Não se ponha o sol sobre a sua ira

Avatar


04/04/2022 | 12:27 Atualizado há 89 dias

Foi a notícia da semana: ator famoso agride apresentador, igualmente famoso, em uma das maiores solenidades do planeta, porque o último fez uma piada de extremo mau gosto em relação à aparência da esposa do primeiro.

Não vamos, aqui, discutir quem estava certo e quem estava errado – ou mesmo em que medida os dois estavam errados. A pauta da nossa conversa será outra: os perigos de sentimentos como a raiva, irmã do medo. Proponho uma reflexão, a partir dos desdobramentos desse episódio, que foi transmitido ao vivo para milhões de telespectadores no mundo inteiro, sobre como a falta de controle em momentos de grande emoção pode, num instante, pôr a perder tudo que conquistamos arduamente.

Ao diminuir consideravelmente nossa capacidade de raciocinar, um sentimento forte como a ira tem tudo para induzir em nós comportamentos com enorme potencial sabotador. Uma pessoa cega pela raiva pode ter reações impensáveis como aquela a que assistimos, atônitos, na cerimônia do Oscar deste ano. Por isso é tão importante aprender a lidar com esse tipo de rompante, que provoca consequências infelizmente bem mais duradouras que os segundos ou minutos de descontrole. Em casos mais extremos, a raiva desmedida é capaz de condenar alguns dos nossos maiores sonhos. Veja o que aconteceu com Will Smith: até mesmo o brilho da premiação com que foi agraciado logo depois do fatídico episódio foi apagado pela confusão que já havia se instaurado. Não se falava em mais nada!

Ser livre não é nada fácil; controlar os sentimentos, menos ainda. São como tarefas que, para serem bem-feitas, requerem treino contínuo. Não se trata de dom, entende? Ao contrário, autocontrole exige muita determinação para seguir dia após dia desenvolvendo e aprimorando métodos para lidar com as próprias emoções. Mesmo a fúria que acompanha a ira pode ser administrada, desde que se esteja devidamente preparado para isso. Afinal, a impulsividade, entre nós, tende a falar mais alto que a sensatez, e, com os nervos à flor da pele, só os mais disciplinados conseguem manter o sangue frio.

Será que há, então, formas de evitar situações constrangedoras como a que o vencedor do Oscar 2022 de melhor ator está tendo de contornar? Sim, há. Cada um de nós pode descobrir as mais eficientes para si, mas sabe-se, por exemplo, que é nos primeiros segundos após o evento gatilho que geralmente perdemos a razão. Logo, em tese, suportar esse choque inicial favorece que voltemos a enxergar os acontecimentos pelo viés racional. Uma boa tática, portanto, é respirar fundo e contar até 15 (sim, até 15, porque dados mostram que grandes tragédias geralmente sucedem atos praticados em intervalos de 12 segundos). Há mais: os 15 segundos devem ser contados da seguinte forma: 101, 102, 103… 115. Percebe como a técnica envolve distrair a mente com sutileza?

O astro de Hollywood Will Smith foi completamente levado pela emoção e acabou perdendo a cabeça. Embora de modo geral seja considerado uma celebridade gentil com os fãs e com os colegas de profissão, naquela ocasião, em particular, não resistiu à raiva e agiu de forma impulsiva. Simplesmente não conseguiu se controlar.

Imagine se tudo tivesse sido diferente. Pense como teria sido se o companheiro zeloso da mulher desrespeitada houvesse aguardado o momento de subir ao palco para receber o prêmio de melhor ator e, então, ao se dirigir à Academia para agradecer, educadamente repreendesse o colega pela piada de mau gosto e chamasse a atenção para os cuidados que se precisa ter em relação a temas como a doença da esposa. Se essa tivesse sido a conduta do marido premiado, o recado certo teria sido dado, e provavelmente quem fez a piada infeliz, envergonhado, pediria sinceras desculpas. Além disso, o mundo inteiro ecoaria uma mensagem bacana sobre uma condição pouco conhecida como a alopecia. Era uma excelente forma de transformar uma situação desagradável em um caso de referência que poderia ser sempre evocado na conscientização das pessoas sobre o assunto. Sei que é fácil, para mim, falar, já que não fui eu quem passou pela situação, mas essa é minha opinião.

Sentimentos como ira são tão humanos que até mesmo alguém como Mahatma Gandhi, provavelmente o maior líder pacifista de que se tem notícia, sabia que estava sujeito a eles. Certa vez, aliás, causou espanto no neto Arun ao assumir que sentia raiva o tempo todo. “Aprendi a usar minha raiva para o bem”, explicou. “A raiva, para as pessoas, é como o combustível para o automóvel. Dá energia para seguirmos em frente e chegarmos a um lugar melhor. Sem ela, não teríamos motivação para enfrentar os desafios. A raiva é uma energia que nos impele a definir o que é justo e o que não é”, completou.

Note que sentir raiva é natural; o que faz a diferença é canalizá-la com sabedoria. Em poucas palavras, a ira pode – e deve – ser empregada para perseguir metas, fazer o bem, realizar sonhos; jamais para agredir pessoas.

Em Efésios 4:26 se lê: “não se ponha o sol sobre a vossa ira”. Como você, meu amigo leitor, bem sabe, Vivi e eu seguimos os preceitos da Bíblia, por isso temos um combinado que observamos à risca: nunca vamos dormir sem, antes, pedir perdão por eventuais demonstrações de ira e raiva de um contra o outro durante o dia. Procuramos, com isso, acalmar o espírito antes mesmo de o sol se pôr. Essa é uma filosofia de vida que nós seguimos e recomendamos, especialmente para recém-casados e jovens prestes a se casar, o que não impede, é claro, que pessoas em outras fases da vida também a tomem como diretriz. Ou seja, nada de se deitar com a raiva correndo nas veias e envenenando o coração.

De qualquer forma, mesmo tentando muito não cometer o pecado capital da ira, talvez um dia você falhe. Quando isso acontecer, aprenda a se perdoar e a pedir perdão, tal como fez Will Smith nas redes sociais logo no dia seguinte ao ocorrido. No fim da mensagem, de tom bastante sincero, ele resumiu muito bem: “Eu sou um trabalho em andamento”.

Todos nós somos, amigo leitor, querida leitora. VIVER é um trabalho em andamento.

“Uma ira desmedida acaba em loucura; por isso, evita a ira, para conservares não apenas o domínio de ti mesmo, mas também a tua própria saúde.” Sêneca (4 a.C.-65), filósofo romano

 

Participe do Canal do Imparável no Telegram e tenha acesso em primeira mão ao artigo da semana e ao áudio do artigo com a voz do autor, além de muitos outros conteúdos para inspirar você, mesmo em dias difíceis!

P.S.: Siga-me (moderadamente, é claro) em meu perfil no Instagram. Lá, postarei pequenos textos de conteúdo motivacional. Serão dicas bem objetivas, mas, ainda assim, capazes de ajudá-lo em sua jornada rumo ao serviço público.

Mais artigos para ajudar em sua preparação:

  1. Quando o NUNCA encontra o AGORA
  2. Liberte-se do fatalismo
  3. Arriscando a própria pele
  4. Metamorfoses são necessárias
  5. Do limão faça uma torta de chocolate
  6. Ouro escondido
  7. Tirando leite de pedra
  8. Teus erros não te definem
  9. Acabe com o seu potencial
  10. Do deserto ao sonho
  11. O próximo nível
  12. Faça muito com pouco
  13. Novo ano, nova visão
  14. Reinvente-se!
  15. Silencie a negatividade
  16. O inimigo interior
  17. Seja mais decidido
  18. Autoconhecimento é poder
  19. Autocuidado não é opcional
  20. Disciplina imparável
Avatar

Presidente e sócio-fundador do Gran Cursos Online
49

11

Comentários (11)

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.