Gabriel Granjeiro

Viva num novo patamar

“Se você quer algo novo, você precisa parar de fazer algo velho.” – Peter Drucker (1909-2005), escritor, professor e consultor administrativo austríaco

A maioria das pessoas vivem num velho patamar: no patamar do que é cômodo, no patamar do que é mais prático, no patamar do que é menos arriscado. Não olham para cima e, por isso, são incapazes de enxergar tudo que há lá, em níveis bem mais altos do que o nível em que estão. Encontram-se estagnadas, paradas e com medo de deixar a vida com a qual já se acostumaram. Entretanto, os maiores sonhos que alguém pode ter estão num novo patamar, num patamar que fica bem além do da letargia e da mediocridade. Sabendo disso, caro leitor, a pergunta que devemos fazer é: como podemos chegar lá? Como podemos atingir um novo patamar em nossa caminhada?

O primeiro passo é aceitar que existe esse novo patamar. O segundo é entender que é viável subir até ele. Depois, é trabalhar para mudar resultados. Sabe quem pode ajudar, emprestando um pouco de toda a sua experiência nesse ramo? Peter Drucker, pai da administração moderna e referência na arte de gerir pessoas e entregar resultados. Hoje, recorreremos a algumas de suas lições para conectar conceitos de administração e o estudo para concursos, embora as máximas vistas a seguir sejam aplicáveis a qualquer projeto.

Está preparado? Então vejamos o que o Dr. Drucker tem para nos ensinar.

  1. Não podemos prever o futuro, mas podemos criá-lo.

Adoro esse ensinamento, que, na minha percepção, toca no ponto sobretudo quanto àquelas pessoas que se sentem vítimas das circunstâncias em vez de corresponsáveis por elas. Ora, qualquer situação pode ser encarada como uma nova oportunidade, e cabe a cada um de nós usar da criatividade para, por exemplo, ao notar que o momento é de choro, pensar rápido e começar a vender lenços.

Proatividade é fundamental para criar o próprio futuro, e, nesse contexto, a habilidade de projetar cenários é um enorme diferencial. Quer ser capaz de fazer esse tipo de antecipação? Não há segredo: é preciso persistência, conhecimento e motivação. Lembre-se: uma atitude tomada hoje tem o poder de mudar o cenário de amanhã, criando novos ambientes, propiciando novos resultados e conduzindo a um novo patamar na vida e na carreira.

  1. Mais arriscado que mudar é continuar fazendo o mesmo.

Essa lição encontra eco na filosofia e na ciência em geral. O pai da dialética, Heráclito de Éfeso, por exemplo, dizia que “a única coisa permanente é a mudança”. Já Einstein, um dos maiores cientistas de todos os tempos, ensinava que “insanidade é continuar fazendo sempre a mesma coisa e esperar resultados diferentes”. Ora, concurseiro, você não está obtendo os resultados que esperava? Então perca o medo e implemente mudanças significativas em seu método de estudo. Converse com os colegas de missão, peça a opinião de ex-concurseiros, consulte os professores, ouça com humildade os relatos de quem chegou lá.

O que pode fazer um candidato que tem ido mal em provas estilo Cebraspe – cujo critério de correção prevê a anulação de uma resposta certa a cada resposta errada – para reverter esse resultado nos próximos certames? Talvez mudar a ordem das etapas de estudo? Explico. Se ele adota o método tradicional, baseado na leitura seguida de resumos e só então resolução de exercícios, pode inverter tudo e começar pela resolução das questões de provas recentes para só então consultar o ponto na doutrina, na legislação ou na jurisprudência, conforme o caso. É uma possibilidade. Pode ser que, com essa medida, seus pontos fortes sejam potencializados e seus pontos fracos se tornem irrelevantes.

  1. O maior benefício do treinamento não é a aprendizagem de algo novo, mas a capacidade de se fazer melhor aquilo que já se fazia bem.

Eis aí uma lição das mais preciosas para quem quer ser bem-sucedido na carreira, de forma mais ampla, e em certames, exames e competições, em sentido estrito. A ideia aqui é sempre agregar valor ao que se faz; é sempre fazer mais bem feito.

