Você já conviveu com pessoas tóxicas? Por: Juliana Gebrim

Todos nós, em algum momento da nossa vida, podemos ser tóxicos. Nem que seja com nós mesmos. Neste texto iremos falar sobre um estilo de vida tóxico e a falta de consciência dessas pessoas. Estas intoxicam o meio em que vivem como se fossem uma “nuvem negra”. O psicólogo clínico Jesus Matos, especialista em gestão da tristeza, diz que uma a cada cem pessoas no mundo tendem a ter traços de personalidades tóxicas.

Na maioria das vezes, estamos nos relacionando com a pessoa – por meses, anos ou décadas – e só percebemos que aquilo faz mal depois de um dano feito. Sim, muitas vezes convivemos durante anos com uma pessoa tóxica. Às vezes nos casamos, às vezes somos irmãos, às vezes é uma amiga ou um colega.

É sobre essa falta de percepção imediata que quero alertar vocês, e sobre o quanto isso atrapalha na vida, no seu emocional, nos seus estudos!

Normalmente são pessoas que fazem fofoca querendo saber da sua vida, mentem de forma reiterada, se vitimizam o tempo todo, falam de coisas que não sabem. Inferem, sem nenhuma propriedade, que você é assim ou assado, que deve fazer assim ou assado. Não possuem engajamento moral (ética), só procuram formas de prazer próprio.

Vou explicar melhor: como não estão felizes com a sua própria vida, tentam a todo custo te manipular, como se quisessem cúmplices para a sua própria tristeza. No fundo, o tóxico quer que você enxergue o mundo sob a lente dele. Nesse processo, só existem duas opções: ou a pessoa procura ajuda, ou todo mundo ao redor afunda junto. Grande parte dessas pessoas não acham que estão erradas.

Sim, temos o irmão que pode não querer que você passe. Já vi pais e mães tóxicos. Amigos que estão sempre te colocando para baixo, mostrando que tiraram melhores notas, ou que a vida deles é muito melhor. Aqui o objetivo da pessoa está em te desestabilizar. Com isso, podem roubar a sua paz e autoestima. E, por incrível que pareça, se nutrem disso. Sim, temos de tudo nesse mundo. E não podemos ser ingênuos.

Se você sente uma energia ruim, irritabilidade, tristeza, ou até mesmo se sente inadequado na presença de tal pessoa, você acertou! Grande parte das suspeitas são verdadeiras.

Muito dificilmente irão procurar ajuda, pois se acostumaram a esse estilo de vida. São como vinho: ao se tornarem amarguradas, não voltam ao estado normal. São dispostas ao drama para querer aparecer, e, quando pedem desculpas, é para continuar a orgia emocional que foi instaurada. Quando exageram em dramas, essas pessoas não estão dispostas a fazer nenhum esforço para mudar. Querem atenção, seu braço, sua mente, sua alma. A mão e o pé. Querem usar o seu ouvido e o seu tempo.

Narcisistas tóxicos de plantão, falam o tempo todo que não estão bem, enquanto querem que você os elogie para provar que são bons. E isso vira um círculo vicioso em que você deve alimentar o ego dessas pessoas sempre dizendo: “como você é linda, inteligente, forte. Não se sinta assim”. Isso é tóxico para você – e maravilhoso para elas.

Nunca, sob hipótese alguma, deixe pessoas julgarem quem você é se não sabem da metade das coisas você fez para conquistar algo, por menor que seja. Pessoas tóxicas são juízes: condenam e colocam a pena. Essas pessoas não sabem muitas vezes da própria vida, quem são e aquilo que falam.

Além da minha experiência clínica, já está comprovado que estar em contato com gente que reclama por mais de trinta minutos interfere nas conexões de neurônios no hipocampo, e você tende a não ter facilidade para resolver problemas. Tudo que você tenta resolver se converte em caos. Você fica confuso.

Coloque na sua cabeça que você não faria aquilo que a pessoa está fazendo com você. Vocês são pessoas diferentes. E não sinta culpa em se distanciar, pois, nesse caso, a pessoa agente é que tem que se sentir culpada por fazer mal para si e para os outros.

Depois dessa bagunça toda, ao ver você conquistar algo, ela pode achar que tem mérito na sua vitória.

Você pode continuar sendo uma pessoa boa mesmo mandando-a tomar o seu rumo. A sua saúde mental agradece. Aceitar uma pessoa tóxica? Não, obrigada.

DICAS:

  1. DISTÂNCIA SEMPRE!!!! UNS MIL QUILÔMETROS. SE NÃO FOR FISICAMENTE, QUE SEJA EMOCIONALMENTE. DISTÂNCIA SAUDÁVEL SEMPRE.
  2. PERGUNTE O PORQUÊ DAS SITUAÇÕES EM QUE ELA SE ENCONTRA. A PESSOA NÃO TEM ARGUMENTOS SÓLIDOS E NÃO SE RESPONSABILIZA.
  3. DESMARCARE-A FALANDO QUE O PROBLEMA ESTÁ NELA. ASSIM VOCÊ MOSTRARÁ QUE NÃO É MANIPULÁVEL.
  4. COLOQUE LIMITES EM QUALQUER TIPO DE CONTATO. BLOQUEIE À VONTADE.
  5. QUESTIONE SEMPRE QUAL SERÁ A SAÍDA PARA A RECLAMAÇÃO. NÃO ACHANDO, A PESSOA TÓXICA SE ENROLA NA PRÓPRIA VITIMIZAÇÃO.

Divã do concurseiro – Pessoas tóxicas

Para reforçar o artigo supracitado, nós, do Gran Cursos Online, faremos, nesta terça-feira (21), a partir das 19h, uma live completa abordando o assunto com a participação da professora Juliana Gebrim, especialista e estudiosa do assunto. Não fique de fora e inscreva-se preenchendo o formulário abaixo!


Juliana Gebrim

Psicóloga clínica e neuropsicóloga conhecida e reconhecida por seu trabalho e palestras em todo o Brasil. Inúmeras especializações. Psicóloga clínica (UNB – Universidade de Brasília). Mestrado (UNB). Trabalho de 2 anos com o gênio Luiz Pasquali (LABPAM-UNB). Neuropsicóloga (IPAF-Instituto de Psicologia Aplicada e Formação de Portugal). Terapeuta com certificado internacional pelo Institute EMDRIA e EMDR Ibero-Americano-Francine Shapiro-(EUA). Terapeuta especialista em Brainspotting com David Grand(CA-EUA). Psicóloga perita(UNB-CEFTRU). Psicóloga especialista em Play of Life com CarlosRaimundo (Austrália). Terapeuta especialista em Barras de Access Conciousness com Jeffrey L. Fannin. Especialista em Thetahealing com Leonardo Codignoli(Brasília). Especialista em PMK(Psicodiagnóstico Miocinético). Experiência de 20 anos em psicoterapia,sendo 10 anos atuando em ambulatório e hospital-dia psiquiátrico(CAAP-VIDA). PRIMEIRA e ÚNICA psicóloga no BRASIL a fazer uma teoria usada em clínica , e patenteada em 5 esferas, sobre EQUILÍBRIO EMOCIONAL PARA CONCURSOS PÚBLICOS. Trabalho com dezenas de resultados e amplamente divulgado em todo o Brasil, pelos pacientes. Palestrante, professora de EQUILÍBRIO EMOCIONAL PARA CONCURSOS PÚBLICOS,em vários cursinhos preparatórios. Palestra já vista por mais de 20 mil pessoas. Programa na plataforma do Gran Cursos Online: Divã do Concurseiro.


 

WHATSAPP GCO: receba gratuitamente notícias de concursos! Clique AQUI!

CONCURSOS ABERTOS: veja aqui os editais publicados e garanta a sua vaga!

CONCURSOS 2019: clique aqui e confira as oportunidades para este ano!

 

Estudando para concursos públicos? Prepare-se com quem mais entende do assunto! Cursos completos 2 em 1, professores especialistas e um banco com mais de 920.000 questões de prova! Garanta já a sua vaga! Mude de vida em 2019!

Estude onde, quando, como quiser e em até 12x sem juros! Teste agora por 30 dias!

Matricule-se!

Notícias Relacionadas

Juliana Gebrim
Juliana Gebrim
Psicóloga clínica e neuropsicóloga com mais de 20 anos de experiência em psicoterapia
3 Comentários

3 Comentários

  1. Gabriel Picolo

    26/05/2019 08:52em08:52

    Bom dia.

    Ótimo artigo!

    Eu já fui uma pessoa tóxica e compulsiva. Com o tempo fui percebendo que essa atitude foi construída na minha criação. Em algum momento, que não lembro quando, me veio “um despertar”, um alerta de que estava vivendo de forma muito errada. Foi quando me esforcei para mudar e continuar mudando. Até hoje tenho atitudes que comento de forma equivocada e pensamentos de sabotagem que preciso superar.

    Acredito que “pessoas tóxicas” não se vitimizam tanto. Na verdade, são sim vítimas, mas a maioria já está tão acostumada a ser assim que não percebem o que estão fazendo: chateando as pessoas, ferindo sentimentos, desejando o mal, se vingando, re revoltando com tudo e com todos.

    E, no meu ver, entre as pessoas mais tóxicas estão os ditos “empreendedores”, pois se tornam suportáveis e sempre acham que o que fazem é o melhor para os outros, desmerecendo qualquer que seja a escolha que cada um tem o direito tomar. Se fazemos uma coisa, esses “empreendedores” dizem que essa pode não ser a melhor decisão. Se fazemos outra, também acham que não está bom. Se decidimos investir em algo de cunho pessoal, sugerem que podemos estar investindo tempo e dinheiro no lugar errado. Para esses “empreendedores”, principalmente os de novidades, o que fazemos nunca está suficiente. Nos deixam confusos e colocam pensamentos de dúvidas. Se estamos focados, podemos estar desatualizados e ultrapassados.

    • Gabriel Picolo

      26/05/2019 08:55em08:55

      *quis dizer: insuportáveis

    • Juliana Gebrim

      28/05/2019 13:03em13:03

      Que linda mensagem!!!!Obrigada pela confiança em depositar as suas ideias e vivências aqui.Bjo grande!!!

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Para o Topo