiquei diversas vezes deprimido por não ter sido aprovado, fiquei ainda mais triste quando soube que algumas pessoas que não eram da área de engenharia tinham passado no concurso do TCU 2009. Fiquei triste não por elas, mas pelo fato de eu não ter, ao menos, tentado. Como eu sou muito exigente comigo mesmo, quase surtei quando fiz 30 anos (ah, meu aniversário é na véspera de natal e quase estraguei o Natal da minha família), pois eu estava me sentindo um incompetente, pois ainda não tinha alcançado o que eu mais queria. Sempre fiz muitas metas para os meus 30 anos e sofri muito quando atingi os 30 anos e estava bem longe das minhas metas. Por fim, um problema que eu vivi, e acho que muitos também vivem, são as cobranças/críticas das pessoas do ciclo social. Quando eu estava no MPU algumas pessoas não entendiam porque eu continuava estudando. Algumas me achavam de mercenário (querendo ter um salário melhor), outras me achavam inquieto/impaciente, pois eu não estava satisfeito no meu antigo cargo. Enfim, eu mesmo só queria progredir profissionalmente e trabalhar no órgão que eu sempre quis! Hoje em dia, acho que essas pessoas entendem bem o motivo de tantos sacrifícios.

Atualmente, posso dizer que valeu a pena os finais de semana gastos estudando, os carnavais abdicados, os eventos de família que as vezes eu não ia, e quando ia, ficava apenas algumas horas para não prejudicar minha programação de estudos! Valeu a pena não ter ido em algumas festinhas com meus amigos, para evitar estar cansado no dia seguinte e atrapalhar o meu desempenho nos estudos. Valeu a pena também deixar de viajar, tirar férias para ficar estudando e engordar alguns quilos!rs. Hoje sou muito feliz no meu cargo e posso viajar com frequência para lugares legais e tenho bastante tempo para dedicar para minha família e às pessoas que fazem parte do meu ciclo social, ou seja, valeu muito a pena!!

Nos próximos artigos passarei dicas a respeito do mundo dos concursos e para ajudar nossos queridos amigos concurseiros.

Para me conhecer melhor, sigam-me lá no meu Instagram @coach_alexandreassis.


Alexandre Assis

Atualmente, Auditor Federal de Controle Externo do Tribunal de Contas da União. Aprovado em diversos concursos, como Caixa Econômica Federal, Analista de Orçamento do Ministério Público da União e Auditor do Tribunal de Contas da União.

 


CONCURSOS ABERTOS: veja aqui os editais publicados e garanta a sua vaga!

CONCURSOS 2019: clique aqui e confira as oportunidades para este ano!

Estudando para concursos públicos? Prepare-se com quem mais entende do assunto! Cursos completos 2 em 1, professores especialistas e um banco com mais de 800.000 questões de prova! Garanta já a sua vaga!

Estude onde, quando, como quiser e em até 12x sem juros! Teste agora por 30 dias!

Matricule-se!

Alexandre Assis
Alexandre Assis
Auditor Federal de Controle Externo do Tribunal de Contas da União e coach do Gran Cursos Online.
1 comentário

1 Comentário

  1. Diego Matias Lima

    27/04/2019 09:31em09:31

    Parabéns pela sua trajetória Alexandre!

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Para o Topo