Decisões que mudam tudo

Gabriel Granjeiro


16/08/2021 | 17:03 Atualizado há 62 dias

“Toda uma corrente de acontecimentos brota da decisão, fazendo surgir a nosso favor toda sorte de incidentes e encontros, e assistência material que nenhum homem sonharia que viesse em sua direção.” – Johann Goethe (1749-1832), filósofo alemão

O que é a vida senão o conjunto de escolhas que fazemos dia a dia? Feitos extraordinários têm origem em boas decisões. O contrário também ocorre, com uma má decisão facilmente terminando em retrocesso. Bom ou ruim, o fato é que ninguém sabe sempre, no momento da tomada de uma decisão, se ela é das grandes ou não. De qualquer forma, não importa. Toda e qualquer resolução pode mudar absolutamente tudo.

Somos livres para fazer nossas escolhas, para decidir neste ou naquele sentido. Essa liberdade chega a assustar, pois significa que toda a responsabilidade está em nossos ombros. Ora, se fui eu quem fez uma opção, não posso culpar nada nem ninguém pelas consequências dela: nem a economia, nem o sistema político, nem minha herança genética. Foi minha atitude que determinou os atos e fatos que se sucederam. Entende por que o livre-arbítrio é a maior responsabilidade que recebemos de Deus?

Decisões são fruto de nossas emoções, e estas, por sua vez, têm origem em nossos pensamentos. Uma dada escolha surge, portanto, de um estado mental específico e impulsiona numa ou noutra direção. Em outras palavras, não existe neutralidade na tomada de decisões. Decidimos o tempo todo, até mesmo de forma inconsciente, e sempre com base em nossos valores e princípios. Estamos decidindo até quando decidimos não decidir nada. Nesse caso, o resultado pode ser tristeza, amargura, rancor… Aquele que hesita em decidir ou opta deliberadamente por não fazê-lo se arrisca a seguir arrependido pelo resto de seus dias. Decidir é salutar, decidir é necessário, decidir é da natureza humana.

Na condição de empreendedor, estou ciente de que a tomada de decisões está na essência de gerenciar. Sem ela, a gestão é um vácuo. Algumas das escolhas feitas por um gestor são acertadas e relevantes, trazendo resultados incríveis para todos que estão no time. Muitas outras, porém, não surtirão o mesmo efeito, e outras tantas um dia se mostrarão equivocadas. Poucas vezes um líder faz um acerto grandioso que muda tudo e, em geral, quando consegue, é porque errou antes e aprendeu com a experiência.

Toda decisão envolve medo. Medo de mudar, de errar, de se arrepender. Faz sentido, já que decisões implicam mudanças, mais ou menos drásticas. A decisão de mudar de profissão dá frio na barriga de qualquer um… A de criar uma empresa impõe ao empreendedor uma rotina, para dizer o mínimo, abnegada… A de constituir família inaugura uma série de responsabilidades e compromissos que são para a vida toda… A de eleger um novo governante traz sérias implicações para a cidade, o estado ou o país inteiro… A de viajar pelo mundo tira da zona de conforto o tempo todo… A de se mudar de casa ou de país, então, nem se fala… A de aderir a um rígido programa de exercícios físicos e dieta para perda de peso exige hábitos novos, muitos dos quais inseridos na rotina depois de muito sofrimento…

Interessante notar que o sucesso em cada uma dessas decisões é resultado de pequenas outras que servem como treino para as maiores. Não por outra razão, é possível antever o rumo que nossa existência tomará e até redesenhá-lo, se assim quisermos. Basta seguir a lógica de ir tomando decisões simples, associadas a pequenos ganhos ou pequenas perdas, dia após dia. Sobre essas escolhas diárias incidirão os juros compostos da vida, com os lucros e dividendos caindo em nossa conta dez ou vinte anos mais tarde. A maior preocupação deve ser, portanto, com a constância na trajetória, não com os resultados imediatos.

