O poder da paciência

Gabriel Granjeiro


27/11/2017 | 16:06 Atualizado há 1420 dias

O poder da paciência“Não há lugar para sabedoria onde não há paciência.” – Santo Agostinho

Quem nunca perdeu a paciência no trânsito, no trabalho ou na escola, ou com um amigo, um membro da família ou um concorrente? Embora a falta de tolerância seja compreensível uma vez ou outra, todos precisamos aprender a controlar as emoções, seja contando até dez ou, a depender da situação, até cem. O autocontrole é um dos aprendizados que a vida nos impõe, e manter a paciência num momento de raiva pode até evitar alguns anos de pesar.

Particularmente quem almeja uma carreira no serviço público precisa saber, desde logo, que um dos atributos mais exigidos dele – ou dela – será o da paciência. Concurseiros e concurseiras têm de ser pacientes para tolerar as primeiras reprovações e a dificuldade para aprender certas matérias, sobretudo aquelas que nunca viram antes, no tempo da escola ou da faculdade – as quais podem, aliás, parecer até inúteis de vez em quando. No entanto, sem dúvida o maior exercício de paciência que o candidato terá de fazer é o de aguardar resignado a sua vez de ser aprovado no concurso dos sonhos. Ele precisa ter consciência de que um bom resultado não vem da noite para o dia; ao contrário, há que ser construído – e merecido – dia após dia.

Então, é isto: um dos segredos daqueles que realizam grandes coisas e inspiram muitas almas é a paciência. Todo aprendizado – já escrevemos muito sobre isso – requer esforço para que nos tornemos mais pacientes, para que cultivemos a excelência nos estudos, nos esportes, no trabalho e em qualquer outra atividade.

Já vimos que persistência, excelência, eficiência e resiliência são qualidades que devemos cultivar e aprimorar a todo instante, se quisermos atingir o mais alto grau da paciência e, consequentemente, estar aptos a realizar com genialidade tudo aquilo com que nos envolvermos.

“Saber esperar a hora certa de fazer ou receber algo talvez seja a maior virtude de todas.”

Saber esperar a hora certa de fazer ou receber algo talvez seja a maior virtude de todas. Há que plantar a árvore, regá-la e aguardar que ela dê frutos no tempo dela. Trata-se de um fluxo lógico ao qual se deve obedecer. Nada se colhe sem que se plante antes. A virtude está em aguardar esse intervalo entre o plantio da sementinha e o desabrochar de uma bela flor. Por analogia, não se passa em concurso sem que se estude bem antes, sem que se arrisque, sem que se ouse, sem que se mereça. Aguarde com tranquilidade o tempo necessário. Vale para tudo na vida. É simples assim.

No nosso caso específico, o fluxo é estudar, revisar, treinar, estudar, revisar, treinar, treinar, treinar… e esperar, no tempo certo, as aprovações com a desejada classificação. Sobre isso, cabe mencionar, por oportuno, que pesquisadores da Universidade da Flórida, nos EUA, descobriram que se leva, em média, dez anos para desenvolver perícia em um dado assunto. Haja paciência, haja treino, haja suor, dor e lágrimas! Felizmente, no caso de quem estuda para concurso, o tempo para passar e ser nomeado não é tão longo assim, o que, aliás, demonstra o quão compensador é fazer a opção pelo concurso. Confira AQUI um artigo em que falamos mais sobre esse tema.

“Na natureza, há uma estação para tudo – uma para plantar, outra para regar, outra para a árvore crescer e outra para a colheita. Se o produtor respeitar isso, colherá bons frutos. Igualmente, se o concurseiro tiver tranquilidade e sabedoria para cumprir cada etapa de seu projeto, colherá, no seu tempo, bons resultados, traduzidos em muitas aprovações.”

Na natureza, há uma estação para tudo – uma para plantar, outra para regar, outra para a árvore crescer e outra para a colheita. Se o produtor respeitar isso, colherá bons frutos. Igualmente, se o concurseiro tiver tranquilidade e sabedoria para cumprir cada etapa de seu projeto, colherá, no seu tempo, bons resultados, traduzidos em muitas aprovações.

