Inspiração: De catadora de lixo a funcionária da Justiça do RJ

funcionária da JustiçaSonho, dedicação e garra marcaram a história de Lívia Marinho Lessa Barboza, 39 anos, técnica judiciária do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro.

Com uma infância difícil e cheia de medos, ela é a prova de que o esforço e a vontade de crescer levam além. Conhecer a trajetória de pessoas que começaram do nada e construíram uma história marcada pela determinação é sempre empolgante, e com ela não foi diferente.

“Fui criada em um bairro pobre, em Duque de Caxias. Era a mais velha dos quatro filhos. Sou ex-catadora de lixo de Caxias. Havia entre mim e meus irmãos um acordo que dividia a atividade de catar lixo por categorias, de acordo com a possibilidade de cada um: cobre para o mais novo, alumínio para o seguinte, vidro para minha irmã e ferro para mim. Éramos quatro irmãos inseparáveis, dividíamos tudo: as alegrias, as tristezas, os sofrimentos…”

Dificuldade é a palavra que define essa etapa na vida de Lívia. A necessidade de sair do aperto, das lágrimas e da vida sofrida fez a sonhadora correr atrás do tempo perdido. “Cresci e fui trabalhar fora. De 1994 até o fim de 2002, trabalhava no comércio, com muitas dificuldades para conciliar o trabalho e a família, já que o horário de trabalho, em diversas áreas comerciais, é extremamente cruel, agregando sábados, domingos e feriados como dias de expediente normal. Ainda inconformada com a minha vida, passei por uma banca de jornais no shopping em que trabalhava e li uma notícia: ‘Concurso para TJ-RJ: só 2º grau’. Naquela época eu não tinha o ensino médio. Saí do meu emprego e peguei o dinheiro de seis anos de trabalho e investi em um curso preparatório, tive de investir de corpo e alma no meu objetivo.”

A tão sonhada estabilidade financeira foi uma das motivações para terminar o ensino médio e iniciar o curso preparatório. A vontade de ter uma vida mais confortável e mais segura levou Lívia a prestar concurso. Segundo ela, estudar era uma necessidade, uma forma de sustento. “Cada vez menos eu tinha oportunidade de ver as minhas filhas, e a vontade de ter um horário flexível e poder planejar um futuro mais próspero foi o que me impulsionou.”

“Você tem de ir até o fim”
Naquele momento, Lívia se aventurou no desconhecido e se deparou com muitos obstáculos. “Conciliar as aulas do supletivo com o preparatório não era fácil. São milhões de informações que precisam ser apreendidas. São objetivos diários. Por exemplo, ‘minha meta hoje é superar 12 horas de estudo’, e concretizava. Quando você determina algo para sua vida, você tem que ir até o fim.”
Mesmo com todo o esforço, o início foi bem complicado. E em 2004, o sucesso, enfim, foi alcançado. No ano em que completou o ensino médio, Lívia foi convocada. “A prova foi realizada no início de 2004, no mesmo período em que estava concluindo o ensino médio. Fui aprovada para o Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro (TJ-RJ) e para o Tribunal Regional Federal (TRF). Concluí o ensino médio em junho de 2004 e fui convocada em julho do mesmo ano. Depois disso, entrei para a faculdade e cursei Letras.”
A ex-catadora é exemplo de que uma realidade complicada não é necessariamente sinônimo de fracasso. Mesmo com um cenário que parecia ser o pior possível, ela venceu. Havia uma necessidade de sobrevivência, uma veia de esperança. “O estudo era uma maneira de sobreviver”, diz ela.

“Só a educação leva a algum lugar”
Para a servidora, todas as pessoas têm condições de ingressar em uma carreira pública. Mas o desejo tem de vir carregado de muito esforço e boa vontade, planejamento e uma boa rotina de estudos. Esse é o caminho mais seguro para a aprovação. Além disso, ter o apoio das pessoas em volta também é uma segurança imensa na caminhada.
“Só através da educação chegaremos a algum lugar. Ter a oportunidade para se preparar é um diferencial. Minhas filhas e meu marido me apoiaram intensamente para que eu concretizasse o meu sonho. A partir dali, montei uma rotina de estudos e segui em frente. Eu deixei o lazer e horas de descanso de lado, priorizei os meus estudos e coloquei aquilo como minha maior meta”, lembra.
Se o desejo é profundo, pode se tornar acessível. Qualquer pessoa que se determine a um objetivo, seja ele qual for, tem oportunidade de alcançá-lo. “A sensação de sonhar o meu sonho e concretizá-lo é saber que tudo que eu passei foi pelo meu esforço, é particular, ninguém me permitiu, eu me presenteei. Eu estou no Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro por mérito e aprovação. Sou vencedora!”, comemora Lívia Marinho.

 

Fonte: Folha Dirigida

Estudando para concursos públicos ? Prepare-se com quem tem tradição de aprovação e 26 anos de experiência em concursos públicos. Cursos online com início imediato, visualizações ilimitadas e parcelamento em até 12x sem juros

Matricule-se!

garantia-de-satisfacao-30
Lucas Gomes
Lucas Gomes
Equipe de Comunicação do Gran Cursos Online
4 Comentários

4 Comentários

  1. Juliane

    06/10/2017 17:26em17:26

    Nossa!
    Parabéns!
    Me arrepiei e me senti muito motivada!

  2. Ione

    08/10/2017 16:20em16:20

    Que linda sua história de vitórias e conquistas de melhores condições de vida, Lívia! Muito louvável todo o seu aprendizado e transferência dele para nós concurseiros, especificamente, para mim. Obrigada por me favorecer com mais esse incentivo: “[…] ir até o fim” (BARBOZA, 2017). Deus continue a lhe ajudar e ensinar a se projetar neste mundo.

    Ione

    • LÍVIA MARINHO

      02/01/2018 16:20em16:20

      Oi, querida, eu fiquei muito feliz que essa história sirva para abençoar a vida de outras pessoas. Normalmente, quando a gente passa pelo período difícil, a gente jamais imagina que vai conseguir superar…
      Eu oro a Deus para que essas histórias, todas elas, sirvam para alcançar pessoas que estejam desanimadas, desmotivadas, tristes e até desesperançadas, por que a falta de fé em si mesmo machuca mais que se pode aguentar.
      EU voltei a estudar para concursos novamente por que passei por algumas cirurgias de coluna e não posso dar aulas no momento e não consigo ficar sem estudar, quando não estou dando aulas eu viro um “bichinho carpinteiro”, uma traça de livros…

      Vc tem o nome de uma irmã querida que mora fora do país. Desejo a vc, portanto, aquilo que desejaria a ela: que a sua vitória chegue rapidamente, mas, que se parecer que ela não venha, vc nunca desista de tentar. “Se vc não decidir mudar, já decidiu ficar na mesma”. Um beijo

  3. FLAVIO MONTE

    23/11/2017 16:23em16:23

    parabéns pelo sucesso

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Para o Topo