Por isso, amigo leitor, jamais ceda à tentação de abdicar dos seus sonhos em troca de satisfações momentâneas. O instante passa. Num piscar de olhos, pronto, já foi. Com sua trajetória na Terra é diferente. Os fatos podem até ser efêmeros, mas não sua vida como um todo. Chegará a hora de prestar contas dos seus atos e de pagar o preço por suas decisões. É então que você perceberá como foi acertada a opção por acumular conhecimento, tomando pequenas decisões e se preparando para, quando fosse preciso, partir para as grandes. Como Warren Buffett diz, “é assim que funciona o conhecimento. Ele acumula, como juros compostos”.

Decidir ter disciplina nos estudos mudou minha vida. Decidir fazer faculdade no exterior mudou minha vida. Decidir montar o Gran Cursos Online, em junho de 2012, mudou minha vida. Decidir convidar a Viviane, hoje minha esposa, para sair, também mudou minha vida. Na época, é claro que eu não sabia que essas decisões eram das grandes, mas EU defini a direção, e segui o caminho. O resultado veio – depois de muito plantio e de muitas lágrimas, é verdade, mas veio.

Houve um tempo em que Jeff Bezos, hoje o homem mais rico do mundo, se questionou se deveria deixar o bom emprego que tinha para construir uma empresa do zero no mundo digital. Foi por essa época que ele cunhou o conceito de “minimização de arrependimento”. Perguntou a si mesmo: “No fim da minha vida, vou me arrepender de não ter feito isso?”. A resposta que lhe veio à mente foi de que ele passaria os anos atormentado, pensando como o negócio teria sido. Então, saiu e seguiu seu projeto, bastante arriscado, ciente de que tudo poderia dar errado, mas com a consciência tranquila, pois estava preenchendo um vazio com potencial de atormentá-lo para sempre. E foi assim que fundou a Amazon. O juiz Fábio Esteves, em entrevista para o canal Imparável, resumiu bem a ideia: não devemos pagar o preço de desistir. Desistir causa uma dívida impagável. Seremos cobrados de maneira implacável.

E então, concurseiro, qual é SUA decisão que mudará tudo para VOCÊ? Qual é a escolha que, se não for feita logo, lhe causará arrependimento para o resto da vida? O que é que, se você deixar de realizar, o levará a remoer o que poderia ter sido e não foi? Seu sonho é ser juiz? Então vá à luta! Nada de criar uma fonte de amargura por não haver tentado. É ser policial? Então, por favor, não se condene a chegar aos 80 anos de idade doente de tristeza por não ter tomado a decisão certa na hora certa.

Não perca tempo, não demore a decidir. São as pequenas escolhas que definem o tom e o rumo. Decida estudar um pouco mais hoje. Decida fazer um planejamento melhor hoje. Decida matricular-se em um curso hoje. Decida que você quer mudar de vida e não vai aceitar nada, além disso. Decida que você merece ser feliz em todas as áreas. Decida que você é capaz.

Decida.

Se concorda com esta mensagem, escreva nos comentários: “Eu decido!”. Vamos, o quanto antes, rumo a uma nova direção!

Mais artigos para ajudar em sua preparação:

  1. Todo o amor que há em você
  2. Talvez…
  3. Faça as pazes com a sua história
  4. PARE de querer controlar TUDO
  5. Encare a solidão
  6. Você dá conta
  7. Traga à memória o que dá esperança
  8. É o processo que fortalece
  9. Pense diferente
  10. Quando a realidade destrói seus sonhos
  11. Desaprenda o que limita você
  12. Decida ser intencional
  13. Pare de focar os sentimentos negativos
  14. Por que está demorando tanto?
  15. Não tenha medo de ter medo
  16. Faça da autoestima um hábito
  17. Não é o que parece
  18. Você ainda não conheceu a sua melhor versão
  19. Construa sua vida sobre a rocha
  20. Cansei de me frustrar. O que faço?
  21. Vamos ter mais foco
Gabriel Granjeiro

Presidente e sócio-fundador do Gran Cursos Online
50

76

Comentários (76)

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *