Gabriel Granjeiro

O poder do pensamento positivo nos concursos e na vida (Parte II)

pensamento positivo“O pensamento positivo pode vir naturalmente para alguns, mas também pode ser aprendido e cultivado. Mude seus pensamentos e você mudará seu mundo.” – Norman Vincent

O artigo “O poder do pensamento positivo nos concursos e na vida”, escrito por nós à luz de pesquisas científicas e de diversas doutrinas religiosas, foi um dos primeiros textos que publiquei em nosso blog, mas até hoje é um dos mais lidos. Diante do sucesso do tema ali abordado, decidi retomar o assunto e estender a compreensão sobre ele, agora a partir dos conhecimentos que adquiri e das experiências que vivi desde a época de sua publicação. Afinal, em dois anos podemos evoluir muito, e acredito que há pontos a serem acrescentados àquela nossa conversa, que foi e ainda é tão relevante para quem almeja melhorar de vida.

De fato, o otimismo cria condições mais propícias à geração de ideias, à elaboração de novos projetos e à busca por alto padrão tanto no âmbito profissional como no pessoal.

Quando adotamos uma atitude considerada “alto astral, para cima, positiva”, o sucesso tende a vir com mais facilidade. É assim porque, quando nos sentimos motivados, conseguimos compreender melhor os nossos problemas e vislumbramos alternativas e soluções que não víamos antes. De fato, o otimismo cria condições mais propícias à geração de ideias, à elaboração de novos projetos e à busca por alto padrão tanto no âmbito profissional como no pessoal. Livros e mais livros provam isso. Pesquisas e mais pesquisas. Li muito a respeito nos últimos meses e vou compartilhar com você um pouco do que aprendi.

Os nossos pensamentos e as nossas crenças podem mudar a nossa mente e o mundo a nossa volta. Pensar – repetidamente – em coisas desagradáveis, por exemplo, pode fazer muito mal à saúde e às pessoas que nos cercam, além de nos deixar irritadiços, estressados, confusos e até um pouco esquecidos. Você conhece alguém que vive doente, só sabe falar em doença e, agindo assim, parece que fica cada vez pior? Eu conheço. E garanto: grande parte dos problemas desse tipo de pessoa advém dos pensamentos que ela nutre.

Os efeitos de pensamentos ruins são particularmente desastrosos para quem depende da memória, da cognição e da concentração no dia a dia, como é o caso do concurseiro, que não pode abrir mão da saúde emocional para enfrentar satisfatoriamente a rotina diária de estudos. Sem contar o dia “D” da prova, não é mesmo? Quem não faz nada além de reclamar está, na prática, dando publicidade ao que deu errado. Não atinge nada, não faz nada; apenas piora a situação. Meu conselho, leitor amigo, é que você tente mudar sua perspectiva sempre que se sentir levemente propenso a ter pensamentos dessa natureza. Falamos sobre isso neste outro artigo (confira AQUI).

Antes de continuarmos nossa conversa, cabe um esclarecimento sobre o que significa adotar uma conduta positiva frente à vida. Muitas pessoas veem na técnica do pensamento positivo mais um clichê, acreditando que se trata de uma fantasia de pessoas que não vivem a realidade do mundo. Mas a verdade é que pensar positivo não é ignorar consequências nem relevar problemas, escolhas malfeitas, fracassos ou erros grosseiros. Muito menos é fingir que está tudo às mil maravilhas em meio ao caos e a situações avassaladoras. Pensar positivo é entender que as coisas acontecem por uma razão. É perceber que mesmo as más experiências por que passamos servem para nos ensinar lições que precisávamos aprender antes de conquistarmos algo bom. Pensar positivo é entender que sempre há uma luz no fim do túnel, por mais fraca que ela seja e por mais distante que ela pareça estar.

Mas – você deve estar se perguntando – como ter pensamentos positivos pode nos ajudar, na prática? Segundo Norman Vincent, ideias e atitudes positivas “beneficiam você e os outros. E tudo o que sua mente puder conceber, ela poderá conquistar. Os seus limites estão nos limites que você impuser a sua mente”. Pensamentos são forças que se concretizam em energia, e a energia, por sua vez, é capaz de produzir vibrações que atraem o que mentalizamos. O problema é que o cérebro não sabe diferenciar o que é nosso desejo, de fato, e o que é apenas uma sombra nociva que projetamos na mente. Por isso, quando nos permitimos ter pensamentos negativos, na realidade estamos abrindo caminho para a nossa vida piorar.

Muitos pensamentos que passam pela nossa mente são ecos de crenças alheias que tentam, como parasitas, sugar a nossa energia e nos fazer acreditar em mentiras. Infelizmente, tudo indica que o padrão da sociedade é dar mais ouvidos a esses parasitas. De fato, como Tim Hurson explica no livro “Pense melhor”[1],  “Os seres humanos são bem mais habilidosos para seguir padrões antigos do que para conceber novos pensamentos”. Um desdobramento curioso – e triste – disso é que vivemos a maior era de entretenimento da história e, mesmo assim, os índices de depressão nunca foram tão altos. E por que isso acontece? Por conta da disseminação de pensamentos negativos de terceiros.

Há pessoas que, sucumbindo a esses pensamentos, destroem sua saúde física e mental ao montarem enredos típicos de filmes de terror na cabeça. Saiba de uma coisa, amigo concurseiro: ninguém é capaz de produzir um roteiro de terror mais eficiente para você do que você mesmo. Por isso, minha sugestão é que você monitore constantemente os seus pensamentos. No momento em que perceber algo tóxico passando por sua mente, visualize-se pegando esse pensamento e o colocando em uma lixeira. Sei que parece difícil, mas, acredite, é plenamente viável. Comece aos poucos, que você logo notará sua evolução e as melhorias decorrentes desse exercício. Eu o faço diariamente e posso afirmar com todas as letras que ele ajuda muito.

Administrar com competência os nossos pensamentos colabora para a redução da ansiedade, para a diminuição do estresse e para o fortalecimento do corpo, preparando-o para combater doenças, inclusive as da alma, e direcionando-o à concretização dos objetivos

Administrar com competência os nossos pensamentos colabora para a redução da ansiedade, para a diminuição do estresse e para o fortalecimento do corpo, preparando-o para combater doenças, inclusive as da alma, e direcionando-o à concretização dos objetivos. Como diz Napoleon Hill,  “Pensamentos são criaturas – e criaturas poderosas quando se misturam com propósitos definidos, persistência e um desejo ardente de que tudo se traduza em riqueza ou em outros bens materiais”[2]. Todos deveríamos ter consciência disso e aprender a domar os pensamentos em busca de uma vida mais feliz e próspera.

Nas obras que escreveu, Cury afirma e reafirma que altos e baixos fazem parte da vida, que ninguém será aplaudido sem antes ter sido vaiado e que grandes sucessos são antecedidos por fracassos

Na mesma linha, o maior psiquiatra brasileiro – quiçá do mundo –, Dr. Augusto Cury, nos ensina que “filtrar estímulos estressantes é uma Técnica de Gestão da Emoção vital para proteger a memória. Ela deve ser operacionalizada tanto contra os ataques de estímulos estressantes que vêm das janelas killer – portanto, do nosso passado – quanto contra os que vêm das do presente”. Nas obras que escreveu, Cury afirma e reafirma que altos e baixos fazem parte da vida, que ninguém será aplaudido sem antes ter sido vaiado e que grandes sucessos são antecedidos por fracassos. Precisamos estar cientes da efemeridade e imprevisibilidade da vida se quisermos gerenciar bem nossos pensamentos e impedir que a mente seja consumida por inserções tóxicas, que, embora sejam impossíveis de conter, podem ser simplesmente jogadas na lixeira, como expliquei linhas atrás[3].

O professor Mark W. Baker, na obra “Jesus, o maior psicólogo que já existiu”, postula que Cristo foi o maior desafiador do pensamento padronizado que já passou pela Terra. O filho de Deus pregava algo que não havia sido pensado por ninguém até então. Sua filosofia, para muitos, parecia até paradoxal. “Para sermos grandes”, dizia ele, “precisamos ser pequenos. Para sermos líderes, precisamos servir aos outros. Para sermos profundos pensadores, temos de ser capazes de sentir. Ser humano é uma questão do coração” [4]. Acredito nisso. Ninguém consegue prosperar em nada neste mundo sem romper padrões e gerenciar sentimentos, que – não custa lembrar! – têm origem nos nossos pensamentos.

As ideias do meu tio, o Bispo JB Carvalho, reforçam o que falamos até aqui. Na obra “Metanoia: a chave está em sua mente”, ele explica que “Existe uma grande conspiração pelo nosso bem acontecendo em tempo real. Quando você se esforça conscientemente a fim de controlar seus pensamentos e sentimentos, você altera a programação química do seu cérebro. Mas, se cultiva pensamentos tóxicos, eles desgastam sua mente e estressam seu corpo. A chave para cada problema está dentro de nós”[5].

Há mais. A neurocientista Carolina Leaf afirma que, a cada manhã, quando acordamos, novas células-bebês nascem com a predisposição de derrubar pensamentos tóxicos. Em outras palavras, diariamente novas células nervosas surgem em benefício da nossa saúde mental. Dia após dia, todos nós temos a possibilidade de nos reinventarmos e a chance de fazermos diferente e melhor. Essa renovação diária funciona como uma espécie de cirurgia cerebral, o que significa que o universo foi programado para conspirar pelo nosso bem[6]. Qualquer desvio nesse movimento contínuo e saudável é resultado de autossabotagem e impõe que nos reprogramemos, algo que podemos fazer simplesmente gerenciando os nossos pensamentos.

Em síntese, leitor amigo, pensar que você está predestinado ao fracasso é acreditar em uma mentira. É se tornar refém do padrão. É dar ouvidos a parasitas. É sabotar a si mesmo.

Para arrematar o assunto, cito Jorge Paulo Lehman, o maior empreendedor brasileiro de todos os tempos: “Prefiro ser otimista. Não conheço muitos pessimistas bem-sucedidos”. Eu também não. Se você ainda não está convencido disso, eu lhe pergunto: Qual é a utilidade de pensar que vai dar tudo errado? Qual é a vantagem de ser pessimista? Mesmo se, objetivamente, as chances de êxito forem baixas, haverá algum sentido em seguir a vida em desesperança? Qual é a lógica de desistir antes mesmo de tentar?

Como diz a sabedoria popular, “o não nós já temos”.

A meu ver, no fim, a análise se torna muito simples, e até óbvia, pois não existem alternativas para alcançarmos os nossos sonhos. É pensar positivo, ou pensar positivo.

Se você acredita nesta mensagem, junte-se a nós e comente logo abaixo: “Vou mudar meus pensamentos. Vou mudar minha vida!”.

Bons estudos e GRAN sucesso!

“Um homem é produto de seus pensamentos. O que ele pensa, ele se torna.” – Mahatma Gandhi

Referências:

[1] HURSON, Tim. Pense melhor: um guia pioneiro sobre o pensamento produtivo. São Paulo: DVS Editora, 2008.

[2] HILL, Napoleon. Quem pensa enriquece. Curitiba: Editora Fundamento Educacional, 2011.

[3] CURY, Augusto. Gestão da emoção: técnicas de coaching emocional para gerenciar a ansiedade, melhorar o desempenho pessoal e profissional e conquistar uma mente livre e criativa. São Paulo: Editora Saraiva, 2015.

[4] BAKER, Mark W. Jesus, o maior psicólogo que já existiu: como os ensinamentos de Cristo podem nos ajudar a resolver os problemas do cotidiano e aumentar nossa saúde emocional. Rio de Janeiro: Editora Sextante, 2005.

[5] CARVALHO, JB. Metanoia: a chave está em sua mente. Brasília: Chara Editora, 2018.

[6] LEAF, Caroline. Ative o seu cérebro. Brasília: Chara Editora, 2018.

PS: Siga-me (moderadamente, é claro) em minha página no Facebook e em meu perfil no Instagram. Lá, postarei pequenos textos de conteúdo motivacional. Serão dicas bem objetivas, mas, ainda assim, capazes de ajudá-lo em sua jornada rumo ao serviço público.

Mais artigos para ajudar em sua preparação:


Gabriel Granjeiro – Diretor-Presidente e Fundador do Gran Cursos Online. Vive e respira concursos há mais de 10 anos. Formado em Administração e Marketing pela New York University, Leonardo N. Stern School of Business. Fascinado pelo empreendedorismo e pelo ensino a distância.

 

Para o Topo