Acredite: Agora é a melhor hora para você estudar para concursos públicos!

Gabriel Granjeiro


30/09/2016 | 12:25 Atualizado há 1575 dias

concursos públicos

Crie um projeto de mudança de vida e siga em frente até atingir sua meta!

Segundo dados da Agência Nacional de Proteção aos Concursos (ANPAC), os concursos públicos atraem cerca de 13 milhões de pessoas em todo o país. No entanto, estima-se que apenas 10% delas frequentem cursos de escolas preparatórias e somente 5% dos inscritos sejam competitivos de fato. A conta é mais ou menos esta: de cada 100 inscritos num concurso, 30 nem sequer aparecem para fazer a prova e, dos que comparecem, de 4 a 7 têm chance real de serem classificados. Por isso, você que me lê não deve se importar com a relação candidato/vaga. Preocupe-se, sim, em se preparar adequadamente e com a ajuda de quem tem experiência na área e bons resultados para mostrar.

“E a crise? E os cortes no orçamento? Repito com convicção: não poderia haver momento mais propício para quem quer se preparar para um concurso.”

Não poderia haver momento melhor do que o atual para quem almeja um cargo ou um emprego público como meio de subsistência e de garantia de um futuro mais tranquilo para si e para a família, seja no Executivo, seja no Legislativo, seja no Judiciário. Mas você deve estar se perguntando: E a crise? E os cortes no orçamento? Repito com convicção: não poderia haver momento mais propício para quem quer se preparar para um concurso. Em momentos de crise econômica como o que estamos vivendo no Brasil, milhares de candidatos desistem de seus objetivos, desanimados com as notícias ruins que circulam na mídia sobre a situação delicada do país. Desistem por terem visão apenas de curto prazo, ignorando o fato de que a aprovação em concurso público, sobretudo em certames de alto nível, é um projeto de médio e de longo prazo. Enquanto muitos cedem ao desânimo, outros continuam normalmente o ritmo de estudos. Esses estarão muito mais competitivos quando a enxurrada de editais sair. E não tenha dúvida: isso certamente acontecerá em algum momento, por conta da grave carência de servidores que alguns órgãos e entidades públicas enfrentam no Brasil.

Reflita comigo: Quanto tempo as pessoas levam para concluir uma faculdade? E para terminar uma pós-graduação? Uma graduação em Administração, por exemplo, dura em média 4 anos e, dependendo da instituição educacional, o estudante desembolsará mais de 30 mil reais apenas em mensalidades durante esse período, sem nenhuma garantia de que o diploma lhe assegurará uma remuneração atrativa no futuro. Uma pós-graduação de 18 meses pode custar 8 mil reais, também sem nenhum tipo de garantia de retorno financeiro. Já quem estuda com afinco para concurso durante cerca de 4 anos pode investir menos do que esses valores e ser aprovado e nomeado em diversos concursos, o que lhe garantirá uma boa remuneração para o resto da vida, sem contar a estabilidade, invejada por muitos, particularmente em um país de tamanha incerteza como o nosso. E mais: nada impede que esse servidor decida seguir outros horizontes, como, por exemplo, o empreendedorismo, depois de ter garantido a estabilidade e uma boa reserva financeira.

Agora pense no processo de ascensão profissional dentro da iniciativa privada. Quanto tempo um trabalhador demora, em média, para progredir dentro da empresa até chegar a um cargo de gerência? Na absoluta maioria dos casos, vários anos, talvez até mais de uma década. Apesar disso, os salários oferecidos, mesmo em cargos de gerência, tendem a ser inferiores aos que são pagos em cargos de alto nível no funcionalismo público, além, é claro, de o funcionário privado não ter garantia nenhuma de emprego no futuro.

“…é preciso se programar e estudar de maneira estratégica. Crie um projeto de mudança de vida de médio a longo prazo, decida qual é o seu objetivo e trace um plano de estudos focado em uma carreira específica.”

Portanto, é preciso se programar e estudar de maneira estratégica. Crie um projeto de mudança de vida de médio a longo prazo, decida qual é o seu objetivo e trace um plano de estudos focado em uma carreira específica. Não se distraia pelas más notícias que o cercam nem pelo pessimismo das pessoas, cada vez mais presente. Não perca tempo com comentários desmotivadores em grupos do Facebook ou do WhatsApp, que pouco agregam para aqueles que estão focados em um projeto e não vão desistir dele até alcançar a sua meta. E lembre-se de que estudar por alguns anos para ingressar no serviço público certamente é muito mais promissor do que continuar no seu emprego atual ou buscar por especializações caras, custosas e que talvez nunca se revertam em alguma vantagem de fato. Há poucos investimentos, de tempo e de dinheiro, que dão o retorno vitalício que uma carreira pública pode proporcionar.

