O patinete ou a patinete?

Avatar


11/12/2018 | 15:39 Atualizado há 520 dias

O que era brincadeira de criança invadiu o mundo dos adultos, como solução para a mobilidade urbana. Em São Paulo – e em tantas outras cidades pelo mundo – já é possível encontrar pessoas formalmente vestidas fazendo o uso de patinetes em seus deslocamentos cotidianos.

Mas o assunto que quero tratar aqui é ainda mais polêmico que um executivo em um brinquedo. Você sabe qual é o gênero da palavra “patinete”?

Na contramão do emprego cotidiano, os dicionários e o Vocabulário Oficial da Língua Portuguesa (VOLP) registram “patinete” como um substantivo feminino; portanto, o adequado, segundo o padrão, é a patinete, essa patinete, minha patinete, alguma patinete, assim como claquete. Como justificativa, o professor Pasquale afirma que há um (frágil) respaldo para isso: palavras de origem francesa terminadas em ete devem ser femininas.

Daí vem o curioso: os próprios dicionários conseguem se contradizer em relação a essa regra. Croquete, que também é de origem francesa, é um substantivo masculino no Aurélio, no Aulete e no VOLP. Omelete, no Aurélio e no Aulete, é feminino (e até admite a variação omeleta); mas, no VOLP, admite os dois gêneros (tanto a omelete quando o omelete). E toalete? O requintado sinônimo de banheiro é masculino para os dicionários citados anteriormente, mas é feminino no VOLP! A confusão é grande!

Há uma máxima linguística que explica bem o ocorrido: os dicionários estão sempre atrasados em relação ao uso. Em se tratando de Brasil, que parece querer sempre ir na contramão dos verdadeiros donos da língua, o retardo é ainda maior.

Eu não sei você, mas, quando eu comprar o meu, vou usar o patinete, porque não sou um arrogante e antiquado doutrinador. Se isso aparecer em provas (o que espero que não aconteça, pois é falta de bom-senso do examinador), mudo meu jeito analisar a palavra, mas com a esperança de que um dia a nossa amada língua seja verdadeiramente respeitada!


Elias Santana

Licenciado em Letras – Língua Portuguesa e Respectiva Literatura – pela Universidade de Brasília. Possui mestrado pela mesma instituição, na área de concentração “Gramática – Teoria e Análise”, com enfoque em ensino de gramática. Foi servidor da Secretaria de Educação do DF, além de professor em vários colégios e cursos preparatórios. Ministra aulas de gramática, redação discursiva e interpretação de textos. Ademais, é escritor, com uma obra literária já publicada. Por essa razão, recebeu Moção de Louvor da Câmara Legislativa do Distrito Federal.

 


 

CONCURSOS ABERTOS: veja aqui os editais publicados e garanta a sua vaga!

CONCURSOS 2018: confira aqui os certames previstos ainda para este ano!

CONCURSOS 2019: clique aqui e confira as oportunidades para o próximo ano!

Estudando para concursos públicos? Prepare-se com quem mais entende do assunto! Cursos completos 2 em 1, professores especialistas e um banco com mais de 800.000 questões de prova! Garanta já a sua vaga!

Estude onde, quando, como quiser e em até 12x sem juros! Teste agora por 30 dias!

[su_button url=”https://www.grancursosonline.com.br/concurso/tce-mg-tribunal-de-contas-do-estado-de-minas-gerais” target=”blank” style=”flat” background=”#ff0000″ size=”7″ icon=”icon: shopping-cart”]Matricule-se![/su_button]

Avatar

Professor e Mestre em Língua Portuguesa
0

6

Comentários (6)

Luiz Martini 16 de Junho de 2019

Antes dessa moda recente, OS patinetes movidos por propulsão humana [no caso, crianças] dos anos da minha remota infância nos anos 60 eram MASCULINOS.
Agora inventaram de trocar o gênero.

Essa de verificar o gênero em outro idioma não cola.
Aqui da nossa vizinhança el árbol vira A ÁRVORE logo que cruza as fronteiras Sul e Oeste…

 Responder

Nubia 1 de Junho de 2019

Frágil, mesmo!!! Afinal, se a explicação é porque a palavra deriva do francês (e lá a palavra é feminina), então teríamos que falar O NUVEM, uma vez que, em francês, é LE NUAGE, uma palavra masculina! ‘O’ patinete, para mim também!

 Responder

Tayze 30 de Maio de 2019

Muito bom professor Elias.

 Responder

Tâmara 16 de Junho de 2020

É brincadeira (para não dizer outra coisa –) falar em esperança de que nossa língua seja respeitada se vai continuar falando a língua de forma errada deliberadamente!

 Responder


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.