Gabriel Granjeiro

Como eliminar os pensamentos negativos

“A lei da mente é implacável. O que você pensa, você cria. O que você sente, você atrai. O que você acredita, torna-se realidade.” – Buda

Em algum momento, todos que leem a respeito de desenvolvimento pessoal chegam à conclusão de que o pensamento positivo pode fazer toda a diferença na trajetória em busca do sucesso. A ideia de que pensar positivamente contribui para a realização de sonhos é consensual; apesar disso, a tarefa de manter os pensamentos bem direcionados não é nada fácil. Os pensamentos vêm e vão, e nem todos são bons. Na verdade, alguns podem ser até catastróficos. E aí? O que fazer? Como eliminar os pensamentos negativos? É hora de compartilhar com você, meu fiel leitor, algumas dicas práticas a respeito disso.

1. Aceite que há situações que você não pode mudar.

Não raro, observo pessoas excessivamente preocupadas com situações que estão absolutamente fora do controle delas. Para citar um exemplo, na época das mais recentes eleições presidenciais dos Estados Unidos, muitos brasileiros estavam verdadeiramente preocupados com a eleição de Donald Trump para o cargo de maior poder no mundo. Em sua análise, eles temiam que Trump, com seu estilo menos tolerante e mais avesso ao diálogo, se tornasse responsável até por uma terceira guerra mundial. Não pretendo, aqui, fazer nenhum juízo de valor a respeito de tal prognóstico. Entretanto, quero, sim, deixar bem claro que não adianta nada se preocupar com uma questão como essa, uma vez que não há nada que se possa fazer para reverter eventuais decisões do hoje presidente dos EUA. A verdade é que a preocupação não vai ajudar a mudar a realidade. É perda de tempo, de paz, de saúde, de vida. Isso não quer dizer que devemos simplesmente nos manter alheios aos problemas do mundo, nem justifica nossa alienação. Só o que aconselho é que você se ampare um pouco na lógica. Reflita: se você ficasse sabendo que o mundo acabará amanhã, adiantaria se preocupar? Não! O que você deveria fazer? Apenas aproveitar cada segundo da forma que lhe conviesse.

Mesmo que o foco de sua ansiedade seja algo tangível e ao seu alcance, saiba que se preocupar em demasia também não ajuda muito. Claro que certo grau de preocupação é inevitável e, em alguma medida, até desejável, sobretudo se resultar em ação preventiva. Você pode – e deve – ter preocupação, por exemplo, com a possibilidade de seu filho adoecer, desde que isso leve você a tomar medidas de precaução, como vaciná-lo e levá-lo com regularidade ao pediatra. Trata-se, nesse caso, de uma preocupação boa, que dura pouco tempo e é acompanhada de ações concretas. Todavia, se você permitir que sua preocupação se transforme em sua ocupação, como vejo acontecer com mais frequência do que desejaria, saiba que você terá problemas. Na qualidade de empreendedor, minha principal ocupação é resolver os problemas; não vivenciá-los. Por isso, eu não perco muito tempo me “pré-ocupando” com eles. Penso, reflito, absorvo e, sobretudo, ajo. Trabalho muito para resolvê-los dentro de minhas possibilidades.

“Se o problema tem solução, não esquente a cabeça, porque tem solução. Se o problema não tem solução, não esquente a cabeça, porque não tem solução.”

Há um provérbio chinês que diz: “Se o problema tem solução, não esquente a cabeça, porque tem solução. Se o problema não tem solução, não esquente a cabeça, porque não tem solução.” Esse pensamento vai ao encontro do que estou defendendo aqui hoje, com uma importante ressalva: quase todos os nossos problemas podem ser resolvidos; porém, às vezes, achamos que não, e desistimos. Muito cuidado com isso. O impossível costuma ser uma questão de perspectiva, não de fato. Certa vez, ao conversar com um amigo sobre esse provérbio, eu disse que não concordava cem por cento com a mensagem. Meu colega matou a charada, dizendo: “Gabriel, se o seu problema verdadeiramente não tem solução, então esse não era o problema que você tinha de resolver. O seu problema é outro.” Rebati: “Será? Parece ser um jeito muito otimista e até irrealista de enxergar as coisas.” Ele concluiu: “Há outra forma mais produtiva de enxergar a vida? Se conhecê-la, apresente-me”. Touché.

  1. Entenda que há uma grande diferença entre o fato e a sua interpretação dele.

Seres humanos são especialistas em distorcer informações. É incrível! Pegamos um acontecimento, acrescentamos uma pitada de emoção e a nossa visão sobre o assunto, repassamos para outra pessoa, e, pouco mais tarde, o que era um acidente de carro se transformou numa catástrofe nuclear com saldo de duzentos mortos (o exemplo pode parecer exagerado, mas nem sempre é assim tão infactível, rs).

Entenda que você não pode mudar os fatos, mas a interpretação sobre eles depende só de você.

Entenda que você não pode mudar os fatos, mas a interpretação sobre eles depende só de você. Às vezes, o que pode parecer algo muito ruim, como o término de um relacionamento com alguém que você amava muito, pode, na verdade, ser o livramento de uma relação tóxica que não lhe faria bem. Talvez perder aquele concurso tenha sido bom para você, pois você será aprovado em um muito melhor e não precisará se mudar de estado com toda a família. Pode ser que a perda de um grande negócio seja o que o fará despertar de vez e ganhar muito mais dinheiro em outra oportunidade. Tudo é uma questão de interpretação.

Levo a vida com base na filosofia de que para todo mal vem um bem. É claro que, uma vez ou outra, não consigo de imediato perceber qual será o bem resultante de um mal num caso concreto; afinal, nem sempre um acontecimento mostra rapidamente a que veio. Ainda assim, procuro enraizar essa filosofia de vida dentro de mim, o que tem me feito bem. Encorajo que você também adote essa mentalidade.

  1. Compreenda que o medo e o negativo fazem mais barulho do que o bom.

O cérebro humano é programado para se manter em estado de alerta e ativar o medo em determinadas situações. Essa é uma característica decorrente da evolução da nossa espécie: o estado de alerta e o medo garantiram a sobrevivência de muitos dos nossos ancestrais, pelo menos dos que viveram tempo bastante para passar seus genes adiante. Esse é outro fator pelo qual o que é ruim e negativo tende a chamar mais a nossa atenção do que o que é bom e positivo. Você já deve ter notado que as notícias ruins se espalham mais rápido do que as boas, não é? É da natureza humana focar em acontecimentos ruins. E há quem explore essa nossa característica: qualquer jornal na tevê é rotineiramente um show de horrores. É o que vende, infelizmente.

Tente combater todo acontecimento ruim da sua vida com um fato bom. Tenho certeza de que, no final do cômputo, os bons terão sido mais numerosos.

Apesar de ser impossível eliminar o medo (nem seria conveniente fazê-lo, visto que ele é salutar em várias situações), é possível controlá-lo. Como? Primeiro, cultive um ambiente propício a uma visão mais positiva do mundo, dos acontecimentos e de sua capacidade de alcançar o que busca. Se você é daqueles que perdem uma hora por dia para assistir às desgraças veiculadas nos jornais da tevê, pare com isso agora mesmo e apenas leia o resumo das notícias na internet. Não levará mais do que cinco minutos. Poupe seu tempo, mantendo-se atualizado na medida certa e sem acender o seu estado de alerta desnecessariamente. Segundo, afaste-se de pessoas tóxicas que só tentam incutir em você o medo que elas mesmas sentem. Pessoas assim nunca lhe oferecerão nada de bom. Se é alguém da sua família e de quem você não pode se afastar, tente ajudá-la a enxergar a vida de outra forma. Ainda assim, recomendo que você diminua o tempo que passa com ela. Terceiro, cruze a linha do medo em pequenos passos. Comece fazendo algo que antes assustava você só um pouco, como falar em público, conversar com estranhos, prestar concursos de nível superior… Você verá por si mesmo que o medo que o afligia não era impossível de ser superado, e isso lhe trará confiança para alçar voos mais altos. Quarto, crie a rotina de vincular algo bom a tudo que for ruim. Se o seu dia foi difícil, reflita sobre o que ele teve de bom. Tente combater todo acontecimento ruim da sua vida com um fato bom. Tenho certeza de que, no final do cômputo, os bons terão sido mais numerosos.

Meu amigo, minha amiga, com esses três passos você tem tudo para controlar e até mesmo eliminar em grande medida os pensamentos negativos que cruzam a sua mente e atrapalham o seu projeto de estudos e de mudança de vida.

Se esta mensagem fez diferença para você, registre nos comentários: “Eliminarei os pensamentos negativos!”.

GRAN sucesso,

“Não há maior sinal de loucura do que fazer uma coisa repetidamente e esperar a cada vez um resultado diferente.” – Albert Einstein

PS: Siga-me (moderadamente, é claro) em minha página no Facebook e em meu perfil no Instagram. Lá, postarei pequenos textos de conteúdo motivacional. Serão dicas bem objetivas, mas, ainda assim, capazes de ajudá-lo em sua jornada rumo ao serviço público.

Mais artigos para ajudar em sua preparação:

 


Gabriel Granjeiro – Diretor-Presidente e Fundador do Gran Cursos Online. Vive e respira concursos há mais de 10 anos. Formado em Administração e Marketing pela New York University, Leonardo N. Stern School of Business. Fascinado pelo empreendedorismo e pelo ensino a distância.

 

 

Para o Topo