Elias Santana

O empoderamento feminino existe?

empoderamento femininoSegundo o Vocabulário Oficial da Língua Portuguesa (VOLP), existe o verbo empossar e o substantivo empossamento; existe o verbo enriquecer e o substantivo enriquecimento. Todavia, substantivo empoderamento não existe – apesar de haver o registro do verbo empoderar.

Assim, é possível inferir que empoderamento é fruto de um neologismo – processo por meio do qual, a partir de uma lógica linguística, se cria um vocábulo. Isso comum em qualquer língua. Empoderamento é um substantivo formado por derivação, com o prefixo ­-em (que significa mudança de estado ou movimento para dentro), o radical poder e o sufixo -mento (responsável por transformar o verbo em substantivo). Significa, conforme dicionários virtuais, a ação de conceder poder a si próprio ou a outrem. Empoderamento já está na fala do brasileiro; falta apenas integrar essa palavra formalmente[1] à nossa língua (ou seja, um mero trâmite burocrático para colocar o verbete no VOLP).

Só que podemos ir além. Como a vida nos ensina, ações envolvem quem as pratica e quem se beneficia delas. Isso é facilmente percebido nas seguintes construções:

  • O presidente empossou o novo ministro. (O empossamento do ministro)
  • O funcionário enriqueceu o patrão. (O enriquecimento do patrão)
  • A sociedade empoderou a mulher. (O empoderamento da mulher)

Sintaticamente, todos os termos sublinhados funcionam como complemento nominal, devido às suas características linguísticas (refere-se a substantivo abstrato; é preposicionado; é paciente em relação ao substantivo).

Só que consigo perceber algo muito maior – e mais poético – em “o empoderamento da mulher”. Algo mais drummondiano. Esse poeta, ao escrever Sentimento do Mundo – para retratar a guerra –, quis ser ambíguo: é o próprio mundo que sente (o mundo sofre) ou o mundo é sentido (pelos que se encontram nele)? Ou ambos? Dessa forma, pergunto: “o empoderamento da mulher” significa que a mulher se empodera ou é empoderada?

Toda essa ambiguidade é desfeita com o empoderamento feminino. Como sintaticamente o termo sublinhado é um adjunto adnominal, não há mais dúvidas: a mulher se empodera (e esse “se” é reflexivo)! Dentro de toda mulher, há um poder incrível, e ela mesma deve encontrá-lo e emaná-lo! Ela não depende de ninguém para ser poderosa e, por isso, pode ser o que quiser! Destarte, é absurdo que sejam toleráveis quaisquer abusos ou arbitrariedades contra a mulher!

Só a mulher carrega em si a inteligência, a garra, a sensibilidade e a maturidade que nenhum homem é capaz de ter! E, ao se empoderar, ela cria e transforma o mundo! Honestamente, a construção 3 não descreve o que vivemos. Na verdade, é a mulher que empodera a sociedade. A nós, homens, cabe a missão de reconhecer esse poderio – e, acima de tudo, respeitar a mulher!

Sim, o empoderamento feminino existe! Gramaticalmente abstrato, mas socialmente concreto! O mundo é melhor assim! Parabéns a todas as mulheres!

“Que nada nos defina.

Que nada nos sujeite.

Que a liberdade seja a nossa própria substância.”

Simone de Beauvoir

P.S.: texto dedicado a todas as mulheres; mas, em especial: Geralda do Rosário (minha mãe), Regiane Gomes (minha irmã),  Larissa Benvindo (minha comadre), vó Cota e vó Maximiliana.

 

[1] Apesar de não estar no VOLP, tanto empoderamento quanto empoderar estão registrados no Aurélio. A obra inclusive faz remissão aos termos estrangeiros – empowerment e (to) empower – e ao uso, por Paulo Freire, do substantivo.


Elias Santana

Licenciado em Letras – Língua Portuguesa e Respectiva Literatura – pela Universidade de Brasília. Possui mestrado pela mesma instituição, na área de concentração “Gramática – Teoria e Análise”, com enfoque em ensino de gramática. Foi servidor da Secretaria de Educação do DF, além de professor em vários colégios e cursos preparatórios. Ministra aulas de gramática, redação discursiva e interpretação de textos. Ademais, é escritor, com uma obra literária já publicada. Por essa razão, recebeu Moção de Louvor da Câmara Legislativa do Distrito Federal.

 


Estudando para concursos públicos? Prepare-se com quem tem tradição de aprovação em concursos públicos.

Cursos online com início imediato, visualizações ilimitadas e parcelamento em até 12x sem juros!

 

garantia-de-satisfacao-30

Cheguei Lá

4 Comentários

4 Comentários

  1. Milena Araújo Marães

    09/03/2018 23:31 em 23:31

    Adoreiiiii!

  2. shaabsav

    13/03/2018 14:11 em 14:11

    Grancursos com discurso de luta de classes. Vishhh.

  3. Morganna

    18/03/2018 17:14 em 17:14

    Lindo!!!

  4. Isabel Oliveira

    23/03/2018 16:07 em 16:07

    Lindo!Em todos os sentidos.

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Para o Topo