A boa notícia é que, tal como ocorre com o vinho, que vai ficando melhor à medida que envelhece, também a paciência melhora com o tempo. A maturidade, nesse caso, é uma bênção. Paciência e fé é o que tenho perseguido, especialmente nos últimos anos da minha vida profissional-empreendedora. No entanto, confesso, de coração aberto, que às vezes me falta uma dessas virtudes. Mas também já percebi, por exemplo, que o tamanho da minha paciência tem de ser diretamente proporcional ao tamanho do meu propósito: quanto maior for o meu objetivo, maior terá de ser a minha calma, a minha tranquilidade para chegar a bom termo.

“Quando a paciência é bem-desenvolvida – e leva tempo para isso acontecer –, traz consigo a convicção de que todo mal vem acompanhado de um grande bem.”

Dizem que a paciência e a perseverança – e eu incluiria, ainda, a fé – têm o efeito mágico e poderoso de fazer as dificuldades desaparecerem e os obstáculos sumirem do caminho. Quando a paciência é bem-desenvolvida – e leva tempo para isso acontecer –, traz consigo a convicção de que todo mal vem acompanhado de um grande bem. Os obstáculos que surgem – e que precisam ser extirpados –, embora sejam, na maioria das vezes, difíceis de superar e dolorosos, são também o incentivo para as pessoas crescerem como seres humanos e se tornarem mais atentas, mais conscientes, mais pacientes, mais sábias, mais felizes.

Quando deparamos com a dor, com fracassos, com frustrações, temos a oportunidade única e privilegiada de descobrir nossa força interior e os recursos mais íntimos de que dispomos e que até então ignorávamos. Em outras palavras, essas circunstâncias que vêm testar nossa paciência podem nos tornar seres humanos melhores. Depois do sofrimento, aumenta a empatia, ou seja, a capacidade de se colocar no lugar do outro e compreender melhor os seus sofrimentos.

Por isso, caro leitor, quando um novo desafio aparecer em seu caminho, olhe bem nos olhos dele e repita em voz alta: “Eis um novo estímulo para o meu crescimento e sucesso”.

O senhor destino costuma dar muitas voltas antes de nos conduzir ao lugar aonde queremos chegar. Infelizmente, alguns de nós desistem pelo caminho. Há, portanto, que ter paciência, que dar tempo ao tempo, e sem deixar de obrar.

Está na Bíblia: “Alegrem-se na esperança, sejam pacientes na tribulação, perseverem na oração”. A paciência ajuda a tomar decisões no tempo certo e a ter a confiança de que tudo dará certo no fim. Quem se apressa comete erros, não alcança seus objetivos, come cru.

Então, vamos, amigo e amiga concurseira, em direção aos nossos sonhos, sempre com fé, perseverança e muita, muita paciência.

Se você anda impaciente, firme aqui, nos comentários, o compromisso de que vai buscar mudar isso, renovando sua fé e esperança! Garanto-lhe que você perceberá melhores resultados em seus projetos.

“Espere com paciência. Ataque com rapidez.” – Provérbio chinês

PS: Siga-me (moderadamente, é claro) em minha página no Facebook e em meu perfil no Instagram. Lá, postarei pequenos textos de conteúdo motivacional. Serão dicas bem objetivas, mas, ainda assim, capazes de ajudá-lo em sua jornada rumo ao serviço público.

Mais artigos para ajudar em sua preparação:


Gabriel Granjeiro – Diretor-Presidente e Fundador do Gran Cursos Online. Vive e respira concursos há mais de 10 anos. Formado em Administração e Marketing pela New York University, Leonardo N. Stern School of Business. Fascinado pelo empreendedorismo e pelo ensino a distância.

 

Gabriel Granjeiro

Presidente e sócio-fundador do Gran Cursos Online
0

46

Comentários (46)

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *