Gabriel Granjeiro

Quais sementes você está plantando?

Que sementes você está plantando?A Lei da Semeadura diz, em resumo, que colhemos o que plantamos. Essa que é uma das máximas mais poderosas do universo lembra também que da semeadura até a colheita passam-se dias, meses, anos. Isso quer dizer, caro leitor, que nossas sementes, na forma de erros e acertos, escolhas e renúncias, estão caindo no chão hoje para gerar frutos que serão colhidos daqui a 1, 2, 5, 10, 15… 30 anos. Você tem paciência e perseverança para esperar esse tempo todo? E sabe bem que sementes deve plantar?

Geralmente, quem não tem visão de futuro não sabe o que semear. Pessoas assim, sem nenhum projeto de vida, deixam de plantar boas sementes hoje e, por consequência, deixarão de colher bons frutos amanhã. Mas por que elas agem dessa forma? Às vezes porque têm medo de ousar, às vezes porque estão cheias de dúvidas, às vezes porque simplesmente não querem se entregar ao trabalho que um bom plantio exige. Por outro lado, quem tem visão de futuro e vive bem o hoje, sem estar preso ao ontem ou cheio de ansiedade em relação ao amanhã, consegue identificar logo o que está atrapalhando a sua jornada e o fazendo perder o rumo. É alguém que já decidiu o que semear. Age como quem viu o que tinha de ver, acredita nos próprios sonhos e projetos e se planeja para torná-los realidade.

“Incrédulos geralmente não estão preparados para prever as obstruções, as travas e os cadeados comuns em toda nova construção, em toda nova plantação, em toda nova obra.”

Sou da opinião de que, se não há fé, no sentido mais amplo da palavra, não há visão de futuro nem, tampouco, um futuro promissor. Pessoas sem fé correm mais risco de vagar sem rumo e de perder o controle sobre as emoções. Incrédulos geralmente não estão preparados para prever as obstruções, as travas e os cadeados comuns em toda nova construção, em toda nova plantação, em toda nova obra. Sabe por quê? Porque a ausência de fé os torna cegos para o fato de que, atrás de uma porta em que há muitas travas, esconde-se um grande tesouro. Uma pessoa dotada de fé, por sua vez, sabe que não se colocam trancas onde não há nada de valor para ser guardado. Ela acredita que o seu futuro grandioso está sempre trancado a sete chaves e age com bravura para romper cada um dos lacres que a separam dele.

Tenha sempre em mente, concurseiro amigo, que ninguém atrai para si aquilo que quer, mas, sim, aquilo que é. Suas mãos sempre segurarão apenas o que você merece, apenas o fruto nascido da semente que você plantou. Nem mais, nem menos. O que você tiver semeado será o que você colherá. Você tem livre arbítrio para decidir cultivar o jardim da sua longa estrada como um jardineiro meticuloso que mantém sua preciosa terra livre de ervas daninhas, plantando nela apenas as flores mais bonitas e os frutos mais nutritivos. Ou você pode plantar sementes ruins, estéreis. Você tem o poder de escolher cuidar com esmero do pomar que floresce, adubando as árvores de frutos doces e regando as flores mais perfumadas. Ou você pode usar a terra para reproduzir frutos azedos e plantas venenosas. Você pode, enfim, cultivar o sucesso, por meio de pensamentos edificantes, ou perder-se em meio a pensamentos e ideias inúteis. A escolha é sua.

“Mentalizar nunca será o bastante se você não sair da inércia”

Outro detalhe: embora a habilidade de conduzir bem os próprios pensamentos seja um passo importante rumo à realização de sonhos, não basta orar pedindo bênçãos. Pensamento sem ação é inútil, meu amigo. Mentalizar nunca será o bastante se você não sair da inércia. Orações só são atendidas quando, além de harmonizadas com os pensamentos e com as crenças, resultam em ações concretas e se convertem em esforço e dedicação. Cabe a você ser construtor e forjador do seu próprio destino.

“Lembre que, para colher bem, há que respeitar duas condições básicas: a perseverança e o tempo certo”

Por isso, não deixe de fazer o bem e de plantar boas sementes. Chegará a hora de ceifar, você vai ver. Isso, é claro, se você não desfalecer antes nem desistir de semear. Lembre que, para colher bem, há que respeitar duas condições básicas: a perseverança e o tempo certo. Sei que é muito difícil esperar. Sobretudo longas esperas nos quebrantam e nos humilham; põem à prova a nossa fé. Paciência é, mesmo, um atributo raro, mas o fato é que as melhores colheitas são também as que mais demoram a ocorrer.

Diariamente, ouço relatos amargos de concurseiros que estudam muito, dedicando à preparação todos os dias e horas que têm disponíveis, mas, apesar de todo o empenho, ainda não conseguiram ser aprovados. Alguns até já passaram em um concurso ou outro, mas não se classificaram dentro das vagas. Outros, mais bem-sucedidos, dizem, orgulhosos, que poderão até escolher em qual órgão ou entidade tomar posse. O que tenho a dizer sobre situações tão antagônicas assim é que os aprovados e classificados estão colhendo hoje o que plantaram outrora. Estão apenas sorvendo o suco dos frutos de sua dedicação do passado. Pode até ser que alguns deles estejam sendo beneficiados adultos por terem tido uma base melhor no ensino médio ou na faculdade. Seja como for, não tenho dúvidas de que a situação deles é resultado de algo que semearam no passado. Cuidado para não cair na armadilha da inveja. É fácil julgar quem está indo bem agora sem dar o devido crédito à semeadura de anos que foi feita. Pense nisso.

Infelizmente, também são comuns reclamações de alunos e alunas que alegam estudar, trabalhar, frequentar a igreja e até desenvolver projetos sociais sem que essas ações se revertam em coisas boas para eles. Pelo contrário, sentem como se só atraíssem para si insucessos e frustração. Para piorar, têm a impressão de que com os outros, não importa o quão omissos ou relapsos sejam, nada de ruim acontece. Embora esse quadro pareça um tanto injusto, a situação é bastante simples: o que é dessas pessoas está guardado. Em algum momento, lá na frente, a conta chegará e os relaxados pagarão caro. É sentar e esperar para ver. Então, não perca tempo se preocupando com a colheita alheia. Conhece aquela expressão que diz que a grama do vizinho é sempre mais verde? Pois é… Quase nunca é verdade e, mesmo que fosse, qual é a importância disso em sua vida? Você se importa? Mesmo?

A pergunta que interessa, caro leitor, é: O que você está fazendo agora – no momento atual – para daqui a 5 ou 10 anos se ver na condição que idealizou, com prosperidade em todos os aspectos de sua vida? O que está plantando hoje para colher amanhã na esfera pessoal e na profissional? Que frutos espera apanhar nas finanças e em termos de saúde física e mental?

Se você se identificou com esta mensagem e decidiu plantar apenas boas sementes de hoje em diante, registre nos comentários: “Plantarei apenas o bem!”.

Vamos juntos, sempre em frente, rumo a uma farta colheita!

“E isto afirmo: aquele que semeia pouco pouco também ceifará; e o que semeia com fartura com abundância também ceifará”. 2 Coríntios 9:6

Bons estudos e GRAN sucesso,

PS: Siga-me (moderadamente, é claro) em minha página no Facebook e em meu perfil no Instagram. Lá, postarei pequenos textos de conteúdo motivacional. Serão dicas bem objetivas, mas, ainda assim, capazes de ajudá-lo em sua jornada rumo ao serviço público.

Mais artigos para ajudar em sua preparação:


Gabriel Granjeiro – Diretor-Presidente e Fundador do Gran Cursos Online. Vive e respira concursos há mais de 10 anos. Fascinado pelo empreendedorismo, pelo ensino a distância e por mudar vidas. Formado em Administração e Marketing pela New York University, Leonardo N. Stern School of Business.

Para o Topo