Qual é o objetivo de uma empresa ao promover um novo treinamento de seus colaboradores? Atualizar seus conhecimentos técnicos? Adaptá-los a novas tarefas e atribuições? Mudar neles hábitos ou atitude indesejáveis? Adequá-los à cultura e aos objetivos da instituição? Ora, tudo isso! Em última análise, o que qualquer empreendedor espera de seus colaboradores é que passem a desempenhar melhor suas atribuições e, com isso, contribuam para o crescimento da empresa.

Analogamente, por que um candidato a uma vaga no serviço público é treinado exaustivamente na resolução de exercícios, simulados e provas? Para que faça cada vez melhor o que está sendo treinado a fazer, ajustando-se o mais perfeitamente possível ao estilo da banca. Afinal, de que adianta o concurseiro conhecer as melhores técnicas de estudo e fazer resumos como ninguém se ele não está familiarizado com a prova de uma banca em particular? Basta dizer que o desconhecimento das características específicas da organizadora da prova é uma das razões para mais de 80% dos formados em Direito reprovarem no Exame da Ordem…

  1. Aborde os problemas com ignorância.

Ninguém precisa ter vergonha por ser mais ou menos incapaz de resolver problemas. Ao contrário, reconhecer as próprias limitações de maneira consciente, assumindo posição de absoluta ignorância sobre determinado assunto, torna mais fácil a assimilação do novo conteúdo, ajuda a dissecar o entrave e a formular as melhores soluções para ele.

Mais uma vez, entra em cena o atributo da humildade e, com ele, a constatação de que todas as inovações e soluções eficazes são surpreendentemente simples. É claro: há que dedicar tempo e atenção ao problema, há que observar tudo de perto – com o auxílio de uma lupa, se preciso for –, para que os mínimos detalhes sejam notados. É sendo minucioso que se ganha o jogo e o campeonato.

  1. Milagres às vezes acontecem, mas é preciso trabalhar tremendamente para isso.

“O primo do meu amigo passou sem estudar nada.” Você certamente já ouviu uma mentirinha como essa, tão comum no universo dos concursos, não é? A verdade, no entanto, é que o único “milagre” que pode acontecer em matéria de concurso público é cair na prova o conteúdo que você mais estudou ou o que mais domina.

Antes de começar a acreditar que você também pode dar essa “sorte”, repare bem: o milagre é cair o conteúdo que você mais estudou ou que mais domina. Necessariamente, tem de haver intensa preparação prévia para que seja possível se tornar o “sortudo” da vez. Por sinal, muitos dos nossos mestres ensinam que é mais fácil ganhar na Mega-Sena do que passar em concurso sem estudar. Como em tudo na vida, a sorte ou o “milagre” só sorri para aqueles que são laboriosos, diligentes, dedicados.

Paramos nossa análise por aqui, amigo leitor, embora haja inúmeras outras lições do Dr. Peter Drucker com potencial para inspirar você a buscar um novo patamar em sua vida. Para concluir nossa conversa, apenas citaremos algumas:

– “Não há nada tão inútil quanto fazer com grande eficiência algo que não deveria ser feito.”

– “O que pode ser medido, pode ser melhorado.”

– “Planejamento de longo prazo não lida com decisões futuras, mas com um futuro de decisões presentes.”

Agora que aprendemos bastante com as lições do administrador austríaco, vamos juntos viver um novo patamar de colaboração, de gestão, de negócios, de preparação?

Se sua resposta é sim, registre nos comentários: “Vou viver num novo patamar!”

Em tempo, também quero convidá-lo a conhecer algo que o levará a um novo patamar: a nossa Assinatura Ilimitada para concursos e OAB. Nela, você terá tudo que precisa em um único lugar, por uma única mensalidade, sem restrições. Saiba mais AQUI e mude a sua vida.

PS: Siga-me (moderadamente, é claro) em minha página no Facebook e em meu perfil no Instagram. Lá, postarei pequenos textos de conteúdo motivacional. Serão dicas bem objetivas, mas, ainda assim, capazes de ajudá-lo em sua jornada rumo ao serviço público.

Mais artigos para ajudar em sua preparação:

 


Gabriel Granjeiro – Diretor-Presidente e Fundador do Gran Cursos Online. Vive e respira concursos há mais de 10 anos. Formado em Administração e Marketing pela New York University, Leonardo N. Stern School of Business. Fascinado pelo empreendedorismo e pelo ensino a distância.

 

Para o Topo