Série Quebrando a banca Cespe/Unb: Raciocínio Lógico-Matemático

Avatar


26/09/2016 | 12:51 Atualizado há 1789 dias

tamanho-quadrado-2“A matemática é a única ciência exata em que nunca se sabe do que se está falando nem se aquilo que se diz é verdadeiro.”
(Bertrand Russell)

Com este artigo, em que analisaremos o tema Raciocínio Lógico-Matemático, chegamos ao fim da série “Quebrando a Banca Cespe/UnB”. Ufa! Como você que nos acompanha sabe, ao longo das últimas semanas vínhamos destrinchando a forma como essa que é uma das mais tradicionais organizadoras de concursos no Brasil costuma cobrar os assuntos das disciplinas básicas dos certames.

A matéria Raciocínio Lógico-Matemático tem estado presente em praticamente todos os concursos públicos que exigem como grau de escolaridade o ensino médio e em muito certames de nível superior. É um bicho-papão para a maioria dos concurseiros, que fogem de editais que incluem essa disciplina no programa como o diabo foge da cruz. Isso faz algum sentido, na medida em que não se estuda Raciocínio Lógico ou Matemática da mesma forma que se estudam disciplinas como Direito Constitucional, Direito Administrativo, Língua Portuguesa ou Informática por exemplo. É fato: preparar-se em Raciocínio Lógico-Matemático (RLM) exige cuidado especialíssimo, além de ferramentas muito peculiares e da elaboração de problemas mentais bem diferentes daqueles aos quais um concurseiro está acostumado.

O estudo da lógica é o estudo dos métodos e princípios que permitem distinguir o raciocínio correto do incorreto; aquilo que “tem lógica” daquilo que não tem; o que é verdadeiro do que é incorreto (falácia). A verdadeira mãe de toda a preparação, quando o tema é raciocínio lógico matemático, é a senhora prática. E o verdadeiro desafio para os concurseiros é obter no dia “D” as respostas certas no menor tempo possível. Então, mais uma vez fica a dica: pratique, pratique, pratique… e, quando não estiver praticando, volte a praticar!

Para apresentar os números que em seguida serão traduzidos em um gráfico, consultamos doze provas de certames aplicados nos anos de 2013, 2014, 2015 e 2016. Foram eles: DPU – Analista e Assistente Administrativo, TCU – Auditor, MPU – TI e Comunicação, DPRF – Agente, PCDF – Escrivão e Agente de Polícia, INSS – Técnico, DEPEN – Agente, Funpresp – Analista e PF – Agente.

O nosso colaborador para a produção deste artigo foi o professor Josimar Padilha. Logo de início, quanto ao grau de dificuldade, nosso mestre classificou as provas da DPU – Analista, do TCU, do DPRF e da Funpresp como “MUITO DIFÍCEIS” e as provas da DPU – Assistente, da PCDF – Agente e Escrivão, do INSS – Analista, do DEPEN e da PF como “DIFÍCEIS”. Apenas a prova para o MPU foi considerada “MUITO FÁCIL” por ele.

Os 102 itens cobrados sobre RLM estavam assim distribuídos nas provas:

grafico-rlm

Estruturas Lógicas – equivalências, negações e tautologia – 22 questões (21,57% da amostra); Inferências e Lógica de Argumentação – 18 itens (17,65%); Análise Combinatória e Probabilidade – 8 itens (7,84%); Lógica Matemática – conjuntos, problemas aritméticos, geométricos e matriciais – 35 itens (34,31%); Relações arbitrárias entre pessoas, lugares e objetos e dedução de novas informações – verdades e mentiras – 9 itens (8,82%); e Raciocínio Analítico – 10 itens (9,80%).

Agora uma informação que é do interesse sobretudo dos concurseiros que se dedicam às carreiras de segurança pública: nas provas para vagas nessa área, a importância da matéria RLM tem aumentado bastante. Notamos que é nelas que cai o maior número de itens sobre RLM. A prova com o maior número de questões da matéria foi a da PCDF – Agente, com 15 itens. Já as com menos itens sobre essa disciplina foram as provas do TCU e do INSS, com apenas 5 itens cada uma.

É isso, caro aluno. Estamos convencidos de que com esta série de artigos pudemos oferecer uma análise de grande valia para aqueles que estão na “fila” da preparação para concursos e sonham com a estabilidade financeira em um cargo público.

Faremos uma breve pausa na próxima semana, quando publicaremos um artigo motivacional com dicas sobre o que um concurseiro nunca deve fazer. Já na semana seguinte, iniciaremos a série “Quebrando a Banca FCC”. Com isso, estaremos atendendo a inúmeros pedidos dos nossos amigos leitores, assíduos seguidores do nosso blog e fãs das nossas páginas.

Bons estudos e GRAN sucesso,

“Um sábio nunca diz tudo o que pensa, mas pensa sempre tudo o que diz.” (Aristóteles)

________________________________________________________________________________________________

Gabriel

Gabriel Granjeiro

Diretor-Presidente e Fundador do Gran Cursos Online. Vive e respira concursos há quase 10 anos. Formado em Administração e Marketing pela New York University, Leonardo N. Stern School of Business. Fascinado pelo empreendedorismo e pelo ensino a distância.

 

Josimar Padilha

Professor do Gran Cursos Online. Ministra aulas presenciais, telepresenciais e online de Matemática Básica , Raciocínio Lógico, Matemática Financeira e Estatística para processos seletivos em concursos públicos estaduais e federais; Professor de Matemática e Raciocínio Lógico em várias faculdades do Distrito Federal. Servidor Público há mais de 20 anos. Autor de diversas obras. Palestrante.

________________________________________________________________________________________________

Comentários (14)

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.