Desmontando a curva do esquecimento

Desmontando a curva do esquecimento“A memória guardará o que valer a pena. A memória sabe de mim mais que eu; e ela não perde o que merece ser salvo.” Eduardo Galeano

Um filósofo alemão chamado Hermann Ebbinghaus foi o primeiro pesquisador da área de psicologia a desenvolver testes de inteligência. Foi também pioneiro no uso de técnicas experimentais em pesquisas sobre a aprendizagem e o primeiro a estudar a relação entre capacidade e tempo de memorização e a facilidade de recuperação das informações retidas. Em 1885, Ebbinghaus apresentou ao mundo a sua teoria sobre a Curva do Esquecimento (Forgetting Curve), que demonstrava graficamente a quantidade de informações que nosso cérebro é capaz de reter ao longo de um dado período de tempo. Até hoje a sua teoria é amplamente empregada no campo do estudo da memória e da aprendizagem por profissionais de todo o mundo.

No artigo de hoje, tentaremos explicar, de maneira simples e objetiva, por que a tese da curva do esquecimento pode nos ajudar a melhorar a retenção dos inúmeros conteúdos das muitas matérias que constam dos editais de concursos. Analisaremos a fundo o assunto, a fim de que você, amigo concurseiro que nos acompanha, tenha mais um instrumento para melhorar a sua capacidade de armazenamento das informações que precisará recuperar no dia D do certame.

“…todos nós somos dotados de boa memória; ela só precisa ser trabalhada de forma adequada.”

O primeiro fato que você precisa assimilar é que todos nós somos dotados de boa memória; ela só precisa ser trabalhada de forma adequada. Do contrário, em condições normais, se, por exemplo, tivermos assistido a uma aula hoje pela manhã, no fim do dia lembraremos, em média, 75% do conteúdo nela ministrado. Cerca de 24 horas mais tarde, seremos capazes de recordar 50% do conteúdo; muitas vezes até menos, em torno de 35%, a depender da densidade das informações. Passados 30 dias, nós nos lembraremos de apenas 3% a 5% do que vimos. A grande maioria das pessoas relata essa limitação, que é absolutamente normal. É a tal curva do esquecimento, que foi objeto do estudo de Hermann ainda no século XIX.

O que devemos fazer, então, para quebrar a regra dessa fatídica curva do esquecimento e conseguir fixar pra valer as informações que estudamos? Devemos produzir resumos comprimidos ou eficientes (explicaremos do que se trata daqui a pouco)? Devemos revisar periodicamente e/ou explicar para alguém o conteúdo imediatamente após o termos estudado? Devemos resolver milhares de questões de provas anteriores?

Sabe-se que nosso cérebro perde muito rapidamente as informações nele retidas. Isso já é consenso na ciência. Para refrescar a memória, devemos revisar, revisar, revisar e praticar – no nosso caso, resolvendo milhares de questões de concursos anteriores ao longo do desenvolvimento do plano de estudo. Sim, estudar para concurso exige a elaboração de um bom plano de estudos, com objetivos e metas diários. Caso o assunto lhe interesse, neste artigo o meu amigo e professor de Direito Constitucional do Gran Cursos Online Wellington Antunes dá algumas dicas de como elaborar um.

Acredite: não se deve ler com os olhos, mas com a ponta da caneta, de preferência de várias cores.

A primeira técnica de memorização que quero compartilhar com você é uma que conheci ainda no tempo da escola e da faculdade e que sempre me rendeu excelentes resultados nas provas. Ela consiste em assistir à aula ou ler o capítulo do livro, da apostila, do e-book, do pdf etc. e, ao mesmo tempo, ir preparando o tal resumo ou assinalando – com rigor, concentração e critério – as passagens mais relevantes do texto. Tudo isso, claro, sem deixar de registrar anotações no rodapé e nas bordas do material de estudo. Isto é muito importante! Eu sempre soube que material de estudo deve ser riscado e rabiscado. Acredite: não se deve ler com os olhos, mas com a ponta da caneta, de preferência de várias cores.

Mas o pulo do gato vem agora: revise o conteúdo várias vezes. Em resumo, nossa sugestão é a seguinte: faça uma revisão logo após ter estudado o assunto, outra 24 horas mais tarde, mais uma depois de 7 dias, uma após 30 dias e por fim revisões de manutenção a cada 45 dias. E não se esqueça de que, em seu plano de estudo, precisam ser reservadas duas semanas antes da prova apenas para a revisão geral de todos os tópicos do edital. Essa técnica é útil para quem precisa memorizar grande volume de informações, o que é o seu caso, concurseiro e futuro servidor público.

Quando se faz a revisão do conteúdo no mesmo dia em que ele foi estudado, a retenção sobe de 75% para 100%. Rever o assunto um dia mais tarde é necessário porque o nível de lembrança, a essa altura, já caiu para 50% ou menos. Tanto essa revisão das 24 horas como as subsequentes devem ser feitas por meio da leitura do resumo que você elaborou cuidadosamente durante as anotações iniciais, lembra-se? De início, reserve até 10 minutos para lê-lo, mas vá aumentando a velocidade da leitura para reduzir o tempo para 9, 8, 7… até chegar a apenas 1 minuto por resumo. Essa técnica faz a mente manter a assimilação das informações no nível ideal, de 100%.

“Revisão programada não é, como alguns pensam e espalham por aí, perda de tempo.”

Revisão programada não é, como alguns pensam e espalham por aí, perda de tempo. Perda de tempo é estudar sem fazer resumos e sem revisar o conteúdo de modo eficaz como o que sugerimos. Quem age assim fica obrigado a, depois, ler tudo de novo, e de novo, e de novo… Isso, sim, é perda de tempo e estudo inútil e pronto para ser esquecido. É inevitável: quem estuda sem revisar vai esquecer o que estudou; quem não revisa o conteúdo estudado terá de estudar tudo de novo, e do zero! Obviamente, para esse candidato, faltará tempo para vencer todo o programa do edital.

A revisão serve para, primeiro, reativar a memória; segundo, assimilar as informações importantes; terceiro, aumentar a retenção de 75% (inicial) para 90% e até 100%. Esse método já foi exaustivamente testado e aprovado. Minha sugestão é: teste-o apenas uma vez. Garanto que você vai obter excelentes resultados e não vai mais querer saber de outro.

Estudo sério pressupõe o máximo de concentração e nada de distração. Naturalmente, também demanda um mínimo de compreensão de cada assunto do edital, aliada à memorização dos temas que não têm muita lógica ou sentido prático. Para isso, quanto mais revisões, melhor, pois o esquecimento será menor. O esquema ideal é leitura seguida de resumo, de revisões e, por fim, de exercícios.

Não há regras rígidas para aplicação desse método. Você deve levar em conta as suas características individuais, a quantidade de matérias previstas no edital do seu concurso, a sua disponibilidade de tempo para o estudo, a planilha de metas que você elaborou e a densidade do material de estudo que você adotou. São esses e outros fatores que, com base na experiência e no bom senso, definirão quantas revisões serão necessárias até o dia da prova.

“O maior desafio do concurseiro, portanto, não é tanto a quantidade de conteúdo e de disciplinas a serem vencidas, mas a capacidade de chegar ao fim do plano de estudos com tudo estudado, lido, relido, treinado e na ponta da língua.”

O maior desafio do concurseiro, portanto, não é tanto a quantidade de conteúdo e de disciplinas a serem vencidas, mas a capacidade de chegar ao fim do plano de estudos com tudo estudado, lido, relido, treinado e na ponta da língua. Em termos técnicos, com tudo devidamente armazenado na memória de longo prazo para ser recuperado durante a prova.

Esse tema é tão amplo, que pode render outro artigo. Voltaremos a conversar mais sobre estudo, memorização e esquecimento. Memorizem os ensinamentos que vimos hoje e não se esqueçam do nosso próximo encontro. Até lá!

Gabriel Granjeiro


GabrielDiretor-Presidente e Fundador do Gran Cursos Online. Vive e respira concursos há quase 10 anos. Formado em Administração e Marketing pela New York University, Leonardo N. Stern School of Business. Fascinado pelo empreendedorismo e pelo ensino a distância.

 

 


 

Gabriel Granjeiro
Gabriel Granjeiro
Diretor-Presidente e Fundador do Gran Cursos Online
60 Comentários

60 Comentários

  1. Maria do socorro

    21/09/2017 12:55 em 12:55

    Ja conhecia esta curva, e bem interessante ….

  2. Fabiana Ramso

    29/03/2018 20:46 em 20:46

    Vlw Gabriel! Revisões são muito importante, palavras de ouro as suas!

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Para o Topo