Os concursos públicos são particularmente interessantes para a faixa etária mais jovem da população, aquela que está em busca do primeiro emprego, mas encontra dificuldades na iniciativa privada por causa da pouca experiência profissional. Os jovens são vítimas de um perverso círculo vicioso: não conseguem emprego por falta de experiência e não ganham experiência porque não conseguem emprego. E eis que deparam com o mundo dos concursos. No cargo público, o novo e jovem servidor encontra vantagens e benefícios com os quais nem sonharia na iniciativa privada. Estabilidade, aposentadoria integral e especial – no caso de policiais, aos 30 ou 25 anos de serviço, respectivamente, para homens e para mulheres –, direito à disponibilidade remunerada, auxílio-alimentação, auxílio-creche, auxílio-maternidade, auxílio-moradia, bolsa de estudos, horário especial para estudo, licença para capacitação e afastamento para estudos no exterior são apenas alguns deles.

Nossa equipe desenvolveu uma pesquisa em que traçou o perfil dos concurseiros. Verificamos, por exemplo, que 41% dos candidatos a uma vaga no serviço público vieram de escolas públicas, contra 59% egressos de escolas particulares. Esse dado é bastante sugestivo do caráter democrático e da vocação inclusiva dos concursos públicos. Outro dado importante: 40% dos concurseiros nem sequer leem o edital do concurso em que se inscrevem. Isso representa sério risco de reprovação para uma grande parte dos candidatos por mero desconhecimento das exigências da banca examinadora. Também é relevante saber que 36% dos inscritos não se julgam preparados para fazer o concurso para o qual estudaram. Trata-se de fato bastante animador para os 64% restantes, que se prepararam adequadamente e com antecedência – em geral, sem edital na praça, escolhendo um curso preparatório de alto nível e dedicando pelo menos duas horas diárias aos estudos, em uma rotina profissional.

Também constatamos que 60% dos concurseiros têm dupla jornada de atividade. Em outras palavras, a maioria deles precisa conciliar estudo e trabalho. Reside aí uma das informações mais relevantes para orientar nossas atividades na preparação dos alunos. O notável esforço que a maioria dos estudantes dedica à meta de passar em concurso público é mais uma motivação para nós os ajudarmos. Por isso, temos procurado crescer com eles, oferecendo o melhor ensino, recrutando os melhores professores e proporcionando sempre novas funcionalidades em nossa plataforma de EaD, com um produto para cada concurso e cursos por matéria para reforçar os conteúdos de maior peso ou sobre os quais lhes falte domínio.

Apesar dos cortes orçamentários de 2016, milhares de vagas foram abertas e milhares continuam à disposição de quem deseja, seriamente, conquistar o seu lugar em um órgão público ou em uma entidade pública, em cargo de nível médio ou em cargo de nível superior, no governo federal ou no governo local.

Apesar dos cortes orçamentários de 2016, milhares de vagas foram abertas e milhares continuam à disposição de quem deseja, seriamente, conquistar o seu lugar em um órgão público ou em uma entidade pública, em cargo de nível médio ou em cargo de nível superior, no governo federal ou no governo local. Já temos ex-alunos aprovados e nomeados para o IBGE, por exemplo, entre outros concursos realizados recentemente, em tempos de crise.

Antes de tudo, o que você precisa é ter a consciência de que, se está começando os estudos agora, dificilmente conseguiria passar em um concurso de alto nível se as provas ocorressem nos próximos meses. Por outro lado, no contexto atual, de relativa desaceleração de lançamento de editais, você dispõe de tempo para tirar o atraso, enquanto seus concorrentes, que possivelmente estão mais competitivos do que você hoje, podem simplesmente desistir. Agora, se você já vem estudando há algum tempo, é importante não perder o ritmo. Do contrário, corre o risco de esquecer muito do que já aprendeu e de deixar que muitos concorrentes passem à sua frente na fila.

Enfim, em algum momento próximo vagas serão abertas, e os concursos continuarão a ocorrer. A aprovação depende exclusivamente do seu esforço em concretizar o seu projeto. O concurso público é o processo mais isonômico de seleção do país, já que não leva em conta idade, aparência ou classe social do candidato. Tudo depende, portanto, do seu talento, da sua disciplina e da sua capacidade de perseverar.

Conte conosco, e GRAN Sucesso.

PS: Siga-me em minha recém-lançada página do Facebook e em meu perfil do Instagram. Lá, postarei pequenos textos de conteúdo motivacional. Serão dicas bem objetivas, mas, ainda assim, capazes de ajudá-lo em sua jornada rumo ao serviço público.

 

Gabriel Granjeiro 
Gabriel

Diretor-Presidente e Fundador do Gran Cursos Online. Vive e respira concursos há quase 10 anos. Formado em Administração e Marketing pela New York University, Leonardo N. Stern School of Business. Fascinado pelo empreendedorismo e pelo ensino a distância.

Gabriel Granjeiro

Presidente e sócio-fundador do Gran Cursos Online
0

81

Comentários (81)

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *