Quais são os Princípios Básicos da SOA? (Teoria)

No artigo O que é SOA?, estudamos sobre a Computação orientada a serviços, os Serviços e, principalmente, a SOA (Arquitetura Orientada a Serviços). Em outro artigo, tivemos a oportunidade de responder 15 questões de concursos a fim de treinarmos o que aprenderemos. Agora, o foco é entendermos quais são os Princípios Básicos da SOA.

Rogério Araújo


28 de Maio 5 min. de leitura

Fala, meus consagrados! Tudo beleza com vocês?

No artigo O que é SOA?, estudamos sobre a Computação orientada a serviços, os Serviços e, principalmente, a SOA (Arquitetura Orientada a Serviços). Em outro artigo, tivemos a oportunidade de responder 15 questões de concursos a fim de treinarmos o que aprenderemos. Agora, o foco é entendermos quais são os Princípios Básicos da SOA.

Então, simbora comigo!


Visão geral

Figura 1: Princípios Básicos da SOA.

 


Padronização do contrato de serviço

Um contrato de serviço representa descrições de um serviço e de outros documentos que descrevem como um serviço pode ser acessado.

O contrato tem por objetivo principal definir as capacidades e o modelo de dados/expressão funcional de determinado serviço. Por meio da leitura de um contrato funcional de serviço, o consumidor deve ter clareza daquilo que o serviço se propõe:

  • A fazer; e
  • Como fazer.

O contrato de serviço funciona como uma interface funcional do serviço, expondo somente informações necessárias para consumo do mesmo e desprezando qualquer tipo de informação específica de tecnologia.

O consumidor não precisa se preocupar em:

  • Como a lógica da solução funciona;
  • Qual linguagem de programação foi escrita;
  • Se consome dados de um determinado SGBD;
  • Entre outras informações específicas.

O consumidor apenas precisa se preocupar somente em como consumi-la.

Com a padronização do contrato de serviço, é possível determinar a estrutura de entrada e saída de dados para cada capacidade no contexto funcional do serviço. Essa capacidade é um método ou atividade de serviço para se executar determinado processo da lógica de serviço.

A padronização contribui para evitar a transformação de dados nas mensagens enviadas/recebidas, o que é outra premissa importante na SOA.

 


Abstração do serviço

Além do que é descrito no contrato de serviço, serviços escondem a lógica do mundo exterior e ocultam detalhes funcionais, tecnológicos e de qualidade.

Abstrair um serviço é uma questão muitas vezes complicada e exige algumas decisões delicadas, pois o serviço:

  • Deve ser genérico o bastante para se adaptar ao máximo de composições possíveis;
    • Favorecendo:
      • O cenário de redundância de recursos;
      • O desperdício financeiro; e
      • O atraso da TI frente ao negócio; e
  • Não pode ser abstrato demais;
    • Ao ponto de o consumidor não saber do que se trata o serviço.

Dentro desse princípio, nos deparamos com o termo agnóstico. Ele representa a capacidade de adaptação e serventia a diversos propósitos. Serviços com esta habilidade deixam de ser vistos como meros serviços e ganham uma posição importante na corporação:

  • Sendo reconhecidos como recursos empresariais;
  • Tendo valores estratégicos para o negócio como um todo.

O poder de adaptação e a capacidade de utilização em diversos cenários é um grande passo para:

  • Obter-se um bom retorno de investimento (ROI);
  • Aumentar a agilidade operacional da TI; e
  • Diminuir a redundância de serviços e aplicações descartáveis para a empresa.

 


Baixo ou fraco acoplamento

O acoplamento representa o nível de dependência entre recursos e serviços. Está relacionado com a capacidade de um serviço de ser independente de outros para realizar a sua tarefa.

Existem duas formas de acoplamento entre o consumidor e o provedor do serviço:

  • Consumidor para implementação; e
  • Consumidor para o contrato.

O consumidor para implementação acontece quando o consumidor do serviço ignora os termos do contrato e acessa diretamente a funcionalidade de um serviço de forma indiscriminada e despadronizada.

Já o consumidor para o contrato é o acoplamento ideal para consumo de serviço, pois garante-se que a lógica de solução será acessada se somente se o contrato de serviço for respeitado.

 


Autonomia do serviço

Sobre a autonomia de serviço, temos que os serviços têm controle sobre a lógica que a encapsulam.

Esse princípio é fortemente influenciado pelo princípio de baixo acoplamento do serviço, pois quanto mais recursos compartilhados o serviço utilizar, menor será sua autonomia para o negócio.

A autonomia prega que cada serviço deve ser responsável pelo seu ambiente em tempo de execução e projeto. No entanto, em composições complexas, à medida com que o serviço aproxima-se do topo da cadeia de composição, o nível de autonomia é automaticamente comprometido. Em contrapartida, é possível afirmar que quanto menor for a posição do serviço na composição, maior será sua autonomia.

 


Visibilidade do serviço

Esse princípio também é chamado de descoberta de serviço.

Os serviços são projetados para ser exteriormente descritos, para que possam ser encontrados e avaliados através de mecanismos de descobertas disponíveis.

Eles devem ser de fácil interpretação e descoberta e também devem ser genéricos o bastante para servirem a diversas causas.

Neste princípio, há dois tipos de capacidades:

  • Capacidade de descoberta:
    • Um serviço possui a capacidade de descoberta quando tem metadados e contrato coesos e padronizados, os quais permitem a descoberta deste serviço em dado ambiente; e
  • Capacidade de interpretação:
    • Um serviço possui a capacidade de interpretação se, após descoberto, o candidato a consumidor conseguir identificar o objetivo, as capacidades e o modelo funcional necessário para se cumprir com o contrato de serviço.

Relacionamento com outros princípios:

  • Abstração de serviços:
    • O serviço deve ser sim o mais abstrato possível, mas não ao ponto de perder sua identidade
  • Padronização do contrato de serviço:
    • Para auxiliar na modelagem do contrato, a capacidade de descoberta do serviço influencia na criação de convenções para:
      • Nomenclaturas de capacidades;
      • Normalização de modelos;
      • Entre outros.

 


Sem estado (Stateless)

Por padrão SOA, serviços não devem guardar estado.

O objetivo desse princípio é garantir o melhor desempenho do serviço por meio do isolamento da responsabilidade de se guardar estado. O serviço deve:

  • Receber a mensagem;
  • Fazer o devido tratamento na mesma; e
  • Responder de forma esperada a cada requisição.

Serviços minimizam a retenção da informação em determinada atividade.

Serviços reutilizáveis e composições complexas por si só já aumentam consideravelmente a carga de processamento de infraestrutura e complexidade do projeto. Se adicionado o armazenamento de estado poderia ser o divisor de águas entre o sucesso e o fracasso a longo prazo.

O excesso de dados em memória influenciaria diretamente na escalabilidade e disponibilidade do serviço, ferindo o princípio de autonomia do serviço.

Alguns tipos de estado específicos para serviços:

  • Ativo:
    • Indica que o serviço está em atividade;
      • Sendo usado ou invocado por um consumidor; e
  • Passivo:
    • Standby;
    • Indica que o serviço está disponível;
      • Mas não está em uso.

 


Reusabilidade

A lógica é dividida no serviço com a intenção de reuso.

Esse princípio está associado à necessidade de adaptação do serviço a diferentes tipos de requisições e ambientes, dando corpo ao conceito de composição de serviços.

A reusabilidade permite ao serviço contribuir com todos os objetivos estratégicos da arquitetura orientada a serviços de forma que a construção de recursos duplicados seja mitigada:

  • Facilitando o gerenciamento dos recursos de TI; e
  • Consequentemente aumentando a agilidade da TI em responder a novas necessidades do negócio
    • Aumentando consideravelmente o retorno de investimento da corporação;
      • Uma vez que o alinhamento estratégico da TI com o negócio se perpetua por meio da adaptação dos serviços.

 


Composição de serviços

Vários serviços pequenos podem criar um serviço maior.

 


Heterogeneidade

Para promover a interoperabilidade, SOA promove na implementação de serviços a independência de:

  • Plataforma de desenvolvimento;
  • Tecnologias de implementação; e
  • Linguagens de programação.

 


Referências

 


 

Então é isso!
[]’s e até a próxima!
_________________________
Professor Rogerão Araújo

Quer conquistar a sua aprovação em concursos públicos?

Prepare-se com quem mais entende do assunto!

Comece a estudar no Gran Cursos

Depoimentos relacionados

Estudando de 3 a 4 horas por dia antes do edital e dedicando todo o seu tempo após a publicação…

Diante de uma reprovação, muitas pessoas desistem. Esse não foi o caso de Fernando Henrique M. que mesmo após 12…

Natural de Goiânia, Gustavo Rodrigues escolheu a carreira pública por dificuldade em encontrar um emprego bom na área privada. Com…

“É incrível e emocionante, dá um frio na barriga, o coração dispara, e a ficha demora a cair. Faltam palavras…

Quando Henrique Passamani Tamanini decidiu que conquistaria o cargo público, nenhum obstáculo foi forte o suficiente para desmotivá-lo. Chegando a…

Rafaela Pereira sempre esteve inserida no mundo do serviço público. Dentro de casa, a mãe, o pai e o padrasto…

Natural de Palmas/ TO, Reydner Mamud Pereira Alves começou a sonhar com o cargo público desde o seu ingresso na…

Andréia Rodrigues foi alfabetizada em uma escola da zona rural, onde, segundo ela conta, aprender a ler e a escrever…

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *