Como a Lei Maria da Penha evoluiu para evitar o processo de vitimização secundária ou revitimização?

Preparamos um conteúdo especial para explicar como a Lei Maria da Penha evoluiu para evitar que ocorra a vitimização secundária ou revitimização. Confira abaixo!

Pedro Coelho


6 de Agosto de 2020 2 min. de leitura

Vamos analisar hoje um tema extremamente atual, importante e multidisciplinar, que poderá aparecer em provas de direito penal, processual penal, criminologia ou mesmo em leis penais extravagantes. Estou falando, claro, da vitimização secundária ou revitimização.

É possível definir a vitimização secundária como o processo danoso de revisitação aos fatos criminosos vivenciados pela vítima, causando novos danos e incômodos, mormente no processo de investigação e apuração delitiva. Assim, além das consequências diretas do crime (vitimização primária), o indivíduo é ouvido na polícia, passa por exame de corpo de delito, presta depoimento judicial, vai para reconhecimento de pessoas, etc, gerando potencialmente novos traumas. Além delas, é possível assentar ainda a existência de uma vitimização terciária, que seria a estigmatização social da vítima de um crime. Vamos esquematizar:

Processos de vitimização

Esquematização dos processos de vitimização.

Feita essa recapitulação, voltemos ao tema principal. Especialmente em relação à vitimização secundária, temos que esse processo traumático pode ou não ser necessário. E é aqui que uma recente mudança da Lei Maria da Penha veio a minorar tais efeitos. Trata-se da inserção do DEPOIMENTO SEM DANO nessa lei especial, a partir da Lei 13.505/2017.

A partir da redação conferida pela modificação normativa, é direito da mulher em situação de violência doméstica e familiar o atendimento policial e pericial especializado, ininterrupto e prestado por servidores – PREFERENCIALMENTE DO SEXO FEMININO – previamente capacitados. Ademais, a inquirição da mulher em situação de violência doméstica e familiar ou de testemunha JAMAIS terá contato direto com investigados ou suspeitos e pessoas a eles relacionadas.

E, de maneira expressamente preventiva à vitimização secundária, o art. 10-A da LMP[1] prevê a NÃO REVITIMIZAÇÃO da depoente, evitando sucessivas inquirições sobre o mesmo fato nos âmbitos criminal, cível e administrativo, bem como questionamentos sobre a vida privada.

Sempre critico alterações legislativas e as múltiplas atecnia do legislador. Aqui, contudo, faço questão de elogiar. Trata-se de um avanço sensível e, acima de tudo, coerente e pautado situação pertinente e calcada em estudos multidisciplinares, à luz da criminologia, direito penal e processual penal.

Depoimento sem dano, vitimização secundária, criminologia, direito penal e processo penal. Isso tem CARA DE PROVA! Anota aí porque vai cair!

Espero que tenham entendido e gostado!

Vamos em frente!

Pedro Coelho – Defensor Público Federal e Professor de Processo Penal e Leis Penais Especiais.

 

 

 

[1] Art. 10-A. É direito da mulher em situação de violência doméstica e familiar o atendimento policial e pericial especializado, ininterrupto e prestado por servidores – preferencialmente do sexo feminino – previamente capacitados. § 1ºA inquirição de mulher em situação de violência doméstica e familiar ou de testemunha de violência doméstica, quando se tratar de crime contra a mulher, obedecerá às seguintes diretrizes: I – salvaguarda da integridade física, psíquica e emocional da depoente, considerada a sua condição peculiar de pessoa em situação de violência doméstica e familiar; II – garantia de que, em nenhuma hipótese, a mulher em situação de violência doméstica e familiar, familiares e testemunhas terão contato direto com investigados ou suspeitos e pessoas a eles relacionadas; III – não revitimização da depoente, evitando sucessivas inquirições sobre o mesmo fato nos âmbitos criminal, cível e administrativo, bem como questionamentos sobre a vida privada. § 2º Na inquirição de mulher em situação de violência doméstica e familiar ou de testemunha de delitos de que trata esta Lei, adotar-se-á, preferencialmente, o seguinte procedimento: I – a inquirição será feita em recinto especialmente projetado para esse fim, o qual conterá os equipamentos próprios e adequados à idade da mulher em situação de violência doméstica e familiar ou testemunha e ao tipo e à gravidade da violência sofrida; II – quando for o caso, a inquirição será intermediada por profissional especializado em violência doméstica e familiar designado pela autoridade judiciária ou policial; III – o depoimento será registrado em meio eletrônico ou magnético, devendo a degravação e a mídia integrar o inquérito.   

 

Quer conquistar a sua aprovação em concursos públicos?

Prepare-se com quem mais entende do assunto!

Comece a estudar no Gran Cursos

Notícias Recomendadas

Lei 8.987: saiba os principais pontos da Lei ...

Rafael Medeiros 20 de Outubro de 2020

Lei 8069, a Lei do Estatuto da Criança e do ...

Rafael Medeiros 25 de Agosto de 2020

Lei 12016
Lei 12016: saiba tudo sobre a Lei do Mandado ...

Rafael Medeiros 1 de Novembro de 2020

Depoimentos relacionados

Isabela Vitti
1º lugar - Auditor do TCDF

Isabela Vitti Vieira Borges nasceu e reside em Brasília/DF, cidade onde viu se concretizar o grande sonho de ser aprovada…

Eduardo Ghellere
5º lugar - Escrivão da Polícia Federal

Eduardo Ghellere Olivo estudou por oito meses e meio para o concurso PF. Seus estudos começaram após vender a participação…

Gilson José
Escrivão da Polícia Civil do Rio Grande do Sul

Em busca de estabilidade e de melhores salários para dar uma melhor condição de vida para a família, Gilson José…

Emili Rietta
Polícia Rodoviária Federal

O desejo de fazer a diferença, inspirou a nossa aluna Emili Barro Rietta a fazer concursos públicos. Além desse desejo…

Eduardo de Sousa Menezes
Papiloscopista da Polícia Federal

Eduardo Sousa de Menezes foi aprovado na primeira etapa do Concurso PF para o cargo de papiloscopista e agora está…

Pedro Higor Faustino
Agente da Polícia Federal

Pedro Higor Faustino é natural de Juazeiro/BA, mas reside desde pequeno em Brasília/DF, onde mais tarde começaria a sonhar com…

Gabriel Evangelista
Escrivão da Polícia Federal

Nosso aluno Gabriel, aprovado no concurso PF, disse não ter acreditado quando viu seu nome na lista de aprovados, a…

Daniele Laís
5º lugar - IBGE

Daniele Laís saiu de seu emprego no SENAC DF aproveitando um momento de mudança no seu cargo, hoje extinto, e…

Pedro Coelho

Equipe de Comunicação do Gran Cursos Online
0

2


Comentários (2)

Avatar Rosilda carvalho lopes 7 de Agosto de 2020

Uma lei que tem dado certo.

 Responder

Avatar Rosilda carvalho lopes 7 de Agosto de 2020

Excelente.

 Responder

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *